GRCS

A Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL) Energia, abriu as inscrições para seu Programa de Estágio 2018 em busca de estudantes de ciências humanas e exatas, em São Paulo e no Rio Grande do Sul. Os interessados devem estar matriculados no penúltimo ou no último ano de graduação ou formação técnica, e podem se inscrever até o próximo dia 1º de setembro, no site: www.cpfl.com.br/estagio2018.

Os selecionados poderão atuar nas cidades paulistas de Bauru, Campinas, Indaiatuba, Jaguariúna, Jundiaí, Mococa, Piraju, Ribeirão Preto, Santos, São José do Rio Pardo e Sorocaba, e nos municípios gaúchos de Caxias do Sul e Passo Fundo. O grupo oferece vagas na área corporativa e nos negócios de geração, distribuição, comercialização e serviços.

O contrato para os candidatos aprovados será de um ano, prorrogável por mais um ano, e a jornada de trabalho varia de 18 a 30 horas semanais, dependendo das necessidades de cada área e de acordo com a legislação brasileira. Como remuneração, a CPFL Energia oferece bolsa-auxílio competitiva com o mercado onde atua e diversos benefícios, como vale-refeição, vale-transporte, academia de ginástica, biblioteca e espaço para estudos, entre outros.


Seleção de candidatos

O processo seletivo será composto por uma prova online, que testa conhecimentos gerais e da língua inglesa, e por entrevistas individuais com os gestores da CPFL Energia. Candidatos para vagas na área de tecnologia da informação também participarão de uma dinâmica de grupo.

O resultado final do Programa de Estágios 2018 da CPFL Energia será anunciado ainda em novembro deste ano, e os estudantes serão informados sobre o andamento do processo seletivo por e-mail. Os aprovados também poderão receber uma ligação da área de recursos humanos para agilizar a etapa de admissão.


Pré-requisitos

Para participar do processo seletivo do Programa de Estágio 2018 da CPFL Energia, o estudante universitário ou técnico deve:

·         Estar matriculado em um dos cursos listados abaixo;

·         estar no penúltimo ou último ano da graduação ou do curso;

·         ter disponibilidade para jornada de trabalho de 18, 20, 24 ou 30 horas semanais.

 

 

Cursos de Ensino Superior Cursos de Ensino Técnico
Administração Eletrônica
Análise de Sistemas Eletrotécnica
Arquitetura Mecatrônica
Biblioteconomia Segurança do Trabalho
Ciência da Computação  
Comércio Exterior  
Contábeis  
Direito  
Economia  
Educação Física  
Engenharias (Ambiental, Civil, Mecatrônica, Elétrica, Produção, Computação)  
Estatística  
Marketing  
Publicidade e Propaganda  

 

 

 

Publicado por Jéssica Silva
Comunicação SEESP
Com informações de CPFL Energia

 

 

 

 

A Braskem, maior produtora de resinas termoplásticas das Américas, abriu, nesta terça-feira (1º/08), inscrições para seus programas de estágio universitário e técnico. Serão selecionados mais de 300 jovens para atuar em diversas áreas, nas unidades da empresa nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Bahia e Alagoas. Os interessados devem se cadastrar no site www.jovensbraskem.com.br até 31 de agosto. Além de bolsa-auxílio compatível com o mercado, a empresa também oferece transporte, alimentação, assistência médica e seguro de vida.


A companhia está em busca de estudantes quem enxerguem no estágio uma oportunidade de aprendizado e desenvolvimento por meio da vivência prática dos conhecimentos apresentados pelas instituições de ensino. Os interessados também devem ter vontade de assumir desafios e serem inovadores. “Buscamos jovens que se conectem com o nosso propósito que é melhorar a vida das pessoas criando as soluções sustentáveis através da química e do plástico”, destaca Camila Dantas, diretora de Desenvolvimento na Braskem.

Programa de Estágio Universitário
Estão abertas 201 vagas para estudantes de penúltimo e último ano de formação universitária. O programa de formação de estagiários da empresa contempla ensino presencial e à distância no “Mundo Braskem”, plataforma interna de capacitação da companhia, e apoia o processo de autoconhecimento desse jovem profissional, que também terá um “líder educador” para acompanhar sua evolução por meio do PDE (Plano de Desenvolvimento de Estágio).

As áreas de formação são: engenharia, administração, economia, psicologia, ciências contábeis, química, publicidade, sistemas da informação, comunicação social (jornalismo, marketing, publicidade e relações públicas), biotecnologia, relações internacionais, direito e outros. O estágio tem duração de um a dois anos.

Programa de Estágio Técnico
Para o estágio técnico, estão abertas 110 vagas para estudantes com mais de 18 anos que já tenham concluído o primeiro semestre do respectivo curso. Formação técnica: química, eletrotécnica, mecânica, automação industrial, eletrônica, petroquímica elétrica e elétrica com ênfase em instrumentação, eletromecânica, manutenção mecânica, instrumentação, automação, inspeção de equipamentos, polímeros/plásticos, inspeção de equipamentos, robótica, mecatrônica, mecânica/civil, edificações, eletroeletrônica e segurança do trabalho. Duração: um ano.

 

Da TN Petróleo
Comunicação SEESP

 

 

 

 

 

 

A importância e a representatividade da cadeia do agronegócio na economia brasileira e o aproveitamento do seu potencial a partir da engenharia estarão em debate no seminário “Inovação, segurança alimentar e logística”, que será realizado no dia 4 de agosto próximo, no auditório do SEESP, na capital paulista (Rua Genebra, 25, Bela Vista). O evento é uma realização da Federação Nacional dos Engenheiros (FNE), juntamente com a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, com o apoio do sindicato, do Instituto de Inovação e Tecnologia (Isitec) e da Confederação Nacional dos Trabalhadores Liberais (CNTU).

A economia brasileira cresceu 1% no primeiro trimestre deste ano frente ao quarto trimestre de 2016 graças à expansão de 13,4% do agronegócio, conforme dados mais recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No período, o setor industrial teve ligeira alta de 0,9%, enquanto o setor serviço não registrou expansão.

O seminário abordará o universo tecnológico mobilizado pela cadeia produtiva de alimentos no Brasil e dará evidência à expansão do agronegócio e seu peso nos negócios. Também colocará em discussão as formas de se empregar a engenharia para tornar as atividades do agronegócio ainda mais competitivas.

Entre os temas a serem analisados estão infraestrutura para as atividades da agropecuária, logística de distribuição de alimentos e processamento e industrialização de alimentos para diferentes mercados. Os debates serão feitos a partir da análise dos temas “produção e cadeia de valor” e “ tecnologia na produção de alimentos”. Simultaneamente, os debatedores vão avaliar como as atividades que tornam o agronegócio bem-sucedido podem ser multiplicadas gerando oportunidades de novos negócios e trabalho.

Confira abaixo a programação do seminário e os especialistas que participam dos debates.

9h - Sessão de abertura

10h30 - Mesa-redonda "Produção e cadeia de valor"
Participantes
Paulo E. Cruvinel - Pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e presidente da Associação Brasileira de Engenharia Agrícola (SBEA)
Luiz Antonio Pinazza - Consultor e consultor técnico da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag)
Coordenador:
Daniel Antônio Salati Marcondes - Vice-presidente do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea) e professor aposentado da Faculdade de Ciências Agronômicas da Universidade Estadual Paulista (Unesp)

12h15 - Intervalo para o almoço

14h - Mesa-redonda "Tecnologia na produção de alimentos"
Participantes
Luís Fernando Ceribelli Madi - Diretor técnico de Departamento do Instituto de Tecnologia de Alimentos (Ital)
Thiago Guilherme Péra - Coordenador do Grupo de Pesquisa e Extensão Agroindustrial de Logística da Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" da Universidade de São Paulo (Esalq/USP)
Coordenador:
Orlando Melode Castro - Coordenador da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta)

16h30 - Encerramento

 

Comunicação SEESP

 

 

 

 

 

O Jornal do Engenheiro na TV desta semana apresentou o Centro de Pesquisas em Grafeno, o MackGraphe, primeiro laboratório da América Latina que trabalha na utilização do composto, no Campus Higienópolis da Universidade Presbiteriana Mackenzie, em parceria com a Universidade Nacional do Singapura.

O material do futuro, como é chamado, pode ser utilizado na engenharia, biomateriais, elétrica e também em tintas e vernizes anticorrosivos entre muitas outras aplicações, conforme contou ao JE o pesquisador da área de materiais compostos do MackGraphe, Guilherme Fechine. “É por causa disso que o grafeno tomou uma amplitude tão grande no mundo, tanto em pesquisas como no setor industrial”, afirmou Fechine.

A entrevista da semana dá sequência à série especial gravada no 8º Encontro Ambiental São Paulo, o Eco SP. O superintendente estadual do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Murilo Reple Penteado Rocha, contou tudo sobre o Sistema Nacional do Meio Ambiente, e da inserção do Ibama neste sistema.

Além das normativas e adequações que as entidades governamentais devem atuar em prol do meio ambiente, Rocha falou sobre a participação de cada cidadão, ajudando na sustentabilidade. “Se cada um tomar algumas medidas, já é um início (...) é uma questão de cidadania (...) é não jogar um lixo (na rua), não colocar um sofá fora de casa, ter uma consciência de consumo”, disse o agente.

A fala semanal do presidente do SEESP, Murilo Pinheiro, na seção No Ponto, alertou sobre a onda de negação dos papeis de instituições essenciais à democracia, como o congresso nacional, por exemplo, efeito devastador da crise política.

Confira:

https://www.youtube.com/watch?v=dexPPo9E3us&feature=youtu.be

 

O JE na TV vai ao ar toda segunda-feira pela TV Aberta São Paulo Ao Vivo e em mais de 40 cidades do Estado, sempre tratando de assuntos relevantes à engenharia. Todas as edições ficam também disponíveis no canal do SEESP no Youtube.

 

 

Publicado por Jéssica Silva
Comunicação SEESP

 

 

 

 

 A importância e a representatividade do agronegócio na economia brasileira e o aproveitamento do seu potencial a partir da engenharia estarão em debate no seminário “Inovação, segurança alimentar e logística”, que será realizado no dia 4 de agosto, no auditório do SEESP, na capital paulista (Rua Genebra, 25, Bela Vista).

O seminário é uma realização da Federação Nacional dos Engenheiros (FNE), juntamente com a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, com o apoio do sindicato, Instituto de Inovação e Tecnologia (Isitec) e Confederação Nacional dos Trabalhadores Liberais (CNTU).

Conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a economia brasileira cresceu 1% no primeiro trimestre deste ano frente ao quarto trimestre de 2016 graças à expansão de 13,4% do agronegócio. No período, o setor industrial teve ligeira alta de 0,9%, enquanto o setor serviço não registrou expansão.

O seminário “Inovação, segurança alimentar e logística” abordará o universo tecnológico mobilizado pela cadeia produtiva de alimentos no Brasil e dará evidência ao crescimento do agronegócio e a seu peso nos negócios. Também debaterá as formas de se empregar a engenharia para tornar as atividades do agronegócio ainda mais competitivas.

Entre os temas a serem analisados estão infraestrutura para as atividades da agropecuária, logística de distribuição de alimentos e processamento e industrialização de alimentos para diferentes mercados. Os debates serão feitos a partir da análise dos temas “produção e cadeia de valor” e “ tecnologia na produção de alimentos”.

Simultaneamente, os debatedores vão avaliar como as atividades que tornam o agronegócio bem-sucedido podem ser multiplicadas gerando oportunidades de novos negócios e trabalho.

Programação

9h - Sessão de abertura

10h30 - Mesa-redonda "Produção e cadeia de valor"
Participantes
Paulo E. Cruvinel - Pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e presidente da Associação Brasileira de Engenharia Agrícola (SBEA)
Luiz Antonio Pinazza - Consultor e consultor técnico da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag)
Coordenador:
Daniel Antônio Salati Marcondes - Vice-presidente do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea) e professor aposentado da Faculdade de Ciências Agronômicas da Universidade Estadual Paulista (Unesp)

12h15 - Intervalo para o almoço

14h - Mesa-redonda "Tecnologia na produção de alimentos"
Participantes
Luís Fernando Ceribelli Madi - Diretor técnico de Departamento do Instituto de Tecnologia de Alimentos (Ital)
Thiago Guilherme Péra - Coordenador do Grupo de Pesquisa e Extensão Agroindustrial de Logística da Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" da Universidade de São Paulo (Esalq/USP)
Coordenador:
Orlando Melode Castro - Coordenador da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta)

16h30 - Encerramento

 

Comunicação SEESP

 

 

 

 

A empresa  Crossover, de recrutamento e tecnologia, realizará no próximo dia 29 uma competição em São Paulo, para a contratação de 50 engenheiros de software com alto conhecimento em codificação e Java Script,  que poderão trabalhar à distância, com salário anual de US$ 100 mil, ou R$ 321 mil.

O evento terá duração de um dia, em que os candidatos participarão de uma espécie de hackathon e passarão por uma bateria de testes, além de uma entrevista técnica. A adrenalina compensará os de melhor desempenho nas condições especificadas com uma contratação imediata.

A Crossover atua recrutando pessoal para empresas como Jive, CrazyEgg, Aurea Software e Versata e afirma buscar, com esse tipo de campeonato, aquele 1% de profissionais da mais alta qualificação no mundo.  Evento como esse já foram realizados na África e Leste Europeu.

De acordo com a empresa, os campeonatos se mostraram uma forma mais eficaz e rápida de recrutamento, do que as seleções online, com todas as etapas até a entrevista e contratação final. A metodologia da empresa permite que os engenheiros de software sênior trabalhem remotamente, em qualquer lugar onde estejam, disponibilizando 40 horas semanais para a empresa, em qualquer período, sendo um dia de descanso.

Que tiver interesse e considerar-se com a capacitação para enfrentar a bateria deve se inscrever no site. As vagas para o torneio são limitadas. Dúvidas podem ser esclarecidas diretamente junto à empresa por meio do agendamento de chats

 

Redação Federação Nacional dos Engenheiros (FNE)
Comunicação SEESP

 

 

 

 

No Jornal do Engenheiro na TV desta semana, que foi ao ar na segunda-feira última (17/7), saneamento básico e meio ambiente estão na pauta da entrevista com Manuellito Pereira Guimarães Junior, diretor de gestão corporativa da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp).

“O estado de São Paulo e diversas regiões estão passando por escassez hídrica (...) é importante ter um consumo consciente. Nós precisamos levar à sociedade a importância de evitar desperdícios”, conta Guimarães Junior sobre consciência ambiental, tema que foi abordado na participação da Sabesp no VIII Encontro Ambiental São Paulo, o Eco SP, realizado pelo SEESP em abril último

Muitas pessoas podem não saber, mas o lixo é capaz de gerar energia. Este é o tema da reportagem desta edição. No Brasil existem 23 aterros sanitários que produzem energia por meio de resíduos sólidos, segundo a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesp).

Mas, para alguns especialistas, o aterro sanitário não é a melhor forma de se produzir este tipo de energia, o que acalenta o debate. É o que defende o engenheiro civil, mestre e doutor pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP) Francisco Dantas. “As condições de um aterro sanitário é um tipo de tecnologia que impacta o meio ambiente de uma maneira rigorosa”, afirma.

Em sua fala semanal, na seção No Ponto, o presidente do SEESP, Murilo Pinheiro, fala sobre a Emenda Constitucional 95, que colocou o Brasil numa camisa de força, pois se trata do teto dos gastos públicos. “Apesar disso, não há escapatória (...) é necessário investimentos para sair da crise”, opina o engenheiro.

 

Confira:


https://www.youtube.com/watch?v=DwW20FrpGZs


O JE na TV dessa semana e todas as edições anteriores estão disponíveis no canal do SEESP no Youtube. Acesse: www.youtube.com/EngenheirosdeSP

 

 

Publicado por Jéssica Silva
Comunicação SEESP

 

 

 

 

O Grupo Educacional Unis, mantido pela Fundação de Ensino e Pesquisa do Sul de Minas, através da Unidade de Gestão da Engenharia, Arquitetura e Tecnologia, tem inscrições abertas até esta segunda-feira (10) para vaga de professor na área de engenharia.

O docente atuará na disciplina de sistemas elétricos de potência nível dois. A vaga é dedicada a formados em engenharia elétrica e engenharia elétrica com ênfase em eletrotécnica, com especialização na área.

O processo de seleção terá avaliação curricular, avaliação escrita e banca examinadora de desempenho didático. A atuação do professor será em Varginha, em Minas Gerais.

Saiba mais acessando o site da instituição e o edital do processo seletivo.

 

Edital Docente

 

 

Publicado por Jéssica Silva
Comunicação SEESP
Com informações de Grupo Educacional Unis

 

 

 

 

A Tetra Pak, empresa multinacional de processamento e envase de alimentos, lança este ano programa global para seleção de fututos talentos. A iniciativa é destinada a jovens recém-formados, que buscam obter competências em diversas áreas de negócios. As inscrições vão até 16 de julho, no site da Page Talent​, e o processo seletivo será em realizado em Campinas e região. 
 
Podem se inscrever jovens recém-graduados nas engenharias: Ambiental, Produção, Mecânica, Elétrica, Controle e Automação, Química, Industrial, Computação, Alimentos, Mecatrônica, Materiais; e com nível técnico em Mecânica, Elétrica, Eletroeletrônica, Mecatrônica ou Automação. Os candidatos devem ter concluído o curso entre julho de 2015 e julho de 2017.
 
“Neste ano, ampliamos o foco da atuação dos participantes para formar um profissional completo, que tenha vivência em várias áreas da empresa. O novo formato atende às necessidades da companhia, que busca jovens motivados, com espírito de inovação e integrados com a dinâmica de nosso negócio, que é a atuação de ponta a ponta na indústria de alimentos e bebidas”, afirma Glaucy Bresciani, diretora do Centro de Serviços de Recursos Humanos da Tetra Pak.
 
Dinâmica
O programa é anual e está dividido em duas frentes: Futuros Líderes e Desenvolvimento Técnico. No primeiro, os participantes terão a oportunidade de desenvolver, ao longo de dois anos, habilidades em um programa com cursos e projetos desenhados especialmente para seu aprendizado. Além disso, os aprovados terão a chance de ter vivência profissional internacional, ampliando sua visão sobre a companhia. 
 
Com foco na carreira técnica, a empresa oferece dois tipos de oportunidades. Uma destina-se a recém-formados em engenharia que durante um ano poderão desenvolver suas habilidades, com um treinamento de ponta e de maneira acelerada. Já ao nível técnico, a Tetra Pak dá chance a jovens de adquirirem competência em equipamentos, processos, serviços e demais inovações fabris, além de atuarem na solução das necessidades de clientes, em diferentes regiões do País.
 
Para os participantes dos programas Futuros Líderes e Desenvolvimento para Engenheiros, as vagas são destinadas à cidade de Monte Mor (SP). Em relação ao Desenvolvimento para Nível Técnico, a Monte Mor, São Paulo, Recife, Goiânia e Fortaleza. Para essas vagas também é necessário possuir carteira nacional de habilitação, disponibilidade para viagens e mudanças, além de ser desejável curso ou conhecimento em automação.
 
O formulário de inscrições e demais informações sobre o programa estão disponíveis em: http://www.pagetalent.com.br/Empresa/tetra-pak 
 
Informação do site da Tetra Park
Rosângela Ribeiro Gil
Comunicação SEESP
 
 
 
 
 
 

No próximo dia 28 de junho, a Associação de Engenheiros Brasil-Alemanha (VDI-Brasil) promove a sétima edição do Simpósio Internacional de Excelência em Produção, em Joinville (SC). O evento tem como tema “Soluções Smart para a Indústria”, e apresentará cases de sucesso com o objetivo de debater o potencial das soluções inteligentes nas pequenas e médias empresas.

Segundo o presidente da VDI-Brasil, Wilson Bricio, o encontro visa desmistificar os desafios da digitalização industrial e promover a exploração das oportunidades para a engenharia brasileira através da troca de experiências e boas práticas entre Brasil e Alemanha.

Entre os palestrantes estão executivos de grandes empresas e organizações brasileiras e alemãs. O simpósio é resultado de uma parceria da VDI-Brasil com a Associação Brasileira da Indústria de Ferramentais (ABINFER) e da Sociedade de Engenheiros da Mobilidade (SAE Brasil), e é destinado a engenheiros, empresários, presidentes e diretores de grandes empresas, representantes de entidades de classe, políticos, acadêmicos, imprensa e demais interessados na engenharia.

 

Confira programação:

Programação Simpósio Joinville 210617

 

Saiba mais em: www.vdibrasil.com

 

 

 

 

Publicado por Jéssica Silva
Comunicação SEESP
Com informações de VDI-Brasil 

 

 

 

 

Toda semana a Agência Sindical produz um vídeo colocando em debate as pautas do mundo do trabalho. O entrevistado dessa semana é o presidente do SEESP, Murilo Pinheiro, falando sobre as lutas dos engenheiros. “A indústria traz emprego, oportunidade, crescimento e desenvolvimento para o País (...) Pensar na indústria é importante”, diz Murilo ao jornalista João Franzin sobre uma das principais bandeiras da engenharia, a luta em defesa da indústria nacional.

O setor industrial representa hoje apenas 13% do Produto Interno Bruto (PIB), conta Murilo, e isso se dá por falta de uma política de reindustrialização. A liderança dos engenheiros ressalta que, para reverter esse quadro e apostar no crescimento e desenvolvimento do Brasil, frente às crises enfrentadas, é necessário levantar a bandeira da educação. “Para a indústria crescer é preciso ter bons profissionais”, diz. Nesse aspecto, Murilo classifica a iniciativa da primeira faculdade custeada por um sindicato, o Instituto Superior de Tecnologia e Inovação (Isitec), como a “contribuição do SEESP à sociedade”.

O presidente do SEESP ainda falou da medida do governo que reduziu a participação do conteúdo local na exploração de petróleo e gás. “É fundamental que (a medida) seja revista, para que se dê oportunidade as nossas indústrias (...)  Sem isso perdemos o trabalho dos engenheiros brasileiros que têm o conhecimento, o know-how”, afirma.

A Frente Parlamentar Mista da Engenharia, Infraestrutura e Desenvolvimento – presidida pelo deputado federal Ronaldo Lessa (PDT-AL) – e o movimento Engenharia Unida também estiveram em pauta. Sobre as constantes propostas da União que ferem os direitos dos trabalhadores, Murilo ensina: “Temos que ter o pessimismo na análise, mas temos que manter o otimismo na busca do resultado, de melhorias, no debate.”

Assista:

 

https://www.youtube.com/watch?v=6ZdzJoeLP4M

 

 

 

Jéssica Silva
Comunicação SEESP
Com informações da Agência Sindical

 

 

 

 

O presidente do SEESP, Murilo Pinheiro, foi o entrevistado do programa “Economia dia a dia”, produzido pelo Sindicato dos Economistas no Estado de São Paulo (Sindecon-SP). O dirigente falou também em nome das duas outras entidades que está à frente, a Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) e a Confederação Nacional dos Trabalhadores Liberais Universitários Regulamentados (CNTU).

Murilo ressaltou a temática do seminário de abertura das campanhas salariais, realizado anualmente pelo sindicato, abordando o cenário econômico e político nacional, antes de iniciar as negociações dos engenheiros. “É dever de cada cidadão estar por dentro dos números do País”, disse. Sobre a reforma da Previdência, a liderança destacou: “Estão propondo que o trabalhador morra antes de se aposentar.”

O movimento “Engenharia Unida” e o projeto “Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento”, ambos da FNE, também estiveram na pauta. Segundo Murilo, para enfrentar a crise, “temos que brigar, sugerir e apresentar soluções factíveis”. A engenharia e a economia têm muito a acrescentar nesse sentido, conforme ele salientou durante o programa. “Precisamos discutir juntos uma saída a essa crise.”

Confira:

 

https://www.youtube.com/watch?v=6tSYIti73qA

 

 

 

Jéssica Silva
Comunicação SEESP

 

 

 

 

Mesmo cada vez mais qualificada profissionalmente, a mulher ainda enfrenta preconceitos e diferenças no mercado de trabalho, como por exemplo nas áreas da ciência e tecnologia. Foi para debater essa questão que o Instituto Superior de Tecnologia e Inovação (Isitec) promoveu nesta quarta-feira (8) em sua sede, na capital paulista, uma roda de conversa sobre a mulher na engenharia, comemorando o Dia Internacional da Mulher.

O evento contou com a presença de Juliana Yukimitsu, estudante do instituto no terceiro ano de Engenharia de Inovação; Fabiane Becari Ferraz, engenheira agrônoma da empresa WF Ambiental, Engenharia, Estudos e Projetos; e a professora livre-docente do Departamento de Engenharia de Sistemas Eletrônicos da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP), Roseli de Deus Lopes. A gerente de Comunicação do SEESP, jornalista Rita Casaro, mediou a atividade. Na plateia, os alunos do Isitec participaram ativamente do debate.

 

Foto: Beatriz Arruda
Roda de conversa mulheres no isitec site 080317Roseli de Deus Lopes, Fabiane Becari Ferraz, Juliana Yukimitsu e Rita Casaro, à frente do debate realizado no Isitec

 

“Essa discussão é de interesse de todos nós, engenheiros, profissionais, cidadãos”, saudou à abertura o presidente do sindicato, Murilo Pinheiro.  Também ressaltando a importância do debate, o diretor-geral do Isitec, Saulo Krichanã Rodrigues, informou que as alunas são 23% do total de estudantes do instituto, mas a turma de Engenharia de Inovação deste ano “é 50% composta por mulheres”.

Fabiane Becari contou sua experiência em 20 anos de formação. A engenheira mencionou diversos casos em que foi destratada por funcionários quando estava em cargos de liderança, somente por ser mulher. “Eles preferiam se dirigir ao engenheiro homem, que nem era o responsável pelo projeto”, disse.

Para a professora Roseli de Deus, agravante é quando essas situações são vistas como normais, “sendo que sabemos que não deveriam acontecer”. “Hoje é um dia de luta das mulheres, que recebem salários inferiores fazendo as mesmas coisas que o homem, são discriminadas”, ressaltou. Idealizadora de um dos maiores eventos de ciências do País, a Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace), ela acredita que para aumentar a participação feminina nas áreas tecnológica e científica ainda são necessárias campanhas “para dizer à mulher que ela pode fazer o que quiser”.

A futura engenheira de Inovação Juliana Yukimitsu garantiu que sempre teve incentivo da família e nunca sofreu tratamento desigual. “Mas não é porque eu não sofri preconceito que eu viro as costas para as tantas mulheres que sofrem, temos que combater essas situações”, salientou.

O calouro Pedro Luiz Mendes Silveira contribuiu com o debate: “Esse quadro de desigualdade não muda de um dia para o outro, é uma mudança gradual, e a melhor forma de acontecer é através da educação.”

 

Confira as fotos da roda de conversa na Fanpage do SEESP.

 

 

Jéssica Silva
Comunicação SEESP

 

 

Há menos de três anos, travou-se uma ampla discussão sobre a falta de engenheiros no mercado de trabalho brasileiro, com a apresentação de números alarmantes, principalmente em áreas mais especializadas. Essa discussão se originou devido à franca expansão da atividade econômica e das grandes obras, especialmente das empresas de engenharia da construção civil, o que fez o mercado de trabalho crescer quase 85%.

As companhias estrangeiras passaram a exercer uma forte pressão, pois queriam trazer para suas atividades no Brasil sua grande massa de profissionais excedentes nos seus países-sede. A concorrência foi duramente combatida pela FNE e seus sindicatos filiados, que mostraram de forma clara que havia, sim, engenheiros e especialistas em número suficiente em todas as áreas no Brasil. Também atendendo à demanda, as faculdades lançaram cada vez mais cursos nas mais diversas modalidades da engenharia.

Agora a realidade que se apresenta é outra e muito cruel: faltam vagas de empregos formais e oportunidades de trabalho em geral na engenharia. A situação tem origem na crise econômica que o mundo e o Brasil vêm atravessando e em alguns fatos que contribuem para o cenário de dificuldades no setor. Entre eles, está o envolvimento das grandes empreiteiras na operação Lava Jato, que as levou ao colapso, com a paralisação de obras no Brasil e no exterior, acarretando o fechamento de centenas de milhares de postos. Somente a Petrobras reduziu em mais de R$ 100 bilhões seu programa de investimentos, o que se refletiu de forma desastrosa no mercado de trabalho.

Continuam a entrar no mercado centenas de jovens profissionais que não mais são absorvidos. A partir de 2014, o número de demissões passou em muito as contratações, e a tendência é a piora gradativa do cenário de emprego e trabalho. Somado a tudo isso, a PEC 241, aprovada na Câmara e agora tramitando no Senado como PEC 55/2016, impõe o congelamento dos concursos e reposição de mão de obra por um período de 20 anos, e isso será outro fator de preocupação para a engenharia. A política de juros altos adotada pelo Banco Central e a falta de oferta de crédito também são componentes que impedem o setor da construção de avançar e crescer.

Este artigo tem como objetivo chamar os profissionais da engenharia para sair do estado de letargia e reagir com firmeza, disposição e até o enfrentamento no sentido de propormos soluções de crescimento. Precisamos começar a discutir o futuro que desejamos, como crescer e melhorar a vida do trabalhador. A FNE e seus sindicatos filiados, comprometidos com a responsabilidade coletiva dos profissionais a partir do movimento “Engenharia Unida”, podem ser uma via para fomentar essas discussões com transparência, confiança mútua e participação compartilhada. Vamos formular propostas e nos inserir na tomada de decisões e implantação de soluções, interagindo com os gestores públicos e buscando sempre a melhor saída para o retorno do crescimento e da valorização da engenharia, nunca nos esquecendo da categoria que representamos. Convido a todos a se engajarem nessa empreitada.

 

* Gerson Tertuliano é presidente do Sindicato dos Engenheiros no Estado de Goiás (Senge-GO). Artigo publicado, originalmente, no jornal Engenheiro, da FNE, Edição 174 de novembro de 2016

 

 

 

 

 

Estão abertas até a próxima quinta-feira, 22 de setembro, as inscrições para o processo seletivo de estagiários dos cursos de Administração, Engenharia e Arquitetura para atuação no Ministério Público Federal em São Paulo. O certame visa à formação de cadastro de reserva. As inscrições são gratuitas e devem ser feitas pessoalmente na sede da Procuradoria da República na capital paulista, na Rua Frei Caneca, 1360, Consolação. O horário de atendimento é das 10h às 17h.

Para participar, o candidato deve estar matriculado em uma das instituições de ensino superior conveniadas, bem como ter completado, no período da inscrição, pelo menos, 40% da carga horária ou dos créditos necessários para conclusão do curso. No momento da inscrição, os estudantes devem entregar comprovante de matrícula e histórico escolar.

Para conferir a lista das faculdades conveniadas, clique aqui.

A seleção contará com prova objetiva, prevista para o dia 29 de setembro. Os candidatos de Arquitetura e Engenharia também deverão passar por avaliação prática, agendada para o mês que vem. O resultado final deve ser divulgado ainda em outubro. O processo seletivo terá validade de seis meses, podendo ser prorrogado uma vez, por igual período, a critério do MPF. O edital reserva 10% das vagas que surgirem para estudantes com deficiência e para pessoas que se declararem participantes do “Sistema de Cotas para Minorias Étnico-Raciais”.

Leia aqui os editais para Administração e para Engenharia e Arquitetura.

O estágio nas unidades do MPF tem jornada semanal de 20 horas. Os benefícios incluem bolsa-estágio de R$ 850, concessão de seguro contra acidentes pessoais e auxílio-transporte. Mais informações sobre o processo seletivo podem ser encontradas no site da entidade ou pelo telefone (11) 3269-5128.

 

 

Comunicação SEESP
Informação da assessoria de imprensa do MPF

 

 

 

 

 

 

 

agenda