GRCS

06/07/2020

Promore tem mais procura durante pandemia, destaca jornal JCNET

Com informações do JCNET

capa JE promore redReprodução da capa da edição 521 do JEO JC Net, jornal local de Bauru, repercutiu uma iniciativa do SEESP, em parceria com a Prefeitura Municipal de Bauru e o Departamento de Água e Esgoto (DAE): o Programa de Moradia Econômica, o Promore, que vêm contribuindo, mesmo em meio à quarentena decretada por causa do novo coronavírus, para construção, ampliação, reforma ou regularização de imóveis das populações mais carentes. Um levantamento realizado pelo programa naquela região demonstra que o número de beneficiários interessados, no último trimeste, foi três vezes maior do que nos primeiros meses de 2020, quando ainda não havia a pandemia.

 

"Nós tivemos uma paralisação no início e, depois, com todos os cuidados, voltamos a atender e recebemos um aumento significativo na procura dos serviços, o que nos surpreendeu", conta o engenheiro Luiz Antonio Battaglini, coordenador do Promore.


Os números de procura para saber mais informações sobre o programa e realizar atendimentos também surpreenderam. Desde março, quando os trabalhos passaram a ser digitais, foram realizadas 46 consultas até então. Em relação ao número de processos protocolados na prefeitura, houve apenas três de janeiro a março e nove nos últimos três meses.

A equipe do Promore acredita que o crescimento na demanda deve-se a fatores como a disponibilização de linhas de créditos com menores juros e pelo fato das pessoas estarem mais tempo em suas casas.  

Criado em 1988, o Promore tem se adaptado às novas formas de trabalho, tendo em vista as regras em vigor da Secretaria de Planejamento (Seplan), em que os procedimentos para o licenciamento de obras e edificações é totalmente digital e o procedimento para regularização de edificações ficou ainda mais simples.


O atendimento inicial, cadastro e enquadramento do beneficiário do Promore, que antes era presencial, agora é feito de forma não presencial, pelo telefone. O trabalho dos profissionais credenciados ao Promore é voltado para incentivar a população de baixa renda.

O profissional de engenharia faz o projeto e acompanhamento da obra, com vantagens financeiras para o cliente (valor muito abaixo do que é cobrado no mercado, cobrado conforme as especificações da construção), com isenção de taxas na prefeitura, taxa de ligação de água e taxa de IPTU durante o ano da construção. Para ser atendido pelo programa não é necessário ter escritura definitiva para participar do programa. E os custos são repassados integralmente aos profissionais credenciados.

Carlos Augusto Ramos Kirchner, idealizador e diretor do SEESP, responsável pelo Promore, explica, em matéria comemorativa dos 30 anos do programa, publicada na edição 521 do Jornal do Engenheiro, que “o beneficiário deve ter renda familiar até cinco salários mínimos, possuir terreno, morar na cidade há mais de um ano e não ter outro imóvel no município. Limita-se a área de até 70 metros quadrados ou para reformas, acréscimo de até 30m2”. “São projetos personalizados, de acordo com a necessidade e vontade do proprietário”, complementa.

Até novembro de 2018, haviam sido realizados cerca de 9 mil projetos residenciais em diversas cidades do Interior do Estado, bem como propiciada oportunidade a jovens engenheiros e arquitetos de exercerem sua função social e realizar uma “residência” profissional remunerada, como observa Kirchner.


Serviço
Para falar com a equipe do Promore basta ligar no telefone (14) 3224-1970, de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e das 13h às 17h. Atendimentos são agendados na sede do Sindicato dos Engenheiros dos Estado de São Paulo (Seesp), que fica na rua Constituição, 8-71, Vila Santo Antônio, Bauru.

Acesse a notícia na íntegra neste link.



Lido 337 vezes

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

Oportunidades Plataforma 29 04 1

VAGAS DE ESTÁGIO DE ENGENHARIA

agenda