GRCS

Fórum de segurança do trabalho

Nos dias 8 e 9 de agosto, Ribeirão Preto, no interior paulista, vai sediar o "VIII Congresso RTI de Provedores de Internet", um dos mais importantes eventos do setor, no Centro de Eventos do Ribeirão Shopping. Representantes da CPFL Paulista, Anatel, Abrint, Aneel e Comissão de Infraestrutura (Coinfra) de Bauru vão discutir sobre a ocupação das redes urbanas e os preços dos postes e esclarecer as dúvidas dos provedores.

 


Foto: Beatriz Arruda/Comunicação SEESP

Fios postes

 

 

Na abertura do evento, o Diretor de Inclusão Digital do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações Comunicações, Américo Tristão Bernardes, realizará uma palestra sobre políticas públicas de inclusão digital e a importância dos provedores locais nesse processo.

A palestra vai abordar as ações realizadas pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações Comunicações na inclusão e ampliação do acesso à internet em banda larga para a população que reside em áreas remotas no Brasil. Além disso, serão apresentados os programas de conexão via satélite, o Internet para Todos, as Cidades Digitais, entre outros.

O VIII Congresso RTI de Provedores de Internet ainda vai contar com área de exposição de novas tecnologias, workshops temáticos sobre fibras ópticas, implementação de IPv6 e roteamento dinâmico para ISPs, além de palestras sobre 4G LTE, Fibra Ótica, GPON, Segurança, Infraestrutura, Gestão para Provedores, Regulamentação, Internet das Coisas (IoT), Wireless, Cabeamento, entre outros.

Serviço:
VIII Congresso RTI de Provedores de Internet

Data: dias 8 e 9 de agosto

Local: Centro de Eventos – Ribeirão Shopping
Av. Braz Olaia Acosta, 727 - Jardim Califórnia, Ribeirão Preto - SP

Informações e inscrições pelo site:
http://rtiprovedoresdeinternet.com.br/8/



Fonte: TJ-SP

O presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, desembargador Manoel de Queiroz Pereira Calças, esteve, na última sexta-feira (25), na Comarca de Bauru para reunião de trabalho com os juízes e aula magna na Instituição Toledo de Ensino (ITE), Faculdade de Direito na qual leciona há 21 anos e da qual recebeu, nessa data, a medalha “Soberana Ordem dos Cavaleiros Iteanos” – que homenageia, em vida, aqueles que trabalharam pela ITE.

 

 
Foto: Divulgação TJ-SP

pres do TJSP em BauruDesembargador Manoel de Queiroz Pereira Calças.


Nas palavras da reitora Cláudia Mansani Queda de Toledo, "a medalha é uma homenagem máxima da ITE, dedicada as autoridades com relevantes trabalhos à sociedade e à comunidade acadêmica. São pessoas que transformam a sociedade para melhor, por meio de sua competência e honradez e o doutor Manoel de Queiroz Pereira Calças tem trajetória de transformações e reconhecimento por seus pares e pela comunidade acadêmica e jurídica".


Na palestra, que contou com a presença de muitos magistrados, o presidente falou sobre “Planejamento no Poder Judiciário: caminho para a eficiência e a segurança jurídica”. Ele destacou a importância das funções estatais; a reciprocidade dos mecanismos de controle e as formas de planejamento que vão além da elaboração orçamentária ou da organização financeira de cada um dos poderes.


No que tange ao Judiciário, disse da necessária profissionalização de sua administração e do aumento vertiginoso de demandas pelo incremento das cobranças sociais. Também deu destaque à importância dos Planejamentos Estratégicos dos Tribunais, alinhados aos objetivos fixados pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). “Nesse aspecto”, disse o presidente, “a Corregedoria-Geral da Justiça de São Paulo, em 2016, elaborou seu primeiro planejamento estratégico, para o período de 2017/2020, onde constou a missão de organizar e supervisionar a prestação dos serviços judiciais de primeiro grau e extrajudiciais, com o objetivo de ser reconhecida pela sociedade como referência de qualidade e efetividade desses serviços”.


Em decorrência do planejamento administrativo e judiciário, e a com especialização de varas, São Paulo conseguiu alocar melhor seus recursos e força de trabalho, com mais eficiência e segurança jurídica. Como exemplo, citou os resultados das varas empresariais instaladas no Judiciário paulista, “em especial porque São Paulo concentra 32% de todo valor gerado pela economia brasileira, em grande parte por conta do número de empresas localizadas no Estado, constituindo verdadeiro centro nacional de negócios do país”. Pereira Calças ainda falou sobre os reflexos internacionais advindos da instalação das varas especializadas.


Ao concluir, o presidente ressaltou que “a importância do planejamento no Poder Judiciário e da especialização é inegável, pela segurança jurídica, pelo próprio aprimoramento das decisões prolatadas e pela celeridade decorrente do aperfeiçoamento técnico”.


A aula magna no ITE foi prestigiada pelos juízes de Bauru João Thomaz Diaz Parra - da 2ª Vara Cível de Bauru e diretor da 3ª Região Administrativa Judiciária -, Ana Carla Criscione dos Santos - UPJ Varas da Família e das Sucessões -, Davi Marcio Prado Silva  - 1ª Vara de Execuções Criminais - e Rossana Teresa Curioni Mergulhão - 1ª Cível. Também estiveram presentes representantes do judiciário em Botucatu.

Reunião de trabalho
Também nesse dia, o presidente do TJSP, desembargador Pereira Calças, reuniu-se com os magistrados da comarca. No fórum, expôs algumas das dificuldades em gerir o maior Tribunal do País, norteado sempre pela ética, prezando o uso adequado do dinheiro público e em consonância com a sustentabilidade. O presidente explicou que tem preconizado a diminuição de gastos, tanto com a revisão de contratos de vulto, quanto com o incentivo à economia de itens ínfimos. Falou, também, sobre os projetos em andamento para melhoria da segurança dos fóruns. Com relação aos servidores, repassou o que foi dito na reunião com os representantes das entidades de classe, realizada na última quinta-feira.


Meta primordial do Estado de São Paulo também é intensificar a eficiência na prestação jurisdicional, com a ampliação e criação de novas Unidades de Processamento Judicial (UPJs), unidades essas que têm apresentado excelentes resultados, com aumento significativo de produtividade em comparação aos modelos convencionais. “Com o mesmo objetivo, estuda-se a viabilidade de implantação de varas regionais nas sedes das RAJs”, disse Pereira Calças. Outro assunto em pauta foi o empenho concentrado para o início das obras de construção do novo fórum para a Comarca de Bauru.



Comunicação SEESP*

A Câmara Municipal de Bauru, interior paulista, aprovou  por unanimidade, em primeira discussão, o projeto de lei da vereadora Chiara Ranieri (DEM) que obriga a Prefeitura de Bauru a fazer vistorias periódicas em todas as escolas municipais de educação infantil e fundamental, com elaboração de laudos indicando eventual necessidade de manutenção ou mesmo de reformas mais amplas. O projeto foi aprovado em primeira votação na segunda-feira (7/5). Será votado em segundo turno, na semana que vem. Caso seja aprovado, seguirá para sanção do prefeito Clodoaldo Gazzetta (PSD). Ainda caberá regulamentação para acertar detalhes do texto que prevê que a avaliação seja feita por uma Comissão Multidisciplinar de Infraestrutura, formada por engenheiros, arquitetos, e representantes de secretarias municipais, Defesa Civil e conselhos.


Foto: Malavolta Jr

chiara raniere vereadora de bauruO projeto foi apresentado por Chiara Ranieri no mês passado e aprovado na sessão de segunda-feira (7).

 

 

 A definição do conselho caberá ao decreto regulamentador. A Comissão vai vistoriar a estrutura dos prédios onde funcionam as escolas, elaborar laudos e, se necessário, recomendar obras de manutenção ou reforma. As avaliações ocorrerão sempre até 120 dias depois do começo de cada governo, e uma vez apor ano.

Os relatórios deverão ser entregues para a Secretaria de Obras, e serão públicos, ficando disponíveis no site da Prefeitura de Bauru e entregues, até junho de cada ano, para a Câmara Municipal e o Conselho Municipal de Educação.

O que motivou o projeto foi o desabamento do telhado de uma escola na cidade vizinha de Agudos, no mês passado. Na última semana, a prefeitura anunciou que pretende intensificar as blitz em prédios públicos, até pelos fatos recentes envolvendo o desabamento na cidade vizinha e de um prédio ocupado em São Paulo, o que despertou ainda mais o assunto.

Ao usar a tribuna para defender o projeto, nessa segunda-feira (7), Chiara Ranieri falou sobre a importância de uma lei como esta, mas ressaltou que a prefeitura deve ser mais rápida na solução de problemas estruturais em escolas e outros prédios do município. "No ano passado, em uma reunião da Comissão de Educação da Câmara, fomos informados que estava em andamento na prefeitura uma licitação para contratação de empresa que fará manutenção e reparos em escolas e outros locais, como na rede de saúde. Acontece que na semana passada, a informação é que o processo segue em andamento, isso seis meses depois. A prefeitura precisa ser mais rápida para resolver isso, não dá para demorar tanto um processo como esse", afirmou.

De acordo com a parlamentar, o secretário de Obras, Ricardo Olivatto, e a secretária de Educação, Isabel Miziara, já afirmaram que a contratação de uma empresa é a solução que a prefeitura tem atualmente para dar mais rapidez a esse tipo de serviço, até pela falta de servidores do município.


*Com informações do JCNET




Comunicação SEESP*

A cidade de Bauru tem um novo Código de Obras, em vigor desde 28 de março último. Para divulgar e sanar dúvidas sobre a legislação, a Secretaria Municipal de Planejamento (Seplan), em parceria com a Associação dos Engenheiros, Arquitetos e Agrônomos de Bauru (Assenag), promoverá, na terça-feira (10/4), às 19h, uma capacitação gratuita. O evento e todo o processo conta com apoio do SEESP, além do Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB), Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon), Sindicato da Habitação (Secovi), bem como do Conselho do Município de Bauru.


Foto: Alexandre H. Silva
bauru foto Alexandre H Silva home
Cidade de Bauru, no interior paulista


A nova norma simplifica o processo de licenciamento de construções e, assim, espera-se que haja uma significativa diminuição nos prazos de aprovação de projetos junto à prefeitura em pelo menos 50% do tempo.

Segundo a  secretária de Planejamento, Letícia Kirchner, apesar do público-alvo ser profissionais do setor, o evento é aberto a toda a comunidade. Ela avaliação que a atuação conjunta com as entidades foi positiva e deverá permanecer para as próximas etapas como a discussão da Lei do Zoneamento e a revisão do Plano Diretor.

"A participação é importante, já que estamos vindo de uma legislação com 36 anos e o novo Código de Obras propõe uma mudança significativa. A partir de agora, a prefeitura passa a analisar apenas alguns parâmetros específicos que afetam diretamente à cidade, e as minúcias da construção ficam a cargo dos profissionais e seus clientes", comenta a secretária de Planejamento, Letícia Kirchner.

Ainda segundo a titular da pasta, essa alteração atenderá ao desejo antigo dos profissionais que solicitam maior liberdade para desenvolver seus projetos em conformidade com normas da ABNT, que, até então, não eram devidamente reconhecidas pelo município.

Serviço
O evento gratuito acontece no próximo dia 10 de abril, às 19h, na sede da Assenag, que fica na rua Dr. Fuas de Mattos Sabino, 1-15. Inscrições e mais informações através do telefone: (14) 3202-8130.

*Com informações do Jornal da Cidade de Bauru


Fonte: Jornal Cidade de Bauru

A empresa de gesso em que Débora Nunes trabalha ficou três dias sem Internet depois que um caminhão arrancou a fiação mal distribuída na quadra 10 da rua Antônio Gobette, Vila Engler. "É um tipo de incidente que acontece direto", conta a auxiliar administrativa, ao criticar a situação irregular dos fios de energia elétrica e telefonia instalados no local. O cenário é o mesmo em toda parte de Bauru, que tem, pela primeira vez, uma faxina de cabos mortos.


Foto: Beatriz Arruda/Comunicação SEESP
fios home bia arruda


Com base em leis federais e municipais difundidas a partir de 2015 e com apoio da CPFL Paulista e das agências Aneel e Anatel, a Comissão de Infraestrutura Aérea Urbana de Bauru (Coinfra), criada pela prefeitura em outubro do ano passado, firmou parceria com as empresas privadas de telefonias para colocar em prática a retirada de fios e cabos em situação irregular, no chão, inservíveis e enrolados de forma improvisada.

Para desenvolver a campanha, que recebeu o nome de "Faxina de Cabos Mortos", a cidade foi dividida em 12 setores. Inicialmente, a ação priorizará três, que compreendem as áreas da Vila Engler até a baixada do Horto Florestal, Higienópolis e imediações, e região central de Bauru.

"São locais que têm muito trânsito de caminhões e cabos caídos pela via, que podem ocasionar acidentes", destaca o eletricista da prefeitura Igor Beckmann Fournier, que também é membro do Coinfra. O trabalho nos três setores deve durar em torno de três meses, calcula. "No final do trimestre (abril, maio e junho), será feita uma avaliação do avanço dos serviços para definição do Plano de Ação para toda a cidade", completa Fournier.

Gerente de Serviços de Rede da CPFL Paulista, Edson Renó Amaral afirma que a região central e as grandes avenidas concentram a maior quantidade de cabos mortos em Bauru, sem, contudo, especificar volume exato. Segundo ele, a situação que expõe emaranhados de fios por toda a cidade vem se multiplicando com o aumento do número de empresas de telefonia disputando espaço nos postes para atender os clientes.

"A retirada de cabos mortos não foi feita no momento correto. Quando houve troca de tecnologia, exemplo da fibra ótica, todo o fio que passou a não ter mais uso permaneceu nas redes e gerou todo esse problema. Sobre a ação realizada em Bauru, a CPFL Paulista recebe as notificações e repassa para as empresas cumprirem", explica.

Denúncias
Presidente do Coinfra, Carlos Augusto Kirchner reforça que a proposta da ação é atender a Lei Municipal 6.779/2016 e acabar com a "bagunça de fios" nas ruas de Bauru, problema que já foi mostrado pelo JC em diversas reportagens. Ele lembra, inclusive, que os cabos de energia devem ficar a, no mínimo, cinco metros do solo.

"Essa iniciativa é pioneira na região e surgiu com a criação da Comissão", frisa. O grupo conta com membros do governo municipal e técnicos de entidades, como a Associação dos Engenheiros, Arquitetos e Agrônomos de Bauru (Assenag) e do Sindicato dos Engenheiros do Estado de São Paulo, e ainda da Unesp, das prestadoras de serviços de telefonia e da CPFL Paulista, além da comunidade, sendo um deles da área de transportes de cargas e passageiros.

Kirchner observa que a população pode denunciar as irregularidades pelo e-mail ou pelo WhatsApp (11) 99419-3346, pelo qual também podem ser tiradas dúvidas. Os dados devem conter o endereço do problema, uma foto identificando a irregularidade e, se possível, uma fotografia da placa de rua. Nome e telefone são opcionais.



Deborah Moreira
Comunicação SEESP

Não é preciso ir muito longe para constatar a poluição visual causada por fios e cabos aéreos na cidade de São Paulo. Basta alguns passos. No entanto, para checar o prejuízo causado por um deles é preciso planejamento, cronograma e ação dos entes envolvidos, que precisam atuar em parceria – governo, empresas e população, que pode informar onde estão os cabos que apresentam perigo. Essa foi uma das tônicas apresentadas nas duas mesas ministradas por representantes do SEESP, no Workshop Procedimentos para Projetos, Obras e Fiscalização de Infraestrutura de Telecomunicações Urbana, voltado para a administração pública da cidade de São Paulo.  O objetivo é contribuir para a melhoria das redes aéreas da capital paulista.


Fotos: Beatriz Arruda/Comunicação SEESP
workshop PMSP
Carlos Kirchner durante o Workshop deixou mensagem positiva sobre ações conjuntas entre empresas e governos.


O evento foi realizado pela Secretaria Municipal de Serviços e Obras, por meio do Departamento de Controle de Uso de Vias Públicas (Convias), com apoio do SEESP, da Federação Nacional dos Engenheiros (FNE), do Instituto Nacional de Telecomunicações (INATEL) e do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPQQD).

A Prefeitura de São Paulo firmou, na atual administração, um acordo com a Eletropaulo e as empresas de telecomunicação para o enterramento de fios em 117 ruas na região central, sendo 13 na Vila Olímpia e outras 36 no entorno de Mercado Municipal, na praça Ragueb Chohfi, nos viadutos General Couto de Magalhães e Engenheiro Romero Zander, além do Parque Dom Pedro. Segundo a Secretaria de Obras, durante as três fases do programa serão retirados 3.014 postes, totalizando 65,2 quilômetros de fios enterrados. Todos os trabalhos estão sendo feito sem custo para o município.

Logo após a abertura do evento, que ocorreu durante toda a terça-feira (27/2), no audotório da PMSP, na galeria Olido, feita pelo diretor da Convias, Marcos Romano, o coordenador do Grupo de Trabalho de Infraestrutura de Rede, vinculado ao Conselho Tecnológico do sindicato, Marcius Vitale, iniciou sua explanação sobre “Redes Caóticas – Situação da Infraestrutura de Redes de Telecomunicações no Brasil” dando um panorama geral da atual situação.

“Além das vias aéreas estarem abarrotadas de fios e cabos, o subsolo está congestionado e falta integração entre atores envolvidos. Por exemplo, em São Paulo, tem cadastrado cerca de 40. Agora, na Eletropaulo o número de cadastrados é de 70. Ou seja, existe um gap que é preciso ajustar. E, além disso, existe os clandestinos que atuam. Hoje no Brasil existe mais de 6 mil provedores de internet. A Anatel está liberando muitas outorgas”, comentou Vitale.

Em seguida, mostrou fotos de flagrantes sobre os emaranhados de fios e cabos e gambiarras, os chamados gatos, nos postes de iluminação em todo o País, resultado do serviço que vem sendo realizado pelas prestadoras de serviço de telecomunicações que são, em sua maioria, terceirizadas e, portanto, agem sem controle e fiscalização devidos.

 

workshop PMSP 3Marcius Vitale aponta problemas e soluções para as redes aéreas em São Paulo e demais cidades.


Vitale apontou alternativas possíveis para “minimizar o problema”. Além de recordar as normas regulamentadoras como NR 10 e NR 33, sobre segurança no trabalho e especificações técnicas como o número máximo de cabos nos postes, mostrou imagens com as soluções que vêm sendo adotadas isoladamente e ressaltou a importância da capacitação técnica e treinamento especializado, principalmente nas chamadas obras limpas – como uso de máquinas e equipamentos para o aterramento de cabos.

“Antes da privatização, a gente fazia o projeto e levava ele para ser autorizado pela concessionária. E só podíamos lançar um cabo aéreo de até duzentos pares, tínhamos que fazer remanejamento nos postes para melhorar a infraestrutura. Depois das privatizações, os postes são os mesmos, mas passou-se a aceitar até cinco pontos e mesmo assim a norma não é seguida”, lamentou.

Comissões nos municípios
O diretor do SEESP, Carlos Kirchner, concedeu a palestra “O Município e a Infraestrutura de Telecomunicações” que fez um breve apanhado sobre o que vem sendo feito em sua região de atuação, o município de Bauru, por meio da Delegacia Sindical do SEESP. A prefeitura regulamentou a Comissão de Infraestrutura Aérea Urbana, que tem como meta combater a desordem de fios e cabos em postes nas vias públicas da cidade e dar mais agilidade à expansão do serviço de telecomunicações. Ele lembrou que a ideia partiu do SEESP e contou com o apoio da Associação de Engenheiros, Arquitetos e Agrônomos de Bauru (Assenag).

O Decreto municipal 13.559/2017 regulamentou as leis Federal 13.116/2015, sobre o compartilhamento de infraestrutura, e Municipal 6.679/2016, que dispõe sobre a obrigatoriedade de a concessionária de serviço público de distribuição de energia elétrica, no caso a CPFL Paulista, regularizar o setor bem como notificar as operadoras responsáveis pelos cabos. Segundo ele, além de Bauru, existem cerca de 50 municípios que já possuem legislação própria.

“Durante a primeira reunião da Coinfra, que é a Comissão de Infraestrutura Aérea de Bauru, aprovamos uma faxina de cabos móveis. Ao invés da prefeitura ter que ir lá e ficar notificando as empresas, nós vamos fazer na prática. A ideia é fazer isso em seis meses, a partir de 1º de abril. Tem mil problemas, mas precisamos começar com algo”, disse.

Segundo o diretor do sindicato, estão sendo firmados acordos com as empresas locais até 15 de março e, depois, será realizado um novo encontro para formalizar os termos de compromisso. "Queremos criar um divisor de águas do setor”, completou.

A comissão também está tratando outros dois pontos: as antenas de telecomunicações e os cabos que estão interferindo ou podem interferir no trânsito. Outro avanço relatado por Kirchner foi conquistado na segunda reunião da comissão, que contou com a participação dos ministérios públicos federal e estadual e das operadoras, que fizeram apresentações sobre como são realizadas as manutenções periódicas: “As operadoras têm se mostrado bastante receptivas. Queremos deixar uma mensagem otimista de ter em mente que é possível reverter a situação do desordenamento de cabos, envolvendo as empresas. O que estamos presenciando no grupo é que acaba surgindo muitos pontos que são de interesse das próprias operadoras para melhorar o serviço”.

Outras atividades
No período da tarde Marcius Vitale também proferiu a palestra "Normas e Procedimentos de Segurança na Construção e Manutenção de Redes de Telecomunicações: NR 10, NR 33, NR 35”. Ao final, ocorreu uma mesa composta pelos palestrantes para discussão e análise dos temas apresentados.

Na capital
Segundo informações da administração municipal, as empresas de telecomunicações enterraram 30 quilômetros de cabos de transmissão de dados e removeram 101 postes, em 14 ruas, na região da Rua José Paulino, centro da capital, onde a AES Eletropaulo também enterrou sua fiação. Neste momento, as empresas realizam a restauração das calçadas e do pavimento nos trechos onde foram executadas obras.

Na Vila Olímpia, está em andamento o enterramento das redes de energia da Rua Funchal, desde a Avenida dos Bandeirantes até a confluência com a Rua Pequetita. Os trabalhos nas duas regiões da cidade estão previstos para serem concluídos em julho.

(matéria atualizada às 15h56 em 6/3/18)


Da Unesp Agência de Notícias

O trabalho realizado pelo Programa Agentes Locais de Inovação (ALI) na região de Bauru é tema de livro lançado em 21 de dezembro último. A obra reúne artigos de 20 agentes Alis que atuaram para o desenvolvimento de ações em prol das micro e pequenas empresas, do diretor técnico do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-SP), da orientadora dos agentes, do gerente regional e gestores do programa. O livro tem 679 páginas em que os agentes relatam o trabalho feito na região durante o programa e é organizado pela Profa. Dra. Maria Eugênia Porém, da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação da Universidade Estadual Paulista (Unesp) local.

O ALI não é somente um agente que recomenda soluções de inovação, ele promove transformações na empresa e no próprio empresário, pois é capaz de estimular a criatividade, selecionar ideias que possam agregar valor à empresa viabilizar ações simples e inovadoras. Em 30 meses de programa, 1.144 empresas de Bauru e região foram atendidas, 2.300 planos de ações foram elaborados e foram realizadas mais de 11 mil visitas de acompanhamento. Cada agente teve a missão de pesquisar sobre as micro e pequenas empresas que atendeu para compor os artigos do livro, que tratam sobre inovação, marketing, planejamento estratégico, visual merchandising, liderança, comunicação, comportamento empreendedor, gestão, entre outros.

Participantes do livro.

Comunicação SEESP*

Jovens engenheiros de Bauru estiveram juntos nesta segunda-feira (30/10), em reunião do Nucleo Jovem da delegacia sindical do SEESP na cidade, realizada na Universidade Paulista (Unip-Bauru). O grupo foi criado em 22 de agosto último, após uma palestra da coordenadora do núcleo da capital, Marcellie Dessimoni, na Unip-Bauru.

A partir de 2018, o Núcleo Jovem Engenheiro do SEESP intensificará a criação do movimento em todas as delegacias sindicais, conforme conta Dessimoni, com o objetivo de aumentar a participação da juventude no debate em torno da engenharia e do desenvolvimento nacional, “formando profissionais cada vez mais cientes dos seus direitos, deveres e contribuindo na luta sindical pelo futuro da profissão”.

Além da coordenadora, marcaram presença na reunião o diretor da delegacia sindical de Bauru, Cezar Santana, o professor e coordenador dos cursos de engenharia Mecânica e Civil da Unip, Luiz Adriano, o representante do núcleo em Bauru, Alison Tiburcio e a estagiária do núcleo, Jéssica Trindade.

Na avaliação de Dessimoni, a reunião foi bastante positiva: “todos estavam motivados a contribuir com os problemas reais da região e unir a categoria em prol do fortalecimento e da valorização profissional”.



Foto: Núcleo Jovem Engenheiro
JovemEng 301017
Participantes da reunião do Núcleo Jovem Engenheiro de Bauru.

 

 

 

*Com informações do Núcleo Jovem Engenheiro 

 

 

 

 

Comunicação SEESP
Com informações do jornal Cidade de Bauru

O presidente em exercício do SEESP, João Carlos Gonçalves Bibbo, prestigiou o 1º Workshop Internacional de Engenharia para atualização em Segurança do Trabalho, nesta terça-feira (29/08), no auditório da Instituição Toledo de Ensino (ITE), em Bauru. Em discurso à abertura, o dirigente destacou o forte trabalho do sindicato em defesa da valorização do profissional e da engenharia nacional. Ele reforçou o papel protagonista do projeto “Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento”, lançado em 2006 pela Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) que vem debatendo e apresentando propostas para o crescimento e desenvolvimento do País. Bibbo também considerou imprescindível ao momento nacional o movimento “Engenharia Unida” que reúne a área tecnológica de todo o País com o propósito de participar dos debates dos rumos do desenvolvimento, já que a engenharia tem presença significativa no dia a dia dos cidadãos. O evento foi iniciativa da Delegacia Sindical do SEESP em Bauru e contou com o apoio da Associação dos Engenheiros, Arquitetos e Agrônomos de Bauru (Assenag) e do Sindicato da Indústria da Construção Civil de São Paulo (SindusConSP).


João Carlos Gonçalves Bibbo, na tribuna, fala à abertura do evento sobre engenharia de segurança.

Segundo notícia do jornal Cidade de Bauru, a cidade se transformou, nesse dia, na "capital nacional da segurança do trabalho" com a realização do workshop que discutiu as normas mais atuais da área, recentemente implementadas ou na iminência de entrarem em vigor. Como destacou o periódico, o evento atraiu interessados de todo o País, com 380 vagas esgotadas. "Mais de 280 são fora de Bauru. Virão pessoas do Brasil inteiro, do Amazonas ao Rio Grande do Sul. É um evento de grande amplitude, com profissionais de alto nível", pontuou o presidente da delegacia sindical local, Luiz Roberto Pagani.


Evento atraiu profissionais de todo o País a Bauru, nesta terça-feira (29).

Já o vice-presidente da regional, Veríssimo Barbeiro, salientou, conforme notícia do jornal, que o workshop, ao contribuir para a atualização de engenheiros e líderes de empresas de diversos estados brasileiros, deve gerar impacto para o aprimoramento da proteção aos trabalhadores de todo o País. "Mais uma vez, ao promover um evento de nível internacional, a engenharia de Bauru sai à frente nas questões nacionais, em prol do engenheiro e em defesa da sociedade."

 

Confira a apresentação de cada palestrante:

André Bezerra – da Disemaq – Redes de Segurança

Aguinaldo Bizzo de Almeida - Engenheiro de Segurança do Trabalho, membro do GTT- NR-10, diretor do SEESP e da DPS; e Gianfranco Pampalon -Auditor-fiscal do Trabalho na SRT – SP

Apresentação Ministério do Trabalho – Ações Regionais de Bauru

Hélio Domingos R. Carvalho - Engenheiro mecânico, coordenador da Área de Ferramentas e Equipamentos de Trabalho da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), da Comissão de Estudos de Cestas Aéreas da ABNT – CE 519.06 e do GT de Emissão Acústica para Cestas Aéreas e Guindastes, membro do Grupo Técnico do Anexo XII da NR-12 e do Grupo Tripartite da NR-35

Gianfranco Pampalon - Auditor-fiscal do Trabalho na Superintendência Regional do Trabalho – SP 

Gilvan Nogueira Fonte Bôa - Múltipla Representações e Consultoria

Leal Equipamentos  

Luis Alves Dias - Licenciado e doutor em Engenharia Civil, professor da Universidade de Lisboa, ex-vice-presidente da Associação Internacional de Seguridade Social – Seção da Construção e colaborador da Organização Internacional do Trabalho (OIT)

Luiz Carlos Lumbrera Rocha - Auditor-fiscal do Trabalho na Superintendência Regional do Trabalho – RJ 

Marcos Amazonas – Coordenador da Comissão de Estudos da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) na elaboração da NBR 16.489 e supervisor de produto da Honeywell 

 

 

 

Comunicação SEESP*

Em 22 de agosto último, o Núcleo Jovem Engenheiro do SEESP ministrou a palestra "Engenharia: profissão e mercado de trabalho" para os acadêmicos da área da Universidade Paulista (Unip), na cidade de Bauru, interior de São Paulo. A atividade foi acompanhada pelos diretores da delegacia sindical local, Cezar José Sant´Anna, Luiz Antonio Battaglini e Carlos kirchner.

A instituição de ensino reuniu cerca de 590 estudantes interessados em participar e compreender os desafios da profissão, as responsabilidades e a implantação do Núcleo Jovem Engenheiro na região. A coordenadora do núcleo, Marcellie Dessimoni, ressaltou a importância de os futuros profissionais exercerem o seu papel como protagonistas, contribuindo para o desenvolvimento do Estado e do País. Ela falou também sobre legislação e as exigências do mercado de trabalho atual.


Foto: Jéssica Trindade Passos
Alunos de Engenharia Civil da Unip acompanham palestra do Núcleo Jovem do SEESP.

Sant´Anna discorreu sobre as lutas do sindicato em defesa dos profissionais da área tecnológica desde a sua criação, como pelo cumprimento do piso salarial (Lei 4.950/A-66) e a liderança da entidade no movimento de ciência e tecnologia no Congresso Constituinte, em 1988, cujo papel foi fundamental na inclusão dos artigos 218 e 219 na Carta Magna, que tratam do incentivo ao desenvolvimento científico e a capacitação tecnológica. O dirigente ainda falou sobre a reforma trabalhista transformada na Lei 13.476, sancionada em 13 de julho último, que significará grave retrocesso social.

Já Kirchner apresentou o Programa de Moradia Econômica (Promore), criado há 20 anos pela Delegacia Sindical do SEESP em Bauru com o propósito de facilitar a construção de casas para famílias com renda até cinco salários mínimos. O programa permite também aos recém-formados em Engenharia Civil obterem experiência na sua área de formação, já que são acompanhados de profissionais experientes para orientar os clientes no projeto e execução da obra.

O professor e coordenador do curso de Engenharia Elétrica, Luis Adriano Madalena, recebeu o grupo com grande entusiasmo e ressaltou a importância de iniciativas como essas, promovidas pelo SEESP, que dispõe de profissionais para levar o conhecimento aos estudantes de engenharia.

Para Dessimoni, a palestra foi uma grande oportunidade de apresentar o projeto “Cresce Brasil” e o movimento Engenharia Unida, da Federação Nacional dos Engenheiros (FNE). “Acreditamos que a engenharia é a mola propulsora do desenvolvimento nacional, e a juventude é o presente e futuro desta nação; juntas, transformam e melhoram a vida das pessoas."

Formação do núcleo em Bauru
No dia seguinte (23), a coordenadora do núcleo e a estagiária Jéssica Trindade Passos se reuniram na regional com os diretores Cezar José Sant´Anna e Luiz Antonio Battaglini e os recém-formados Alison Tibúrcio, Sabrina, Thiago Cabestré e Vinicius Pinezi, para discussão e orientação sobre a formação do grupo na região abrangida pela delegacia em Bauru.

Foi apresentado aos profissionais o objetivo do núcleo, que é o de aproximar a juventude da entidade, da luta sindical e do debate sobre o desenvolvimento do País, garantindo ao segmento um espaço para discutir os desafios do ingresso no mercado de trabalho.

Segundo Dessimoni, ficou clara a importância da expansão do Núcleo Jovem Engenheiro para o fortalecimento da Engenharia Unida. "Acreditamos que esse movimento deve estar presente em todas as regiões do Brasil para integrar o jovem à ação pelos seus direitos e responsabilidades como profissionais e cidadãos."


* Com informações de Marcellie Dessimoni e Jéssica Trindade Passos

 

Do Jornal Cidade de Bauru online

Nesta segunda-feira (21/08), às 17h30, será realizada a palestra "Financiamento Habitacional" com engenheiros e técnicos da Caixa Econômica Federal. Engenheiros civis, arquitetos e demais interessados estão convidados para o evento. A iniciativa é do profissionais do Programa de Moradia Econômica (Promore), e conta com o apoio da Delegacia Sindical do SEESP em Bauru. O evento será na sede da regional (Ruaa Constituição, 8-71). Inscrições gratuitas pelos telefones (14) 3224-1970 e 3224-1096. Vagas limitadas e sujeitas a confirmação.

Será dada ênfase aos documentos técnicos a serem preparados pelos engenheiros civis e arquitetos para compor o processo do pedido de recursos de financiamento para a construção da casa própria e também aspectos a serem observados no transcorrer da obra em relação ao cumprimento de etapas para liberação das parcelas.

Serão apresentados ainda os programas disponíveis, documentação básica e condições mínimas para aceitação da garantia do financiamento habitacional. Segundo o presidente da delegacia sindical, Luiz Roberto Pagani, as pessoas que tenham ou pretendam adquirir um terreno devem ser incentivadas a obter o financiamento habitacional e, assim, realizar o sonho da casa própria. 

 

 

 

 

 

Em 25 de maio próximo, das 9h às 16h, será realizado seminário técnico sobre regularização fundiária, em Bauru (SP). A atividade será na sede local da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que fica na Avenida Nações Unidas, 30-30, na Vila Universitária. As vagas são limitadas e por segmento. Pedido de pré-inscrição pelo site www.bauru.sp.gov.br.

A atividade tem como objetivo apresentar as normas gerais e procedimentos aplicáveis à regularização fundiária urbana, a qual abrange medidas jurídicas, urbanísticas, ambientais e sociais que visam a regularização de núcleos urbanos informais; ajudar na capacitação de gestores públicos municipais e técnicos cartorários visando orientar como executar e como agilizar os processos de regularização fundiária; e transmitir conhecimento aos interessados e à população em geral sobre o tema.

O seminário é uma realização conjunta Prefeitura Municipal de Bauru, Companhia Paulista de Obras e Serviços (Cpos) e Associação Paulista de Municípios com o apoio de diversas entidades, entre essas a Delegacia Sindical do SEESP em Bauru.

Regularização fundiária
É um instrumento de política urbana que visa garantir o direito constitucional à moradia digna a seus ocupantes, o pleno desenvolvimento das funções sociais da propriedade urbana e o direito ao meio ambiente equilibrado, trazendo, assim, não apenas benefícios à área a ser regularizada, mas a toda a população e à própria cidade.

 

 

Programação

9h
Recepção

9h30
Abertura oficial

10h
Painel “Gestores municipais e cartorários”
Específico para a capacitação de gestores públicos municipais e técnicos cartorários, visando implementar os dispositivos da nova legislação para a regularização fundiária.

12h30
Intervalo para almoço

14h
Painel “Comunidade”
Específico para esclarecer dúvidas das lideranças políticas, de movimentos sociais e da comunidade em geral sobre os procedimentos de regularização fundiária.

16h
Encerramento

 

 

Rosângela Ribeiro Gil
Comunicação SEESP

 

 

 

 

Página 1 de 2

agenda