GRCS

OPINIÃO - A boa safra de 2009 e os desafios de 2010

Avalie este item
(0 votos)

João Guilherme Vargas Netto

       Se estivéssemos falando de vinhos, diríamos que 2009 foi de uma boa safra sindical para os trabalhadores brasileiros. Enfrentamos e derrotamos a crise externa, retomando o crescimento, com distribuição de renda e conquistas, a começar pelo reajuste do salário mínimo em fevereiro.
       O movimento sindical atuou com ímpeto de mobilização, com unidade de reivindicações e iniciativas das centrais, e realizou reuniões muito significativas, como os congressos das centrais, da Contag (Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura), da FNE (Federação Nacional dos Engenheiros), de grandes categorias, e consolidou a presença da CNTU (Confederação Nacional dos Trabalhadores Liberais Universitários Regulamentados) entre as entidades representativas dos trabalhadores.
       Agora, começamos 2010, ano eleitoral, em uma conjuntura econômica favorável a novas lutas que deverão – para ter êxito – levar em conta o que ocorreu de positivo no ano passado e corrigir aquelas fragilidades que ainda se revelaram.
       A persistência da luta pela institucionalização das conquistas, como a da redução da jornada para 40 horas semanais, deverá garantir mobilizações fortes e unitárias.
       Devemos realizar reuniões representativas dos diversos destacamentos sindicais procurando definir a pauta que nos interessa e nos oriente nos debates e confrontos sociais e político-eleitorais. O estabelecimento dessa plataforma deverá nos fazer convergir – apesar das diferentes concepções e práticas – em torno de candidaturas que a aceitem e a incorporem em suas campanhas.
       E, com a continuidade e aceleração do desenvolvimento econômico, haverá motivação suficiente para campanhas emergenciais de antecipação salarial; um dos pressupostos para tanto é a manutenção da luta pela queda dos juros e dos spreads bancários.
        O ano de 2010 não terminará em outubro. Mas, dada a importância peculiar deste mês de eleições, até lá se desenharão as linhas principais de efetiva atuação do movimento sindical.

João Guilherme Vargas Netto é consultor sindical do SEESP

 

 

 

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

agenda