logo seesp ap 22

 

BannerAssocie se

×

Atenção

JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 71

31/03/2015

Sem avanço nas negociações, professores de SP mantêm greve

Os professores da rede pública estadual de São Paulo tiveram, na segunda-feira (30/3), a primeira mesa de negociação com o governo paulista desde o início da greve, decretada no dia 13 deste mês. A paralisação continua já que não houve avanço significativo na proposta do reajuste salarial.

Foto: Deborah Moreira
greve professores 2
Professores reunidos na Avenida Ipiranga, em frente à secretaria
estadual de Educação, no dia 27 de março último

 

A presidente do Sindicato dos Professores no Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), Maria Izabel Azevedo Noronha, explicou que após apresentarem a pauta de reivindicação, o secretário da pasta, Herman Voorwald, “não apresentou nenhuma perspectiva. O reajuste continua zero”.

Está marcada para quinta-feira (2/4), às 14h, uma nova  assembleia no vão livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp), na Avenida Paulista, quando a categoria fará uma reavaliação do movimento. Nesta terça, os comandos de greve realizam reuniões para avaliar a situação da greve e planejar novas atividades. Amanhã, os docentes fazem panfletagens, atos e outras atividades regionais

Ato reúne 60 mil
Mais 60 mil professores participaram da assembleia estadual no Masp, na sexta (27), quando foi aprovada a continuidade da greve da categoria e um calendário de mobilização. Depois, realizaram caminhada pela Paulista e Rua da Consolação, encerrando com um Ato em Defesa da Escola Pública e pela Valorização do Magistério, na Praça da República, em frente a Secretaria Estadual de Educação. No trajeto, outros setores sociais aderiram ao ato, fazendo crescer o número de participantes - além das manifestações de apoio da população.

A estimativa da Apeoesp é de que a greve tenha atingido 75% da categoria na sexta-feira, representando mais de 172 mil professores.

As principais reivindicações:

- Aumento de 75,33% para equiparação salarial com as demais categorias com formação de nível superior, rumo ao piso do Diesse para Professor de Educação Básica I (PEB I), com jornada de 20 horas semanais de trabalho, para professores da ativa e aposentados.
-  Conversão do bônus em reajuste salarial.
-  Pela implantação da jornada do piso.
-  Reabertura de classes e períodos fechados. Imediato desmembramento das salas superlotadas.
-  Máximo de 25 alunos por sala desde o primeiro ciclo do Ensino Fundamental ao Ensino Médio.
-  Nem “quarentena”, nem “duzentena” para os professores da categoria “O”.
-  Por uma nova forma de contratação de professores temporários, com garantia de direitos.
-  Garantia de atendimento médico no IAMSPE para os professores da categoria “O”.
-  Convocação e ingresso de todos os professores concursados.
- Garantia de PCPs nas escolas de acordo com a Resolução 75/2013. No mínimo um PCP em cada escola, independente do número de salas.
-  Garantia de condições adequadas de infraestrutura em todas as escolas.
-  Pelo fim da lei das faltas médicas; fim da perseguição aos professores nas perícias médicas.
- Pela aceleração dos processos de aposentadoria.
-  Pela correção das distorções no plano de carreira que prejudicam os aposentados.
-  Água para todos, em todas as escolas.
- Fim do projeto excludente de escola de tempo integral; por uma educação integrada.
- Fim do assédio moral.
- Fim do corte de verbas para as escolas.
- Pela ampliação dos repasses para as escolas.
- Aumento do valor do vale-alimentação e do vale-transporte.
- Continuidade do transporte escolar gratuito para os estudantes.




Deborah Moreira
Edição
Imprensa SEESP
Com informações da Rede Brasil Atual e Apeoesp










Lido 3937 vezes
Gostou deste conteúdo? Compartilhe e comente:
Adicionar comentário

Receba o SEESP Notícias *

agenda