GRCS

27/04/2017

OAB, igrejas e outras entidades ampliam apoio à greve geral

Todo o conjunto do sindicalismo brasileiro - sindicatos, federações, confederações e centrais - se engaja na greve geral. A adesão cresce com o apoio de entidades da sociedade civil, como a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), igrejas e movimentos sociais. Entidades sindicais estrangeiras também manifestam apoio.

Contudo, o governo agressor de Temer perde base política - o PSB rejeita as reformas e o senador Renan Calheiros (PMDB de Temer) faz críticas públicas. Nova pesquisa - do Instituto Ipsos - indica que a popularidade do governo desce ao nível da sarjeta.

Tudo caminha para uma greve geral forte e nacional, com manifestações diferenciadas na forma, mas iguais no conteúdo: repúdio rotundo às reformas neoliberais e antinacionais do governo ilegítimo e golpista.

A greve
A adesão à paralisação contra as reformas neoliberais do governo Temer não para de crescer. Rodoviários, metroviários, bancários, carteiros, metalúrgicos, petroleiros, portuários, comerciários, químicos, eletricitários, servidores e professores de escolas públicas e particulares em diversos Estados, além de uma série de outras categorias em todo o País, decidiram se somar à paralisação nacional.

Apoio
Bispos católicos estão convocando a população a se somar ao movimento. Entre eles, dom Manoel Delson Pedreira da Cruz (Paraíba), dom Fernando Saburido (Olinda e Recife), dom Anuar Battisti (Maringá-PR), dom Pedro Casaldáliga (São Félix do Araguaia-MT) e dom Guilherme Antonio Werlang (Catalão-GO), além do Comitê das Igrejas de Belo Horizonte.

Líderes da Igreja Metodista publicaram um manifesto conclamando o povo a lutar “contra leis que tiram direitos conquistados sob muita luta”. Outras igrejas evangélicas, entre elas Aliança Evangélica e Igreja Luterana, assinaram manifesto contra as reformas e chamam a população para a greve geral.

O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil encaminhou segunda (24) ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia, Carta Aberta pleiteando a suspensão da votação da reforma trabalhista. O documento foi subscrito por entidades como Anamatra (juízes trabalhistas) e Ministério Público do Trabalho.

A Confederação Nacional dos Bispos do Brasil divulgou no final de março nota assinalando que a Constituição de 1988 estabelece, no seu Artigo 6º, que a Previdência é um direito e não uma “concessão governamental”. Ontem (26), CNBB e Centrais encaminharam a Maia documento contra o atropelo na tramitação das reformas.

A cobertura
A Agência Sindical abre sexta antes das 5 horas. Exatamente às 5 horas, nossa rádio web passa a transmitir a greve - de Norte a Sul, de Leste a Oeste. Nosso site e redes sociais cobrirão o movimento em tempo real.

Conteúdo
Envie informações, fotos e vídeos para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ouEste endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..br. Telefones de contato: (11) 3231.3453, 3255.6559 ou 3257.9990. Também pelo WhatsApp (11) 94270.9363 ou celular (11) 99617.3253.

 

 

Publicado por Rosângela Ribeiro Gil
Comunicação SEESP
Notícia da Agência Sindical

 

 

 

 

 

Lido 872 vezes

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

agenda