Logos

GRCS

08/03/2019

Suspensa greve dos servidores municipais de São Paulo

Avalie este item
(0 votos)

 

Comunicação SEESP

 

Em votação apertada e disputa acirrada, os engenheiros e demais servidores municipais de São Paulo deliberaram em assembleia na tarde deste Dia Internacional da Mulher (8 de março), em frente à Prefeitura de São Paulo, pela suspensão da greve que já durava 33 dias. Não obstante a decisão seja continuar mobilizadas por conquistas, as categorias acataram, assim, proposta feita pelo prefeito Bruno Covas em reunião pela manhã com representantes do Fórum das Entidades Sindicais dos Servidores. O presidente do SEESP, Murilo Pinheiro, participou do encontro.

 

Murilo Pinheiro (à ponta da mesa, do lado esquerdo) participa de reunião

das entidades sindicais com o prefeito Bruno Covas. (Foto: Beatriz Arruda)

 

A proposta aprovada inclui reconhecimento do direito de greve, portanto, pagamento dos dias parados, retomada de negociações setoriais de plano de cargos, carreira e salários, entre outros itens. Além de valorização profissional, o movimento reivindicava a revogação da Lei 17.020/2018, relativa à reforma da previdência municipal. Essa amplia a contribuição do funcionalismo de 11% para 14% e institui regime de previdência complementar a novos servidores e a quem ganha acima do teto do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) – R$ 5.839,45 –, através de fundação denominada Sampaprev. O que Covas assegurou, de fato, é a não substituição compulsória do Instituto de Previdência Municipal (Iprem) pelo Sampaprev. E ainda que não elevará a contribuição além dos 14% caso a Proposta de Emenda à Constituição 6/2019, que dispõe sobre reforma da Previdência geral, seja aprovada no Congresso Nacional. A PEC possibilita a municípios apresentarem projetos de lei para tanto, ao limite de 22%.

Assessor especial do SEESP, Carlos Hannickel, destacou à assembleia: “Nosso objetivo claro é alcançar nossas reivindicações, mas o movimento chegou no seu limite. Vamos revigorar forças e partir a novas lutas. Essa é uma greve vitoriosa. Foi garantida contribuição ao Iprem para todo mundo e não desconto de dias parados.”

À assembleia, houve diversas saudações à luta das mulheres e denúncias da desigualdade de gênero por ocasião do 8 de março. Também foi apresentado pelo presidente estadual da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Douglas Izzo, calendário unificado de luta contra a PEC 6/2019. Esse inclui panfletagem e realização de uma série de atividades até o dia 22 próximo, quando algumas categorias paralisarão suas atividades e ocorrerão atos nas principais cidades e capitais do País contra a reforma da Previdência geral. Ao final, os servidores municipais seguiram em caminhada até o vão livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp), na Avenida Paulista, para se somarem ao ato unificado pelo Dia Internacional da Mulher.

 

 

 

Lido 154 vezes

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

VAGAS DE ESTÁGIO

agenda

art creasp