logo seesp ap 22

 

BannerAssocie se

18/01/2022

 

A reforma que ruiu a estrutura do trabalho no Brasil

 

Já ficaram evidentes os efeitos nefastos da Lei 13.467/2017, que precarizou as condições de trabalho no Brasil e não cumpriu nenhum dos objetivos apontados pelos seus defensores. 

 

Quatro anos e meio depois de sancionada a chamada reforma trabalhista, instituída pela Lei 13.467, finalmente seus efeitos nefastos e a necessidade premente de corrigir as disfunções trazidas por ela ganham destaque no debate nacional. 

 

Basicamente, tratou-se de um enorme pacote de retirada de direitos, juntamente com medidas que dificultavam ao máximo o recurso à Justiça e enfraqueciam os sindicatos que poderiam defender os empregados dos desmandos patronais. Ou seja, a instituição da semibarbárie.  

 

Inacreditavelmente, foi com base neste modelo que Congresso e Governo, à época, prometeram geração de emprego e prosperidade à sociedade brasileira. Como obviamente regras civilizatórias para mediar relações entre capital e trabalho são tanto promotoras de justiça social quanto de ganhos de eficiência e competitividade para as empresas, o que se observou foi o exato oposto do que se prometeu. A informalidade, a precarização e o desemprego campearam no País desde então. 

 

Assim, é mais do que bem-vindo o debate sobre a necessidade de rever o quadro instalado que mereceu acertadamente a qualificação de “deforma trabalhista”. A exemplo do que houve na Espanha, onde  foram revogadas regras semelhantes que haviam sido aprovadas em 2012, é preciso que seja redesenhado um arcabouço legal e institucional que valorize o trabalho, gere empregos decentes, renda e qualificação, visando o avanço da economia nacional. 

 

Como destaca o analista sindical João Guilherme Vargas Netto, tal discussão deve se dar com seriedade e consequência e participação ampla, com representação do governo, do setor produtivo e, obviamente, dos trabalhadores, que são a maioria da população, visando uma repactuação no País a respeito do tema. 

 

O assunto, como também propõe Vargas Netto, deve ser pauta da nova Conferência Nacional da Classe Trabalhadora (Conclat), que o movimento sindical deve realizar neste ano para que questões essenciais relativas aos direitos sociais, mas também ao desenvolvimento nacional, sejam analisadas, discutidas e tornem-se objeto de consenso entre as entidades, que poderão defendê-las de forma unitária. 

 

Lançando mão de tática já surrada, os defensores da precarização, para convencer a opinião pública, utilizaram termo normalmente associado a mudanças positivas, ou seja, “reforma”. Pois está claro que a intervenção ruiu a estrutura de organização do trabalho, uma das bases para que o Brasil possa realizar o seu potencial de nação desenvolvida, justa e democrática. Está na hora de reconstruí-la de forma qualificada e em alto padrão. 

 

 

Murilo Pinheiro – Presidente 

Lido 1912 vezes

Comentários   

# Engenheiro CivilPaulo 20-01-2022 10:19
A reforma ao meu ver não mudou nada, continuo tendo trabalho e bastante, o país se desindustrializ ou e foi tudo para os países asiáticos ( mão de obra barata e acordos com os partidos socialistas aonde eles tem os trabalhadores na mão ) simples quem é do partido socialista ganha pois os empresários compram em troca de benefícios, e essas politicas são de governos passados, todos tem culpa ou vc acham que o país era uma maravilha...nun ca foi...acabou a indústria e hj..agro , mas o agro não paga a conta da cidade..vivemos de prestações de serviço e os politicos são os primeiros a tirar do povo...
Responder
# Uma dúvidaEstevam José Godoy 18-01-2022 09:59
- Essa "reforma trabalhista" ocorreu no governo passado tendo como um dos propósitos, aumentar as vagas de emprego, o que não ocorreu e só prejudicou o trabalhador e minimizou a ação sindical. Será que não era propósito também da reforma, preparar o trabalhador para a reivindicação do socialismo / comunismo?
Responder

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar



Receba o SEESP Notícias

E-mail:

agenda