GRCS

CRESCE BRASIL - FNE fecha parceria para acompanhar obras da Copa

Avalie este item
(0 votos)

Lucélia Barbosa


       Um termo de cooperação será assinado entre o Ministério do Esporte e a FNE (Federação Nacional dos Engenheiros) tendo como objetivo a atuação da entidade no acompanhamento das obras previstas para a Copa do Mundo de 2014, produzindo relatórios técnicos sobre a situação de cada projeto. O anúncio da parceria foi feito pelo ministro Aldo Rebelo, no dia 5 de dezembro, em reunião realizada na sede do SEESP, na Capital paulista, com a participação do presidente do sindicato e da federação, Murilo Pinheiro, e de diretores dessa entidade.

       “A FNE é uma instituição consolidada e representativa não só dos profissionais, mas da engenharia nacional. Portanto, tem capacidade, legitimidade, seriedade e conhecimento para prover o Ministério de opiniões e informações não só das obras dos 12 estádios, como também dos projetos de infraestrutura”, afirmou Rebelo. Segundo ele, os termos do documento, que definirão a forma e a abrangência da atuação da federação, serão elaborados pelo órgão federal.

       Ainda de acordo com o ministro, está prevista a realização conjunta de um grande seminário, que deve acontecer no primeiro trimestre de 2012, abordando a Copa e as Olimpíadas de 2016 e seus reflexos no desenvolvimento nacional. “Esse jogos têm impactos multidisciplinares na vida dos países que os acolhem do ponto de vista da engenharia, em todas as suas áreas, e essas estão ligadas à federação”, pontuou.

       Na prática, a nova tarefa intensificará a atuação da FNE, que já vem realizando debates sobre Copa do Mundo por meio do projeto “Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento”. “As diretorias do SEESP e da federação estão empenhadas em acompanhar as obras do mundial de futebol. A meta é que os engenheiros, através de um trabalho externo, possam ajudar o Ministério do Esporte fiscalizando e dando subsídios técnicos”, ressaltou Pinheiro.

       Ele lembrou ainda a importância de haver planejamento para que as obras sejam bem-sucedidas e também atinjam o objetivo de deixar um legado positivo ao País, após as competições esportivas.


Balanço geral
       Durante o encontro, o ministro do Esporte falou também da situação das obras dos 12 estádios. “Todos estão em dia, um deles até um pouco adiantado, que é o caso do Castelão, no Ceará. Nele inauguramos a primeira etapa, e na área construída já estão instaladas três secretarias estaduais com mais de 600 servidores públicos trabalhando. Além disso, algumas arenas terão o calendário antecipado, conforme a previsão dos construtores e governantes”, mencionou. A exceção, conforme Rebelo, é o estádio do Internacional de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, onde existem divergências entre os conselheiros do clube. “De qualquer maneira, há um outro estádio sendo construído na região, que é o do Grêmio. Portanto, creio que não haverá problema, porque existe essa alternativa, caso o Inter não termine a tempo”, explicou o ministro.

       Quanto aos gargalos de infraestrutura, Rebelo ressaltou a necessidade inadiável de ampliar os aeroportos em função do aumento da demanda. “É fundamental investir também nos portos, não apenas pela força da economia do Brasil que são as atividades de embarque e desembarque de mercadorias, como também pelos passageiros, já que a previsão é de muitos cruzeiros chegando para a Copa do Mundo. Além disso, as obras viárias devem ser priorizadas para melhorar a mobilidade das metrópoles”, enumerou.

       Outro assunto abordado na ocasião foi o aumento da previsão dos custos dos preparativos para o evento mundial. Na visão de Rebelo, é natural que esses valores estejam num patamar mais elevado, já que os preços dos insumos utilizados sofreram reajustes entre o período de planejamento e execução e também pela valorização da mão de obra, que teve aumentos salariais. “Esses orçamentos devem ser elaborados, discutidos e deliberados com o máximo de controle público e dos órgãos de Estado encarregados dessa função”, ponderou.

       Na avaliação do ministro, não existe a hipótese de o País não estar pronto para os jogos em 2014. “Se o Brasil precisasse fazer a Copa do Mundo daqui a dois meses, com certeza faríamos. Não nas mesmas condições e com o mesmo conforto que será realizada daqui a três anos, mas faríamos. Já temos grandes estádios prontos, como o Morumbi, em São Paulo, e o Santa Cruz, em Pernambuco, que dariam conta de realizar qualquer evento internacional”, concluiu.




Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

agenda