GRCS

Mostrando itens por marcador: transportes

O Centro de Pesquisa em Engenharia Prof. Urbano Ernesto Stumpf, financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e a Peugeot/Citroën, tem uma vaga para bolsa de pós-doutorado em motores de combustão interna. O estudo do emprego de biocombustíveis em transportes será conduzido no Departamento de Energia da Faculdade de Engenharia Mecânica da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

A primeira fase do projeto deverá ser concluída no fim de outubro de 2018. O objetivo principal desta etapa do projeto é desenvolver conceitos tecnológicos aplicados a motores dedicados ao etanol, que possam aumentar de forma significativa sua eficiência em todos os regimes de operação.

Os candidatos devem ter doutorado na área de Termodinâmica Aplicada – motores de combustão interna – e interesse científico no uso de biocombustíveis em motores de combustão interna. Esses devem entrar em contato com o professor Waldyr Luiz Ribeiro Gallo (Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.), pesquisador responsável pelo projeto. Inscrições podem ser feitas até 31 de maio de 2017.

A vaga está aberta a brasileiros e estrangeiros. O selecionado receberá bolsa da Fundação no valor de R$ 6.819,30 mensais e Reserva Técnica. A Reserva Técnica de Bolsa de PD equivale a 15% do valor anual da bolsa e tem o objetivo de atender a despesas imprevistas e diretamente relacionadas à atividade de pesquisa. Mais informações sobre a oportunidade: www.fapesp.br/oportunidades/1531.

 

Publicado por Rosângela Ribeiro Gil
Comunicação SEESP
Informação da Agência Fapesp

 

 

 

 

Milton 2016 editadaEstudo recente da Confederação Nacional do Transporte (CNT) sobre a situação das rodovias brasileiras só mostrou com números o que já se sabia (ou se tinha como provável) há muito tempo, ou seja, que o custo de logística pode ser encarecido em até 40% em razão da má qualidade da infraestrutrura rodoviária do País. Segundo o estudo, ao final de 2015, só cerca 200 mil quilômetros de rodovias, de um total de 1,8 milhão, estavam pavimentados. Ora, se o modal rodoviário é o mais utilizado, responsabilizando-se por mais de 60% do transporte de mercadorias, é de se imaginar o que o País perde por apresentar uma malha rodoviária que, em muitos Estados, nada fica a dever à dos países mais pobres do mundo.

Se se fizer uma comparação com os Estados Unidos, a situação se torna, no mínimo, humilhante. Embora tenha mais de 5 milhões de quilômetros em rodovias pavimentadas, aquele país utiliza apenas 20% do modal para fazer transportar suas cargas. Se a comparação for com países menos desenvolvidos, ainda assim a situação continuará constrangedora. Por exemplo, China e Índia têm cada uma 1,5 milhão de quilômetros pavimentados em rodovias, ou seja, sete vezes mais que o Brasil.

Cálculos estimativos apontam que seriam necessários mais de R$ 106 bilhões em investimentos para melhorar substancialmente a infraestrutura rodoviária do País, o que não significa ainda dotá-lo de uma malha viária digna de uma nação de Primeiro Mundo. Acontece que o governo não tem se mostrado capaz de colocar em prática um plano de construção e reconstrução da malha viária. Nem se apresenta com caixa suficiente para levar adiante esse desafio.

Diante disso, só a criação de modelos de concessão capazes de atrair maior número de investidores privados poderá reverter essa situação crítica. Sem contar que é preciso também estimular o desenvolvimento dos modais ferroviário e hidroviário para que o transporte de cargas não dependa tanto do caminhão, além de estimular a expansão da cabotagem, modal fundamental para um país com dimensões continentais e com 7.367 quilômetros de linha costeira.

Não é preciso dizer que a atual situação de indefinição do quadro político brasileiro também assusta os investidores, que há muito reclamam da mudança de regras durante ou depois do processo licitatório. Portanto, só com projetos bem elaborados e com cláusulas claras será possível atrair investidores, o que não significa o deslumbramento de altos lucros com base na espoliação dos futuros usuários das rodovias a serem construídas ou reformadas.

 

* Milton Lourenço é presidente da Fiorde Logística Internacional e diretor do Sindicato dos Comissários de Despachos, Agentes de Cargas e Logística do Estado de São Paulo (Sindicomis) e da Associação Nacional dos Comissários de Despachos, Agentes de Cargas e Logística (ACTC)

 


 

 

 

Acordo de cooperação técnica entre o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e a Empresa de Planejamento e Logística (EPL) pretende incentivar as atividades de pesquisa e desenvolvimento (P&D) voltadas para soluções tecnológicas no setor de transporte. O acordo, com prazo de vigência de cinco anos, foi assinado nesta quinta-feira (25/04), pelo ministro Marco Antonio Raupp e pelo diretor presidente da EPL, Bernardo Figueiredo.

O acordo visa a ações conjuntas, ao desenvolvimento colaborativo em iniciativas que envolvam transferência e absorção de tecnologia e à disponibilização de sistema de informação que consolide os dados do setor de transportes. A parceria incluirá as áreas marítima, ferroviária e rodoviária, em projetos como o do trem de alta velocidade, de redes de transmissão de dados e de identificação por radiofrequência (RFID).

“Esses grandes projetos abrem um campo de oportunidades para nós”, disse o ministro Raupp, ao reforçar a possibilidade de articulações com as diversas secretarias do MCTI e demais instituições do sistema de ciência, tecnologia e inovação com o sistema EPL. “É a oportunidade de, ao recuperarmos deficiências na área de infraestrutura, já incrementarmos o melhor padrão tecnológico possível. Esse é o nosso propósito”, completou.

A EPL é uma empresa pública federal vinculada ao Ministério dos Transportes, instituída pela Lei 12.404/11, que tem como um dos seus objetivos o desenvolvimento do serviço ferroviário de alta velocidade de forma integrada às demais modalidades de transportes.

O diretor Bernardo Figueiredo falou sobre a extensão desse trabalho, que, segundo ele, vai além do gerenciamento de obras. “O que nós precisamos na área de logística é de tecnologia, até para utilizarmos a infraestrutura já instalada”, acrescentou, ao recordar o histórico de cooperação com o MCTI na área.

Trabalho conjunto
A empresa já tem um acordo com a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP, organização social supervisionada pelo MCTI) com foco na montagem de um backbone (espinha dorsal) de uma rede para interconexão de dados de sistemas voltada para transporte e logística.

O ministério também foi parceiro da EPL na concepção do projeto de mapeamento de toda a tecnologia do trem de alta velocidade e na formulação da proposta de absorção de tecnologia. “Então já temos um trabalho conjunto e estamos agora estendendo-o a outras áreas em que a logística necessita de um aperfeiçoamento e de inovação tecnológica para a melhoria do seu desempenho”, afirmou Bernardo Figueiredo.

De acordo com o representante da EPL, está criada uma rede de fibra ótica pelos editais de ferrovia e rodovia. “Temos a possibilidade de trabalhar de forma articulada com o MCTI e isso criará um canal para levarmos o acesso da rede a regiões do interior do país em locais ainda não atendidos”, afirmou. “Então, nós temos um campo imenso de trabalho pela frente e é isso que agora vai ser orientado em função deste acordo.”

Também participaram do ato, pela pasta, o secretário executivo Luiz Antonio Elias, o secretário de Desenvolvimento, Tecnológico e Inovação, Alvaro Prata, o secretário de Ciência e Tecnologia para Inclusão Social, Oswaldo Barba, e a diretora do Departamento de Políticas Programas Setoriais da Secretaria de Política de Informática, Marylin Peixoto. Pela EPL, o diretor Hederverton Santos e o coordenador do Núcleo de Desenvolvimento Tecnológico, Manuel Poppe, entre outros representantes.

 

Imprensa – SEESP
Fonte: MCTI




{backutton}

agenda