logo seesp ap 22

 

BannerAssocie se

05/01/2024

Inmetro desembolsa R$ 18 milhões em projeto com inteligência artificial para redução de poluentes

Diário do transporte*

 

Transportes Diário do transporteO Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) anunciou que vai liberar R$ 18 milhões para projeto que faz uso da inteligência artificial para colaborar com a redução de poluentes gerados por ônibus, carros e caminhões.

 

O objetivo é estimular o desenvolvimento de tecnologias para medir com mais precisão as emissões e consumo dos veículos.

 

O programa é uma parceria entre o instituto, as universidades federais do Rio Grande do Norte e da Paraíba (UFRN e UFPB) e fabricantes de veículos.

 

Denominado "Descarbonize.ai: Sistema Integrado para Análise, Monetização e Descarbonização do Tráfego Veicular", o programa usa recursos do Rota 2030, denominado de “Mover”, em nova edição do Governo Federal.

 

Por meio de nota, o Inmetro explica que as informações geradas podem ser "vendidas" pelos proprietários dos veículos aos fabricantes, distribuidoras de combustíveis e concessionárias de transportes e rodovias.

 

Diz a nota: “Neste contexto, motoristas, gestores de frota, montadoras e corporações e em geral são incentivadas a adotarem iniciativas ecologicamente responsáveis.

 

O projeto se baseia em duas abordagens principais. A primeira utiliza dados reais e Inteligência Artificial para estimar, com menor incerteza, o consumo energético dos automóveis em condições de uso do dia a dia, e seu comportamento em diferentes situações, algo difícil de se conseguir apenas com ensaios em laboratório, por exemplo. A segunda abordagem é a monetização.

 

Com esses dados, é possível criar modelos de negócio em que o condutor que compartilha as informações colhidas de seu veículo é recompensado com cripto créditos em uma plataforma blockchain. Estes poderão ser negociados com empresas interessadas nas informações, sejam elas montadoras, seguradoras, distribuidoras de combustível, concessionárias de estradas, entre outras.

 

O projeto tem duração de 24 meses, e conta com recursos coordenados pela Fundação de Desenvolvimento de Pesquisa (Fundep). Ao final será entregue um protótipo que será disponibilizado à indústria nacional por meio de transferência de tecnologia.”

 

 

 

 

 

*texto por Adamo Bazani. Originalmente publicado no portal em 4/1/2024        

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Lido 186 vezes
Gostou deste conteúdo? Compartilhe e comente:
Adicionar comentário

Receba o SEESP Notícias *

agenda