logo seesp ap 22

 

BannerAssocie se

29/04/2024

Ato clama por um basta de sofrimento e morte no mundo do trabalho

Jéssica Silva – Comunicação SEESP*

 

No domingo (28/4), foi realizado na Praça Memorial Vladimir Herzog e Espaço Cultural a Céu Aberto Elifas Andreato, na capital paulista, o “Ato e canto pela vida”. A programação especial do tradicional encontro cultural gastronômico “Todo mundo tem que falar, cantar e comer!” marcou o Dia Mundial da Segurança e da Saúde no Trabalho e Dia Nacional em Memória das Vítimas de Acidentes e Doenças do Trabalho.

 

Centrais sindicais, sindicatos, movimentos sociais, representantes do Ministério do Trabalho, Fundacentro, Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest), Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) e de Estudos e Pesquisas de Saúde e Ambiente de Trabalho (Diesat) organizaram o evento que chamou atenção da população à situação urgente de acidentes e mortes no ambiente laboral.

 

Marcaram presença na atividade o vice-presidente do SEESP Fernando Palmezan Neto e os diretores José Manoel Teixeira e Nestor Soares Tupinambá.

 

“O ato provocou reflexões internas no movimento sindical”, disse Carlos Clemente, diretor do Sindicato dos Metalúrgicos de Osasco e Região (Sindmetal), referindo-se à organização da atividade, que contou com sete reuniões preparatórias – incluindo uma na sede do SEESP.

 

 Clemente Ato e canto pela vida 4O diretor dos metalúrgicos Clemente (microfone), abrindo as falas do ato. Foto: Sérgio Decourt

 

 

A união de mais de 30 instituições na organização do evento resultou em um manifesto lançado no ato, que destaca os principais pontos para se constituir um efetivo sistema de saúde e segurança para os trabalhadores.

 

“Essa mobilização é um reconhecimento do luto e da luta, [é para] reafirmar nosso compromisso com a luta pela saúde, pela vida”, frisou no início das falas Nilton Freitas, representante regional América Latina e Caribe da Internacional de Trabalhadores da Construção e da Madeira (ICM).

 

O vereador Eliseu Gabriel (PSB) defendeu as organizações do mundo do trabalho, sindicatos e órgãos que sofreram com o desmonte do setor desde a reforma trabalhista (2017). “O mais impressionante é que não existe fiscalização, nós precisamos trabalhar para ter concurso público, fortalecer o Ministério do Trabalho”, afirmou. Nesse mesmo sentido destacou Marcos Alves de Melo, superintendente regional do trabalho, a importância do aumento de auditores fiscais do trabalho no estado de São Paulo e em todo o País.

 

A cada 15 segundos uma pessoa no mundo morre devido a um acidente de trabalho; no Brasil, o número equivale a uma morte a cada três horas e meia, conforme apresentou Cleonice Caetano, representante do Fórum das Centrais. “Não queremos que isso continue, queremos conscientizar a sociedade, a classe trabalhadora e a classe patronal, que entenda que um ambiente saudável é um ambiente com mais produtividade”, ela ressaltou.

 

“Só melhoraremos as condições de trabalho fortalecendo a democracia nas empresas, com participação ativa da Cipa [Comissão Interna de Prevenção de Acidentes]”, atestou o diretor da Fundacentro, Remígio Todeschini. A mudança passa também por investimentos financeiros e de recursos humanos para o Sistema Único de Saúde (SUS), como destacou a diretora do Cerest estadual São Paulo, Simone Alves dos Santos.

 

Ao final das falas, foi realizada a cerimônia das velas e a arte coletiva árvore da vida, em memória às vítimas de acidentes e mortes no ambiente de trabalho e em luta pela vida dos trabalhadores. A atividade, que foi iniciada com muita música com o grupo "Inimigos do batente", contou ainda com baião de dois no cardápio servido a todos no mote “quem pode, paga. Quem não pode, pega”.

 

 

Ato e canto pela vida 2O cantor Paulinho Timor e convidados fizeram a trilha sonora do ato com o "samba do trabalhador", músicas sobre o mundo do trabalho

 

 Cerimônia das velas Ato e canto pela vida ScaboliCerimônia das velas, ato simbólico em memória às vítimas de acidentes e mortes no trabalho. Foto: João Donizeti Scaboli

 

 

Ato e canto pela vida Árvore cremildaÁrvore da vida, arte coletiva elaborada durante a atividade, organizada por Laura Andreato. Foto: Nelia Maria de Sousa

 

 

Nestor e Palmezan Ato e canto pela vida ftRitaCasaroOs engenheiros do SEESP Nestor Tupinambá (à esquerda) e Fernando Palmezan. Foto: Rita Casaro

 

 

Ato e canto pela vida 5O cardápio do dia: baião de dois. Foto: Sérgio Decourt

 

 

Sabesp Ato e canto pela vida RitaCasaroDurante o ato, também foi ressaltada a importância da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo, a Sabesp. Foto: Rita Casaro

 

 

Ato e canto pela vida 3

 

 

 

 

 

Assista:

 

 

 

 

 

 

 

*Com informações de Rita Casaro e Coletivo Resistência.

 

 

 

 

Lido 330 vezes
Gostou deste conteúdo? Compartilhe e comente:
Adicionar comentário

Receba o SEESP Notícias *

agenda