logo seesp ap 22

 

BannerAssocie se

17/08/2022

Manter competitividade de São Paulo com um olhar para o futuro, defende Rodrigo Garcia

 

Comunicação SEESP

 

Em seu ciclo de debates “A engenharia, o Estado e o País”, o SEESP recebeu em sua sede, na Capital paulista, nesta quarta-feira (17/8), o candidato a governador de São Paulo Rodrigo Garcia (PSDB). O evento ocorreu em formato híbrido – presencial e virtual, com transmissão ao vivo pelo canal do sindicato no Youtube e pela página no Facebook.

 

Iniciativa já tradicional da entidade, o ciclo de debates, como sempre, se pauta por critérios democráticos, incluindo todos os partidos, independentemente de representação no Congresso. Os eventos serão programados até setembro próximo, em acordo com a agenda dos (as) candidatos (as) que aceitarem o convite do SEESP.

 

Atual governador do Estado, Garcia apresentou sua visão para São Paulo e propostas a uma plateia que lotou o auditório do SEESP e incluiu, além de sindicalistas e engenheiros de diversas áreas, candidatos ao cargo de deputado federal, diretores e presidentes de empresas públicas e privadas.

 

Rodrigo Garcia fala a plateia que lotou auditório do SEESP durante ciclo de debates. Foto: Jéssica Silva 

Ele iniciou sua preleção falando da felicidade de retornar ao sindicato pela primeira vez como governador e destacando sua experiência na vida pública e conhecimento do Estado: “São 28 anos de dedicação a São Paulo, em São Paulo e para São Paulo.”

 

Como lembrado na ocasião, Garcia ocupou os cargos de deputado federal e estadual, tendo sido presidente da Assembleia Legislativa (Alesp) entre 2005 e 2007, além de secretarias do Estado. Foi vice-governador até abril de 2022, tendo assumido a cadeira do Executivo paulista em abril último, a partir da renúncia de João Doria.

 

 

Avanços e desafios

 

O candidato do PSDB falou dos avanços da São Paulo “que vocês (engenheiros) ajudaram a construir”, a qual considera obra inacabada. Para ele, é imprescindível seguir com “um olhar para o futuro e continuar a deixar São Paulo competitiva”.

 

“Olha há 28 anos como era a CPTM. Tinha surf no trem, piso com buraco. Hoje equivale a sistema metroviário com as melhores linhas do mundo. O metrô tem cinquenta e poucos quilômetros e muitas linhas sendo construídas. Quando se compara com o resto do País, Belo Horizonte não avançou um metro em 25 anos, Salvador começou, e não fizeram mais nada. Temos que olhar o que foi feito para nos animar para os nossos desafios. Garanto toda dedicação, experiência e equipe competente. Nas nossas mãos São Paulo não vai desandar”, vaticinou.

 

Garcia continuou: “Tenho 48 anos e venho aqui trazer a inquietude de melhorar o que é bom e corrigir o que deu errado. Essa é nossa tarefa diária.” Como exemplo, afirmou que visitou Ambulatórios Médicos de Especialidades (AMEs) e garantiu que o serviço é classificado por 94% dos usuários como ótimo ou bom. “A gente não se acomoda diante de políticas públicas que deram certo. Assim, transformamos todas as AMEs do Estado em oncológicas, preparando o sistema de saúde para uma sociedade de velhos em que o câncer será prevalente.”

 

Também frisou o enxugamento da máquina pública ao equilíbrio econômico-financeiro, o que informou ter resultado em melhor capacidade de investimento e o maior volume de contratos de obras da história do Estado. Entre as realizações, citou uma “prateleira cheia de projetos” para todo o território paulista, antecipação da construção de gasoduto utilizando gás do pré-sal no litoral para fornecimento às indústrias paulistas, continuidade da expansão metroferroviária e da malha rodoviária, com 11.500km de estradas contratadas.

No púlpito, Rodrigo Garcia. À mesa, da esquerda para a direita, Campos Machado, Murilo Pinheiro e Edson Aparecido. Foto: Jéssica Silva 

“Não estamos nem na metade do caminho, temos muitas coisas a fazer. Os próximos quatro anos serão definidores do papel do Brasil que queremos, e São Paulo será determinante. Queremos garantir conquistas e avançar.” E concluiu com o lema de sua campanha: “Nem para a esquerda, nem para a direita, é para a frente.”

 

Sob coordenação de Murilo Pinheiro, presidente do SEESP, a atividade teve a participação dos candidatos à reeleição como deputado estadual Campos Machado (Avante) e a senador Edson Aparecido (MDB), o qual destacou que se eleito enquanto representante de São Paulo buscará preservar o caráter do Estado de locomotiva do Brasil e sobretudo atuar em prol de “melhores condições de vida para toda a nossa população”. Um dos debates que julga necessário e pretende travar é quanto ao pacto federativo.

 

Confira a participação de Rodrigo Garcia no ciclo “A engenharia, o Estado e o País” na íntegra:

 

 

 

Lido 657 vezes
Gostou deste conteúdo? Compartilhe e comente:
Adicionar comentário

Receba o SEESP Notícias *

agenda