GRCS

17/12/2020

Trabalhadores de Guarulhos reagem a ataques do prefeito para extinguir a Proguaru

Agência Sindical*

 

O Sindicato dos Trabalhadores na Administração Pública Municipal de Guarulhos (Stap) lançou nota de repúdio ao ataque do prefeito da Cidade, Guti (PSD), que enviou Projeto de Lei (nº 2718/2020) à Câmara Municipal pedindo a extinção da Proguaru. A medida pode afetar mais de 4 mil trabalhadores, que perderão o emprego.

 

A Proguaru é uma empresa de economia mista, que executa serviços públicos de coleta e remoção de lixo, fabricação de asfalto, blocos e pré-moldados, pavimentação, guias, sarjetas, construções de galerias e canalizações. Ou seja, cuida de toda a urbanização de Guarulhos.

 

No Projeto de Lei enviado ao atual presidente da Câmara, Professor Jesus – que é o futuro vice-prefeito de Guti -, está o pedido de extinção da empresa até 31 de dezembro de 2021. O prefeito alega constantes prejuízos aos cofres públicos. Já o Stap, em nota, afirma que esse ônus não é por causa dos salários dos trabalhadores.

 

O presidente do Sindicato, Pedro Zanotti Filho, enfatiza que o trabalhador não pode pagar a conta da má gestão do prefeito Guti. Ele afirma: “É um verdadeiro massacre. Os mais de 4 mil trabalhadores não podem ser demitidos, ainda mais num momento de grave recessão econômica e da violenta pandemia”.

 

Na manhã desta quarta-feira (17/12), trabalhadores da Progaru e apoiadores manifestaram em frente à câmara contra o PL, que está na pauta da assembleia.

 

Abaixo, a nota de repúdio do Stap.

 

Carta ao prefeito Guti e aos vereadores de Guarulhos

Não cometam esse massacre contra os trabalhadores da Proguaru e suas famílias!

 

Diariamente, durante todo o ano, de domingo a domingo, 24 horas por dia, os Servidores da Proguaru trabalham por nossa cidade. Esse trabalho ficou ainda mais pesado por causa da Covid-19.

 

Na limpeza de ruas e praças; na limpeza das unidades de saúde; nas entradas de escolas; metendo a mão na sujeira; tapando buraco; consertando bueiro – todo dia o cidadão guarulhense testemunha esse trabalho duro e incansável dos companheiros.

 

O cidadão guarulhense talvez não saiba que:

 

1) A extinção da Proguaru significará a demissão de aproximadamente 4.600 Servidores, cuja maioria é gente humilde, que recebe salário irrisório.

 

2) A extinção da Proguaru afetará a vida de aproximadamente 14 mil familiares dos demitidos.

 

3) A extinção da Proguaru levará miséria para cerca de 18.400 pessoas, somando-se os Servidores e as famílias.

 

4) O Servidor da Proguaru é humilde, ganhando Piso de R$ 1.171,00 a R$ 1.200,00 (no caso dos ASGs – serviços gerais -, que são a maioria) ou de R$ 1.270,00 a R$ 1.300,00, se for Agente de Portaria. Portanto, não é por causa do salário dos que trabalham duro que a Proguaru pode estar em dificuldades.

 

5) A Proguaru é lotada de cargos comissionados. Ou seja, de pessoas indicadas quase sempre por interesses políticos – seus salários começam em R$ 3.000,00.

 

6) A diretoria da Proguaru é imensa – com salários em torno de R$ 7.000,00.

 

O prefeito Guti tem o direito de equilibrar as finanças municipais – aliás, já teve quatro anos pra isso. Direito que ele não tem é de demitir tantos trabalhadores, principalmente num momento de grave recessão econômica e da mais violenta pandemia do último século. Demitir, nessa conjuntura, é condenar pais e mães de família à fila da miséria e da indignidade.

 

O prefeito Guti sabe que o Servidor da Proguaru é querido pela população, que reconhece o quanto esses serviços ajudam na qualidade de vida em nossa cidade.

 

Senhores Vereadores: Antes da lei vem a justiça. A decisão unilateral do prefeito Guti, de fechar a Proguaru, é uma violenta injustiça contra os trabalhadores. Respeitamos a autonomia do Legislativo. Mas essa autonomia existe pra promover a justiça e a paz social. E não o contrário.

 

O Sindicato lutará com todas as forças contra essa barbaridade. Esperamos que o prefeito reveja sua decisão e que, se a matéria for a voto, os senhores votem pelo justo, pois de tudo podemos nos livrar: menos do implacável tribunal da nossa consciência.

 

Guarulhos, 16 de dezembro de 2020

Sindicato dos Trabalhadores na Administração Pública Municipal de Guarulhos (Stap).

 

 

 

 

 

 

*Com agências. Texto original publicado no portal Agência Sindical em 16/12/2020. 

 

 

 

 

 

 

 

Lido 2633 vezes

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

agenda