GRCS

14/09/2020

Centrais lançam campanha nacional para que auxílio seja de R$ 600,00

Agência Sindical*

 

As centrais sindicais lançam nesta semana campanha nacional para pressionar o Congresso Nacional a colocar em votação a Medida Provisória nº 1.000/2020, que estende o Auxílio Emergencial até dezembro.

 

A MP, publicada dia 3 de setembro pelo governo Bolsonaro, amplia o prazo de duração do benefício até dezembro, mas reduz pela metade o valor, ou seja, R$ 300,00.

Com o mote “Nenhum real a menos”, as centrais querem convencer deputados e senadores a mudar a proposta do governo.  As entidades defendem que o valor volte para R$ 600,00.

 

Ricardo Patah, presidente da UGT, ressalta: "Vamos fortalecer a campanha nacional pelos R$ 600,00 que têm sido decisivos pra evitar a fome e não agravar ainda mais a crise econômica". 

 

Os dirigentes também buscam reunião com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), a fim de tratar da importância de se votar a MP.

 

Os sindicalistas denunciam a intenção do governo de impedir que a MP seja apreciada no Congresso. Com isso, a medida caducará em 120 dias, que é a duração do pagamento de R$ 300,00 até dezembro.

 

Assinaturas

Presidente da Força Sindical, Miguel Torres explica que a campanha vai percorrer a periferia, portas de empresas com um abaixo-assinado. A ideia é utilizar também pelas redes sociais para coletar adesões. “A população pobre é a mais afetada. Vamos fazer uma grande mobilização. No momento em que os preços dos alimentos sobem, o governo corta o valor do benefício pela metade? Não faz sentido”, ele questiona.

 

Adilson Araújo, presidente da CTB, ressalta o impacto positivo que o benefício teve na demanda interna, sobretudo nos municípios mais pobres. “O tombo da economia seria mais forte sem o colchão criado no mercado consumidor pelo auxílio aprovado em março pelo Congresso Nacional”, comenta. Ele lembra que o valor de R$ 600,00 foi conquistado por pressão do movimento sindical. Isso impediu que milhões de pessoas caíssem na miséria. “O valor de R$ 600,00 criou uma proteção econômica efetiva às famílias vulneráveis. Ajudou também a sustentar o consumo de bens e serviços, mantendo empregos”, comenta.

 

Sobrevivência e economia

O auxílio emergencial, na visão do presidente do SEESP, Murilo Pinheiro, tem como função essencial garantir sobrevivência de milhões de brasileiros e, ainda, estimular a economia, conforme externou em artigo semanal (Palavra do Murilo).

 

“O governo, que acertou ao acatar a cifra mais alta aprovada no Congresso em relação à sua proposta inicial para o auxílio, erra agora ao cortá-lo pela metade e criar mais obstáculos para que os cidadãos o recebam. Obviamente, os eventuais desvios apurados devem ser corrigidos, mas não faz sentido criar travas que dificultem o acesso a quem precisa desse dinheiro para sobreviver”, ele pondera no texto.

 

 

 

 

 

 

 

 

*Texto original publicado no boletim da Agência de 14/9/2020.

 

 

 

 

 

 

 

Lido 62 vezes

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

Oportunidades Plataforma 29 04 1

VAGAS DE ESTÁGIO DE ENGENHARIA

agenda