GRCS

Mostrando itens por marcador: Dia do Engenheiro

O presidente da Federação Nacional dos Engenheiros (FNE), Murilo Pinheiro, que também está à frente da CNTU, fala sobre a mobilização da categoria que marca a comemoração do Dia do Engenheiro neste ano, celebrado oficialmente em 11 de dezembro.

Oficialmente celebrado em 11 de dezembro, o Dia do Engenheiro neste ano tem comemoração marcada pela luta desses profissionais por reconhecimento ao seu trabalho e retomada do crescimento econômico. Em entrevista, o presidente da Federação Nacional dos Engenheiros (FNE), Murilo Pinheiro, que também está à frente da CNTU, falou sobre as principais reivindicações da categoria, que incluem respeito ao piso salarial e a implantação de carreira pública de Estado nas três instâncias de governo. Ainda, o dirigente destacou a mobilização por medidas que impulsionem o desenvolvimento nacional traduzido no movimento "Engenharia Unida" e pelo projeto "Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento".


Foto: Beatriz Arruda
MuriloPinheiroEngenhariaUnida 
Murilo Pinheiro fala sobre atuação da FNE durante encontro "Engenharia Unida",
realizado em novembro, em Barra Bonita/SP. 
 

Quais são as principais bandeiras de luta da FNE em defesa dos engenheiros no Brasil?
A FNE luta por remuneração justa e planos de carreira compatíveis com as responsabilidades da categoria, condições de trabalho adequadas e oportunidade de atualização profissional. Essas são as condições básicas e essenciais para que os engenheiros possam desempenhar suas funções a contento e dignamente. Nesse contexto, atuamos pelo cumprimento da Lei 4.950-A/66, que estabelece o salário mínimo profissional definido em nove salários mínimos para jornada de oito horas e em seis para jornada de seis horas. Esta lei é válida para os engenheiros que atuam em regime de CLT, mas também pode e deve ser usada pelas administrações públicas como referência na remuneração dos profissionais estatutários. Nossa federação também vem trabalhando em favor da aprovação do PLC 13/2013, que prevê a carreira pública de Estado para engenheiros e arquitetos nas três instâncias da administração. A medida seria importante fator de valorização profissional, mas principalmente garantiria quadros técnicos qualificados para atuar nos municípios, nos estados e na União. Também muito importante para que o engenheiro tenha oportunidades é que haja crescimento econômico, daí a nossa preocupação em participar do debate público sobre o tema. Isso tem sido feito, desde 2006, por meio do projeto "Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento". E mais recentemente com o movimento “Engenharia Unida”.

O que é o projeto “Cresce Brasil”?
É um projeto que foi lançado em 2006 pela FNE como contribuição a um plano nacional de desenvolvimento, cujas premissas são democracia, preservação ambiental e distribuição de renda. A primeira edição, elaborada num período de estagnação econômica, defendia a possibilidade de retomada do crescimento econômico aos patamares de 6% ao ano. Isso exigia ampliar investimentos públicos e privados para 25% do PIB e promover alterações na política econômica, baixando juros e incentivando a produção. O documento que trazia essas propostas, elaborado a partir do trabalho de consultores em cada um dos temas e de vários seminários em todas as regiões do País com a participação de milhares de profissionais, apontava os gargalos em infraestrutura e o que precisava ser feito. Os temas tratados foram energia, transporte e logística, transporte público e mobilidade, comunicação, saneamento, ciência e tecnologia e agricultura. Desde então, o projeto vem sendo atualizado constantemente e vem abordando aspectos que a FNE considera mais relevantes em cada momento. Entre as várias etapas, estão uma discussão sobre as regiões metropolitanas, a crise financeira de 2008 e como superá-la, os desafios da indústria brasileira e as possibilidades trazidas pela Copa 2014 em termos de aperfeiçoamento da infraestrutura. Neste ano, lançamos um novo documento que foca as cidades, abordando a qualidade de vida da população e o desenvolvimento local. O objetivo foi travar essa discussão por ocasião das eleições municipais e, depois disso, com os prefeitos eleitos. O documento aborda o financiamento dos municípios, habitação, saneamento, mobilidade urbana, iluminação pública e internet pública.

Desde 2006, quais foram as conquistas para a categoria por meio do projeto "Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento"?
O “Cresce Brasil” foi uma importante contribuição da FNE à mobilização pela retomada do crescimento. Como resultado dessa mobilização, o governo federal lançou o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que articulou uma série de obras e projetos de infraestrutura, o que trouxe oportunidade de trabalho e relevância social para a categoria que ficou no ostracismo durante os anos de estagnação. Entre 2003 e 2013, segundo estudo realizado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) a pedido da FNE, o mercado formal para o engenheiro cresceu mais de 87%. E os melhores resultados foram nos anos de maior crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), a partir de 2007. Ou seja, o “Cresce Brasil” trouxe conquistas essenciais à categoria. Lamentavelmente, esse ciclo virtuoso na economia sofreu um recuo. Daí, hoje propormos uma mobilização ainda mais forte unindo o conjunto das entidades da engenharia.

E qual o papel do movimento “Engenharia Unida”?
O movimento “Engenharia Unida” é uma ampla coalizão que reúne os engenheiros e demais profissionais da área tecnológica, por meio dos sindicatos, associações representativas, conselhos profissionais, universidades, empresas e entidades patronais. A proposta é que essa aliança possa oferecer saídas às dificuldades enfrentadas pelo País na atualidade e contribuir com o permanente avanço no futuro. A bandeira principal desse movimento é a retomada do desenvolvimento socioeconômico, contando com a imprescindível valorização da engenharia e dos seus profissionais. Durante o encontro "Engenharia Unida - Mobilização pela retomada do crescimento e valorização dos profissionais”, realizado na cidade de Barra Bonita (SP), nos dias 24, 25 e 26 de novembro, foram afirmados os objetivos do movimento, sintetizados na “Carta de Barra Bonita”.

O que propõe essa coalizão para enfrentar a crise?
Em linhas gerais, é preciso adotar medidas que estimulem a produção e garantam mais produtividade à nossa indústria e valor agregado aos nossos produtos. Isso exige inovação e é uma tarefa da engenharia. Como consequência, é preciso abandonar a lógica de favorecimento ao rentismo, ou seja, os juros altos que remuneram a especulação e desestimulam o investimento produtivo. Também é necessário que o Estado retome os investimentos em infraestrutura para que tenhamos condições melhores de produção e também para movimentar a economia. Um passo importante seria retomar as milhares de obras paradas existentes no País.

Qual a importância do movimento “Engenharia Unida” para as demandas atuais dos profissionais da engenharia?
O movimento “Engenharia Unida”, ao formar uma ampla coalizão de profissionais, tem o potencial de fortalecer a luta e o encaminhamento de reivindicações dos engenheiros e demais profissionais da área tecnológica. Certamente, esse conjunto de muitas vozes unidas será mais facilmente ouvido que cada profissional ou cada entidade atuando isoladamente. Com o mote da retomada do crescimento e valorização dos profissionais, a “Engenharia Unida” traz em sua pauta questões essenciais para a categoria, como o salário mínimo profissional e a carreira pública de Estado.

Na sua avaliação, como devem ser os profissionais de engenharia que vão para o mercado? A FNE atua nesse campo de formação?
Em primeiro lugar, é preciso uma sólida formação, com ensino de excelência. Também, o currículo deve compreender, além das matérias básicas e técnicas, competências que são necessárias para o exercício bem-sucedido da profissão nos dias de hoje. Isso inclui capacidade de trabalho em equipe, espírito empreendedor, capacidade de se comunicar bem. O aluno de engenharia deve aprender a aprender sempre e ser incentivado a criar, fazer, ousar. Também deve desenvolver um profundo senso de responsabilidade social e ambiental. É com essa mão-de-obra que contamos para construir um país avançado. A FNE atua nesse campo debatendo o tema por meio do “Cresce Brasil” e apoiando o Instituto Superior de Inovação e Tecnologia (Isitec), criado e mantido pelo Sindicato dos Engenheiros no Estado de São Paulo (SEESP), que atua dentro dessa perspectiva. Indo para a quarta turma de Engenharia de Inovação no próximo semestre, o projeto tem se mostrado um sucesso.


 

Rita Casaro
Comunicação FNE







O Sindicado dos Engenheiros no Estado de São Paulo (SEESP) realizará na sexta-feira (9/12) a entrega do prémio Personalidade da Tecnologia 2016, agraciando os destaques do ano em suas áreas de atuação. A premiação faz parte das comemorações ao Dia do Engenheiro – 11 de dezembro.

A tradicional homenagem, promovida pelo sindicato desde 1987 aos profissionais que se destacam em sua área de atuação, será realizada às 19h, na sede da entidade sindical, localizada na rua Genebra, 25, em São Paulo.

Em um ano marcado pela crise política e econômica, reveste-se de relevância ímpar o fortalecimento do chamado à “Engenharia Unida”, iniciativa da Federação Nacional dos Engenheiros (FNE), a qual o SEESP é filiado. A "Engenharia Unida" é uma coalizão em torno de propostas, ideias e ações para reverter o quadro atual.


Imagem: Comunicação SEESPPersonalidade Tecnologia 2015 600 larg

 

Ou seja, trata-se da defesa sobre a continuidade e ampliação dos investimentos em infraestrutura, ciência, tecnologia e inovação como respostas à complexa conjuntura atual – tal qual propugna o projeto “Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento”, iniciativa da FNE que tem a adesão do sindicato paulista.


O documento “Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento” é um dos pilares desse posicionamento. Elaborado pela FNE, apresenta diagnóstico da situação nacional e propõe medidas voltadas à superação das dificuldades que o país enfrenta.

Confira abaixo as “Personalidades da Tecnologia 2016”:

Educação – Anderson Ribeiro Correia

Energia – Diomedes Cesário da Silva

Agricultura – Maurício Antônio Lopes

Inovação – Paulo Cezar de Souza e Silva

Defesa da Engenharia – Ronaldo Lessa

Valorização Profissional – Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Campinas


Ao final, será servido coquetel de confraternização. É preciso confirmar presença até esta quinta-feira (8) pelo telefone (11) 3113-2641 ou e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. .


Comunicação SEESP





Como faz tradicionalmente desde 1987, o SEESP celebrou o Dia do Engenheiro – 11 de dezembro – com a entrega do prêmio Personalidade da Tecnologia aos destaques do ano em suas áreas de atuação. Em 2015, foram agraciados os seguintes nomes: Ruy Ohtake (categoria Desenvolvimento urbano), Yaro Burian Jr. (Educação), Valter Pieracciani (Inovação), Miro Teixeira (TI e comunicação), Rodrigo Otaviano Vilaça (Transporte, mobilidade urbana e logística) e Paulo Renato Paim (Valorização profissional) (confira suas trajetórias profissionais em http://goo.gl/uhhJD1).

A cerimônia ocorreu na sede do sindicato, na Capital, e contou com aproximadamente 200 participantes, incluindo autoridades como o ministro da Defesa, Aldo Rebelo, e o deputado estadual Itamar Borges (PCdoB), além de laureados em edições anteriores, entre eles o ex-reitor da Universidade de São Paulo (USP) Antonio Hélio Guerra Vieira.

Em sua 29ª edição, trata-se de reconhecimento a quem contribui ao desenvolvimento nacional e à defesa da profissão, como salientou o presidente do SEESP, Murilo Celso de Campos Pinheiro, ao abrir a solenidade. “Quando damos um prêmio, estamos agradecendo-os pelos benefícios à categoria, ao cidadão e à área tecnológica”, disse. Aldo Rebelo enfatizou: “Essa homenagem tem vários sentidos, entre eles pedagógico, ao educar os jovens e profissionais a seguirem o percurso de quem tem prestado serviços à causa pública.” Ele complementou: “A engenharia é responsável pela construção material do País, da nossa infraestrutura, mas também de valores. Quando uma instituição promove a esperança no desenvolvimento e no progresso, ajuda a criar valores estabilizadores em uma sociedade complexa.” Para Itamar Borges, o conjunto de personalidades “resume a importância da engenharia ao nosso Estado e País”. Na visão da vice-prefeita de Diadema e presidente da Delegacia Sindical do SEESP no Grande ABC, Silvana Guarnieri, “em comum, os premiados estão imbuídos de trazer à nossa sociedade e juventude o Brasil que tanto idealizamos e queremos”.

Coordenador do Conselho Tecnológico do SEESP – responsável pela escolha das áreas e seleção dos nomes indicados pela categoria –, José Roberto Cardoso afirmou: “Essas personalidades são um marco para a engenharia nacional.” No ensejo, aproveitou para dar recado sobre a importância da educação voltada à inovação: “Precisamos dar aos alunos formação que estimule a criatividade e garanta que não se tenha medo de errar. Temos que deixar de ter estudantes como agentes passivos na sala de aula.” Nessa direção, o sindicato criou o Instituto Superior de Inovação e Tecnologia (Isitec), iniciativa lembrada por Rebelo.

A voz dos homenageados
O renomado arquiteto Ruy Ohtake fez coro às lideranças: “A premiação contempla as iniciativas mais criativas e sociais que contribuem ao desenvolvimento tecnológico do País.”

Ele informou ter vencido concurso para inovação em nova edificação da Escola Politécnica da USP. “A ideia é não se satisfazer com produção normal, tem que ser bonito, tem que ter inventividade.”

Já o engenheiro Yaro Burian Jr. brindou os presentes com uma aula sobre a importância da inclusão e inovação na educação. “Terceira indústria aeronáutica do mundo, a Embraer só existe porque alguns visionários acharam que educação era importante e criaram o ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica). Dificilmente se poderia imaginar um investimento melhor do que o ensino. Hoje, um quilo de avião é exportado a US$ 1.363,00, enquanto um quilo de minério de ferro sai por cinco centavos.” De acordo com ele, o Brasil tenta atualmente enfrentar a perda de talentos por falta de educação. Burian citou como ação afirmativa importante nesse sentido a Lei de Cotas, e frisou: “Na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), em que se instituiu programa para inclusão de estudantes provenientes de escolas públicas, com pontos a mais para as minorias tradicionais prejudicadas no País, demonstrou-se que os alunos dessas instituições melhoravam o desempenho em relação ao vestibular. Os resultados são muito bons.”

Também engenheiro, Valter Pieracciani apontou outro desafio nacional: fortalecer a P, D & I (pesquisa, desenvolvimento e inovação). E ratificou a demanda apresentada por Burian, de que se assegure educação voltada à inovação às “crianças menos privilegiadas” – objetivo do projeto “A verdadeira mágica”, por ele idealizado. “Assim poderemos ter centenas de Santos Dumonts.”

A criação do Sistema Brasileiro de TV Digital, desenvolvido quando Miro Teixeira estava à frente do Ministério das Comunicações, foi ressaltada por esse deputado. “Devemos isso a vocês. A inteligência brasileira está presente e vai construir um país melhor.” Na concepção de Rodrigo Vilaça, a responsabilidade é transmitir conhecimento para as novas gerações no sentido de garantir gestores públicos inovadores. O senador Paulo Paim não compareceu à cerimônia. Justificando a ausência, enviou uma carta destacando o apoio à categoria e a defesa “intransigente dos direitos dos trabalhadores e dos discriminados”, em prol de uma nação soberana e igualitária.


* Confira aqui as fotos da solenidade



Soraya Misleh
Imprensa SEESP
Matéria publicada, originalmente, no Jornal do Engenheiro, Edição 487











 

Em mais uma edição comemorativa ao Dia do Engenheiro, o SEESP, como tradicionalmente faz desde 1987, celebra o dia da categoria, nesta sexta-feira (11/12), a partir das 19h, agraciando os profissionais que se destacaram em suas áreas de atuação com o prêmio Personalidade da Tecnologia. Uma homenagem àqueles que, com ousadia e criatividade, colocam o seu saber e dedicação a serviço do avanço-científico, do desenvolvimento e do bem-estar da população brasileira. Passos importantes que fortalecem a batalha cotidiana por valorização profissional – marca da trajetória do sindicato ao longo de mais de oitenta anos de existência. 

O justo reconhecimento a quem faz a diferença mesmo em conjuntura complexa vai ao encontro da defesa do SEESP de que atuar pelo desenvolvimento sustentável com inclusão social, garantindo-se a continuidade e ampliação de investimentos em infraestrutura, é a resposta aos desafios que se apresentam – como propugna o projeto “Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento”, iniciativa da Federação Nacional dos Engenheiros (FNE).

Em meio à celebração, o chamado é pela Engenharia Unida rumo à retomada do necessário crescimento socioeconômico. 

A entrega do prêmio Personalidade da Tecnologia será na sede do SEESP, na Capital paulista (Rua Genebra, 25, Bela Vista), aos seguintes profissionais:

Ruy Ohtake (Desenvolvimento urbano)
Formado pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP) em 1960, tem diversos livros publicados e prêmios recebidos, além de ter vencido concursos. Entre os projetos arquitetônicos de sua autoria estão diversos em Heliópolis, comunidade periférica da Capital paulista. Também nessa cidade têm sua  assinatura o Instituto Cultural Tomie Ohtake, o Centro de Memória e Cultura USP Leste, o Hotel Renaissance (Prêmio Master 1996 – Fiabci/Secovi), o Hotel Unique (considerado pela revista Condè Nast Traveler, em artigo do crítico internacional de arquitetura, Paul Goldberger, como uma das sete maravilhas do mundo moderno).  Compõem ainda o extenso rol, entre outros, o Aquário do Pantanal, em Campo Grande (MS); a Embaixada do Brasil em Tóquio, Japão; o Hotel Golden Tulip Brasília Alvorada, na Capital Federal; e o Centro Cultural de Jacareí (SP). Cinco originais de seus projetos integram o acervo do Museu Pompidou, em Paris.

Yaro Burian Júnior (Educação)
Engenheiro e mestre em Ciências pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) em 1962 e 1964. Obteve o doutorado de Estado pela Universidade de Toulouse, França, em 1968. Professor do ITA de 1963 a 1971 e da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) na Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação de 1971 até se aposentar em 2010, sendo hoje professor colaborador nessa instituição. Orientou vários mestrados e doutorados na Engenharia Elétrica da Unicamp. Publicou livros e artigos em periódicos científicos, tendo sido pesquisador conferencista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Violinista, foi diretor do Instituto de Artes da Unicamp. Recebeu vários prêmios, como o de melhor aluno do curso profissional (Prêmio Prof. R. R. Wallauschek, ITA, 1962), a Bolsa Zeferino Vaz de Reconhecimento Acadêmico (Unicamp, 1992 e 1993), Homenagem pela contribuição à Engenharia Elétrica Nacional, por ocasião da Semana James C. Maxwell ‘Momento Magnético’ (Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, 2006).

Valter Pieracciane (Inovação)
Engenheiro, administrador, industrial, empresário, consultor, pesquisador e escritor, é especialista em inovação. Criou e patenteou produtos e modelos inovadores de gestão. Em 1992, fundou a Pieracciani Desenvolvimento de Empresas, da qual é sócio-diretor. Dirigiu mais de 500 projetos em companhias-líderes como Nestlé, Ambev, Tetrapak, Pirelli e Avon. Atua como gestor de start-up e recuperação de empresas. Foi diretor-geral da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), estando à frente da histórica recuperação da entidade. Por mais de dez anos, serviu os governos municipal, estadual e federal. Iniciou sua carreira em 1978 na área de P&D. Autor dos livros “Usina de Inovações” e “Qualidade não é mito e dá certo”, foi criador do projeto “A verdadeira mágica”, em que a educação é voltada à inovação e a crianças de comunidades carentes. É coordenador de projetos sênior do Centro Latino-Americano para a Inovação, Excelência e Qualidade (Claeq).

Miro Teixeira (TI e comunicação)
Advogado e jornalista, foi ministro das Comunicações no primeiro Governo Lula, de janeiro de 2003 a janeiro de 2004. Atualmente é deputado federal, membro da Comissão de Finanças e Tributação, estando à frente da Subcomissão Especial de Consolidação da Legislação do Sistema Financeiro, e é relator da Comissão Mista de Consolidação das Leis no que concerne às Leis Penais. É um dos criadores do Partido da Rede Sustentabilidade. É constituinte de 1988. Em 1989 criou a comissão encarregada de ajustar à legislação brasileira a colaboração premiada. Subscreveu o projeto da Lei da Ficha Limpa e revogou no Supremo Tribunal Federal a Lei de Imprensa. Entre os projetos de sua autoria, destaca-se o do novo Código de Processo Penal. Compôs Comissão Mista destinada a consolidar a legislação federal e a regulamentar dispositivos da Constituição Federal. Integrou ainda a Subcomissão Especial de Reforma Política e diversas comissões, presidindo a de Economia, Indústria e Comércio.

Rodrigo Otaviano Vilaça (Transporte, mobilidade urbana e logística)
Formado em administração de empresas e MBA em gestão empresarial, com diversas especializações, como em transporte, logística empresarial e ferroviária (essa última feita na Bélgica). Esteve durante 11 anos à frente da Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários (ANTF) e hoje atua como diretor executivo da Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos (ANPTrilhos). É ainda vice-presidente de Relações Institucionais da Associação Brasileira de Logística (Abralog), presidente da Seção Ferroviária da Confederação Nacional do Transporte (CNT), sócio-diretor da empresa de consultoria RV Soluções Logísticas, conselheiro na Companhia Estadual de Engenharia de Transportes e Logística do Estado do Rio de Janeiro (Central), na Companhia do Metropolitano do Distrito Federal (Metrô DF) e na Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulo (CDHU).

Senador Paulo Renato Paim (Valorização profissional)
Em seu segundo mandato como senador, é presidente da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa. Operário, metalúrgico e líder sindical, foi deputado federal por quatro mandatos. Defensor dos direitos humanos e contra qualquer tipo de discriminação, é autor de uma série de leis nesse sentido, entre elas a que define racismo como crime inafiançável, as que instituem os estatutos da Igualdade Racial e do Idoso, bem como do projeto relativo aos Estatuto da Pessoa com Deficiência. Foi relator da chamada Lei de Cotas. Aprovou mais de 60 propostas de sua autoria em defesa dos trabalhadores e dos aposentados no Senado, como o fim do fator previdenciário, uma política permanente para o salário mínimo e o mesmo reajuste para os beneficiários da Previdência. Figura na lista do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) como o único parlamentar na Câmara e no Senado a receber o prêmio os “Cem Cabeças do Congresso” em todos os anos.

 

 

 

Imprensa SEESP

 

 

 

 

 

 

Como tradicionalmente ocorre todos os anos, desde 1995, a Câmara Municipal de Santo André, no ABC Paulista, realizou, no dia 10 de novembro último, ato em comemoração ao Dia do Engenheiro. O evento foi presidido pelo vereador Almir Cicote (PSB) e, desta vez, homenageou o primeiro vice-presidente da Delegacia Sindical do SEESP no Grande ABC Sérgio Scuotto.


Fotos: Beatriz Arruda/SEESP
IMG 1335 editada 
Scuotto recebe a homenagem das mãos da presidente Silvana Guarnieri, da delegacia sindical
 

A data que celebra o Dia do Engenheiro é comemorada em 11 de dezembro, quando, em 1933, o decreto 23.569 regulamentou as profissões de engenheiro, arquiteto e agrimensor no País. Hoje, no Brasil, a engenharia recupera seu espaço nos grandes projetos de desenvolvimento nacional e é apontada como fundamental para o crescimento do País.

Homenageado
Sérgio Scuotto é formado em Engenharia Mecânica (1975) e mestrado em Engenharia Mecânica (2013) pelo Centro Universitário da FEI. Trabalhou na CAIO (1976 a 1977) como engenheiro de produção e na Volkswagen do Brasil Ltda. (1978 a 2003) como engenheiro de desenvolvimento do produto, com atuação na área de testes e ensaios para carroçarias completas e peças de plástico, e auditor de fornecedores na área de laboratórios de testes e ensaios. Ainda nessa empresa era o engenheiro responsável para o desenvolvimento de veículos especiais (blindados, ambulâncias e outros). Atuou, e permanece ainda, na área de ensino como professor de Desenho Técnico e Elementos de Máquinas no Senai (1976 a 1980), como professor de Matemática na rede estadual de ensino (SP) de 1970 a 1972  e, atualmente, como professor no curso de Fabricação Mecânica na Faculdade de Tecnologia de São Paulo (Fatec), na cidade de Mauá. Foi fundador, em 1991, junto com um grupo de jovens engenheiros idealistas, da Delegacia Sindical do SEESP, no Grande ABC, e desde então tem se dedicado à defesa dos profissionais engenheiros, e com o fortalecimento da engenharia. Foi presidente por duas gestões. 




Rosângela Ribeiro Gil
Imprensa SEESP









 

Em grande estilo e numa cerimônia concorrida, o SEESP comemorou o Dia do Engenheiro concedendo o Prêmio Personalidade da Tecnologia 2014, em sua 28ª edição, a seis profissionais, na noite desta quinta-feira (11/12), no teatro do Maksoud Plaza, na Capital paulista. A honraria é entregue aos que se destacam pela ousadia e criatividade na execução de seus trabalhos a serviço do desenvolvimento, avanço técnico-científico e bem estar da população. Foram agraciados Alberto Issamu Honda (categoria Educação); Demi Getschko (Internet); Roberto Pereira D’Araujo (Energia); Luciano Galvão Coutinho (Reindustrialização); Fernando Santos-Reis (Reuso da água), representado, no evento, por Newton Lima Azevedo; e o ministro do Esporte Aldo Rebelo (Valorização Profissional).


Foto: Beatriz Arruda
Dia Engenheiro 2014 1 
Evento foi prestigiado por autoridades e profissionais 


O presidente do sindicato, Murilo Celso de Campos Pinheiro, falou da importância da premiação para valorizar os profissionais que estão engajados na construção de um país desenvolvido econômica e socialmente, gerando, assim, justiça social para todos. O ministro do Esporte disse que se sentia honrado e com uma grande responsabilidade ao receber o prêmio “dos verdadeiros construtores do Brasil”, lembrando que a Copa do Mundo 2014 e as Olimpíadas 2016 são dois eventos que põem a prova o talento e a capacidade da engenharia nacional. “E vimos que os nossos profissionais reúnem competência e eficiência para grandes eventos, sendo exemplo, inclusive, para o mundo”, parabenizou.

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, ao receber o prêmio, relacionou alguns desafios da indústria nacional, que se defronta com a concorrência internacional muito acirrada, entre eles: avançar na tecnologia empregada, com mais automação industrial; mudar o perfil do trabalhador na sua qualificação profissional; estar mais conectada ao mundo digital tanta na sua cadeia de fornecimento como na distribuição dos seus produtos; dar um salto de produtividade, eficiência e qualidade e melhorar o sistema logístico e de suprimentos. Todavia, ele acredita que o setor será vencedor, adotando, inclusive, uma estratégia de exportação muito mais consistente com o suporte de políticas econômicas do governo para recuperar a posição do produto brasileiro no comércio internacional.

Agraciado na categoria energia no ano 2000, Ildo Luís Sauer, engenheiro civil e professor do Instituto de Eletrotécnica e Energia da Universidade de São Paulo (IEE/USP), ressaltou que a iniciativa do sindicato se tornou um ícone nacional do reconhecimento à atuação de personalidades vinculadas aos campos da tecnologia. “Essa sequência de décadas do prêmio representa, hoje, um estímulo ao trabalho e à perseverança em relação à construção de um novo Brasil, mais produtivo, inclusivo e justo socialmente.”

Além dos agraciados, compuseram a mesa da solenidade o prefeito de Pompéia, Oscar Norio Yasuda, o secretário de Transportes Metropolitanos do Estado de São Paulo, Jurandir Fernandes e os deputados federal Arnaldo Jardim (PPS) e estadual Itamar Borges (PMDB), e o coordenador do Conselho Tecnológico do SEESP, José Roberto Cardoso, professor da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP). Na sequência à solenidade, o público foi presenteado com um show do cantor Erasmo Carlos.


 

Rosângela Ribeiro Gil
Imprensa SEESP










Uma grande festa irá marcar a comemoração ao Dia do Engenheiro, nesta quinta-feira (11/12), na Capital paulista. O evento encerrará o ano que foi muito especial para a categoria: os 80 anos da fundação do SEESP e as cinco décadas de existência da Federação Nacional dos Engenheiros (FNE). Na data, o sindicato homenageia, como faz anualmente desde 1987, os profissionais da área com o prêmio "Personalidade da Tecnologia 2014".

A premiação presta reconhecimento aos profissionais que se destacam pela ousadia e criatividade na execução de seus trabalhos a serviço do desenvolvimento, avanço técnico-científico e bem estar da população. Nesta edição, serão agraciados: Alberto Issamu Honda (categoria Educação); Demi Getschko (categoria Internet); Roberto Pereira D’Araujo (categoria Energia); Luciano Galvão Coutinho (categoria Reindustrialização); Fernando Santos-Reis (categoria Reuso da água); e José Aldo Rebelo Figueiredo (categoria Valorização Profissional). O evento será realizado no Teatro Maksoud Plaza, a partir das 18h30.


Foto: Beatriz Arruda
Prêmio 2 Prêmio Personalidade da Tecnologia homenageia profissionais que se destacaram em suas áreas


Ao mesmo tempo, o sindicato divulga estudo realizado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) que mostra uma expansão de 80% nas contratações de engenheiros, no período de 2003-2013, no Brasil. O resultado é muito superior ao crescimento do emprego geral no País, que foi de 20%, e em São Paulo, de 60%, no mesmo período. Com base em dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), a pesquisa mostra que o número de empregados sob contrato regido pela Consolidação das Leis de Trabalho (CLT) ou estatutários subiu de 51.312 para 92.478. O "Perfil Ocupacional dos profissionais da engenharia com vínculo formal no Estado de São Paulo" demonstra que a evolução do emprego formal na engenharia foi contínua, com maior aceleração em 2007 (8,89%), 2008 (9,65%) e 2010 (8,98%). 

O estudo detalha também a principal área de atuação dos engenheiros: a indústria de transformação, que associada aos serviços industriais responde por 40% dos engenheiros ocupados. Em seguida, vêm serviços (30%) e construção civil (13%). 

Destaque também para os engenheiros de computação que registraram crescimento de 208% neste período. A análise do Dieese demonstra ainda uma maior igualdade de gênero na profissão. As mulheres continuam sendo minoria, mas em 2013 chegaram a 19% dos empregados formais, somando 17.875. Em 2003, eram 7.829 e representavam 15%. Além disso, a remuneração feminina, que correspondia a 75% da masculina, passou a 81%. O crescimento do emprego teve também impacto positivo sobre o salário da categoria, que obteve ganhos reais médios de 17% entre 2003 e 2013, subindo de R$ 7.722,60 para R$ 9.023,80.

Recuperar a indústria nacional
Esses são também os anos de melhor desempenho da economia nacional, quando várias iniciativas defendidas pela FNE foram postas em andamento. "Esse apanhado geral demonstra o acerto em se optar pelo desenvolvimento. É, portanto, o caminho que deve ser mantido, com a necessidade óbvia de aprimoramentos. Por exemplo, é urgente recuperar a indústria nacional para que continuemos a gerar empregos e ampliar a renda dos trabalhadores. Também está claro que precisamos garantir o controle fiscal e da inflação, mas jamais ao preço de paralisar o País. É necessário seguir adiante", declarou Murilo Celso de Campos Pinheiro, presidente do SEESP e da FNE.


 

Imprensa SEESP









Em 11 de novembro último, a Câmara Municipal de Santo André celebrou o Dia do Engenheiro e prestou homenagem a presidente da Delegacia Sindical do SEESP no Grande ABC, Silvana Guarnieri, pela sua atuação profissional e social e relevantes serviços prestados na região. O evento teve a realização conjunta da delegacia e as associações de Engenheiros e Arquitetos do ABC, Santo André e São Caetano do Sul. A data em comemoração ao profissional, que atua em diversas áreas, é 11 de dezembro, quando, em 1933, o decreto 23.569 regulamentou as profissões de engenheiro, arquiteto e agrimensor no País.


Fotos: Beatriz Arruda
Silvana Guarnieri 2014 Silvana Guarnieri recebe homenagem da Câmara Municipal de Santo André
na celebração ao Dia do Engenheiro. Confira mais fotos do evento aqui


Engenheira civil formada pelo Instituto de Ensino de Engenharia Paulista (Ieep), com especialização em saneamento básico, Guarnieri foi eleita vice-prefeita de Diadema para a gestão 2013-2016 e iniciou sua militância sindical em 1990. Em entrevista à Confederação Nacional dos Trabalhadores Liberais Universitários Regulamentados (CNTU), em março deste ano, Guarnieri destacou que a sensibilidade e o grande poder de negociação fazem a diferença onde a mulher atua, seja na política, no meio profissional ou no movimento sindical. Engenheira civil formada há 30 anos, ela entrou no mercado de trabalho quando a área passava por muitos problemas, como a falta de investimento em obras de infraestrutura. Todavia, não sentiu dificuldade em ingressar na profissão e o seu primeiro emprego foi na então Secretaria de Negócios Metropolitanos do Estado de São Paulo.

Ao longo de sua carreira, trabalhou como gerente de contrato e responsável técnica em empresas da região do ABC e das cidades paulistas de Piracicaba e Santos. Também ocupou o cargo de diretoria técnica da Emparsanco S/A e da Belém Ambiental S/A, na cidade de Belém (PA), sempre na área de limpeza urbana,d e 1998 a 2002. É membro do Conselho de Obras da Fraternidade Secular Mensageiros do Espírito Santo desde 2000.


 

Rosângela Ribeiro Gil
Imprensa SEESP








A Delegacia Sindical do SEESP, no Grande ABC, e as associações de Engenheiros e Arquitetos do ABC, Santo André e São Caetano do Sul, e a Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul celebram o Dia do Engenheiro em cerimônia na Câmara Municipal de Santo André, no dia 12 de novembro próximo, às 19h, quando prestarão homenagem ao engenheiro Antonio Sérgio Liporoni. A data em comemoração ao profissional, que atua em diversas áreas, é 11 de dezembro, quando, em 1933, o decreto 23.569 regulamentou as profissões de engenheiro, arquiteto e agrimensor no País.

Hoje, no Brasil, depois de décadas de desvalorização, a engenharia recupera seu espaço nos grandes projetos de desenvolvimento nacional e é apontada como fundamental para o crescimento brasileiro.

A Câmara Municipal de Santo André fica na Praça IV Centenário, 1, Centro).




PersonalidadeSolenidadedentroComo tradicionalmente ocorre, o sindicato entregou o prêmio Personalidade da Tecnologia neste 11 de dezembro – Dia do Engenheiro – a seis profissionais de excelência em suas áreas de atuação. A solenidade aconteceu no auditório da entidade, na Capital paulista. Foram agraciados nesta 26ª edição: José Roberto Postali Parra (Agricultura), Denise Consonni (categoria Educação em Engenharia), Lair Alberto Soares Krähenbühl (Habitação), Silvia Guerra Vieira Lundwall (Inovação), Plínio Oswaldo Assmann (Transporte urbano) e Murilo Celso de Campos Pinheiro (Valorização profissional). 

* Veja aqui as fotos da solenidade 

À abertura, o coordenador do Conselho Tecnológico do sindicato, José Roberto Cardoso, diretor da Poli-USP (Escola Politécnica da Universidade de São Paulo), pediu uma salva de palmas à profissão pelo seu dia, “responsável pelo aumento da qualidade de vida da população”. E apontou que a escolha dos nomes homenageados levou em conta o esforço para se assegurar a nova engenharia necessária neste século XXI e a ousadia em momentos difíceis. “A geração atual tem habilidades completamente distintas das da época em que me formei, na década de 1970. Engenharia passou a ser trabalho de equipe. Hoje, o que existe é o Departamento de Desenvolvimento, em que está presente todo tipo de profissional. O produto é globalizado, é preciso ter habilidades de comunicação, ter noções de economia e cultura de outros países.” Com esse novo perfil, é necessário ampliar o número de formados em âmbito nacional, como lembrou no ensejo Edgar Horny, presidente da VDI-Brasil (Associação de Engenheiros Brasil-Alemanha). Como estímulo para tanto, afirmou, “nada melhor que exemplos, como são os homenageados de hoje”. 

Também compuseram a mesa de abertura o diretor-geral do Isitec (Instituto Superior de Inovação e Tecnologia), Antonio Octaviano, o secretário estadual de Saneamento e Recursos Hídricos de São Paulo, Edson Giriboni, representando o governador Geraldo Alckmin, e o vereador Eliseu Gabriel (PSB), que estará à frente da Secretaria Municipal do Desenvolvimento Econômico e do Trabalho e do Microempreendedor Individual na gestão do prefeito eleito da Capital, Fernando Haddad. 

Com a palavra, os premiados
Primeiro a receber a homenagem, José Roberto Postali Parra destacou a importância da engenharia para o sucesso do agronegócio no País, “sustentáculo de sua economia”. O setor, frisou, representa 23% do PIB (Produto Interno Bruto), 36% das exportações nacionais e 40% dos empregos gerados. “Somos líderes em agricultura tropical e ano a ano vimos vencendo desafios, sempre graças à tecnologia desenvolvida por pesquisadores brasileiros”, ratificou. Esse trabalho, continuou, garantiu que o País alcançasse 160 milhões de toneladas de grãos sem praticamente aumentar a área agrícola. “Temos grande número de mestres e doutores e estamos na 13ª posição do mundo em número de artigos científicos publicados. Talvez minha atuação na capacitação de recursos humanos tenha sido o motivo da escolha de meu nome para essa premiação. Formei muitos jovens para manejo integrado de pragas e controle biológico e quase 100 pós-graduados. Diante desse privilégio, a sensação cristalina é de dever cumprido.” 

Parabenizando o SEESP pelo destaque que vem dando à educação, seja valorizando profissionais que se dedicam ao tema, seja pela criação do Isitec, Denise Consonni também discursou acerca de sua área de atuação. Lembrando os desafios atuais, indicados por Cardoso, ela ressaltou: “Está em pauta a reformulação de conteúdos e currículos. A forma de obter informação é compartimentada num mundo globalizado.” Para a premiada, as velhas formas de ensino precisam ser revistas, senão “certamente estaremos formando engenheiros obsoletos já em sua colação de grau”. Consonni apontou algumas direções, como assegurar o ensino interdisciplinar, integrando áreas tecnológicas e humanas; promover engenharias temáticas, como energia, gestão ambiental, aeroespacial, biomédica, de informação, entre as quais os profissionais devem ser capazes de transitar; e desenvolver processo de aprendizagem mais dinâmico e pragmático; integrar ensino, pesquisa e extensão; e incentivar o empreendedorismo e a educação continuada. “O papel do educador deve ser ensinar a aprender”, concluiu. 

Lair Krähenbülh classificou a indicação do seu nome para Personalidade da Tecnologia como resultado da iniciativa arrojada de fazer imóveis com acessibilidade a deficientes físicos, gestantes, obesos e idosos.  Ousadia e inovação também asseguraram o prêmio a Silvia Guerra Vieira Lundwall, representada na ocasião pelo seu irmão Felipe Guerra. Em carta lida por ele, a agraciada lembrou desses aspectos na sua atuação profissional e dedicou a homenagem ao seu pai, Hélio Guerra, ex-reitor da USP (Universidade de São Paulo). Já Plínio Oswaldo Assmann salientou ser a mobilidade a principal questão a ser trabalhada no Brasil hoje e a importância da tecnologia para assegurá-la. 

Presidente do SEESP, Murilo Celso de Campos Pinheiro dedicou o prêmio a toda a equipe de diretores e colaboradores não só dessa entidade, mas também da FNE (Federação Nacional dos Engenheiros) e da CNTU (Confederação Nacional dos Trabalhadores Liberais Universitários Regulamentados) – que também comanda –, pelo trabalho que vem sendo feito. “Não tinha o direito de não recebê-lo, é de vocês”, salientou. 

Conheça as Personalidades da Tecnologia 2012

José Roberto Postali Parra
Agricultura 

Engenheiro agrônomo formado pela Esalq/USP (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo) em 1968, é mestre e doutor pela mesma instituição. Pós-doutorado pela Universidade de Illinois, EUA, em 1978, tornou-se livre-docente em 1981, professor associado em 1982 e titular em 1999. Iniciou sua atividade profissional no IAC (Instituto Agronômico de Campinas), atuando no setor de entomologia de 1969 a 1974. Naquele ano, transferiu-se para a Esalq/USP para trabalhar na mesma área, permanecendo até hoje. Bolsista de produtividade em pesquisa – 1A do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), assumiu, a partir de 2007, o cargo de coordenador adjunto da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), na área de ciências da vida. Eleito titular da Academia Brasileira de Ciências em 2000 e da The Academy of Sciences for the Developing World em 2002, recebeu diversas distinções. Com extensa produção científica, reúne 276 trabalhos publicados.

Denise Consonni
Educação em Engenharia

Engenheira eletricista na modalidade Eletrônica-Telecomunicações, formada em 1978 pela Escola Politécnica da USP (Universidade de São Paulo), obteve os títulos MSc (Master of Science) pelo University College London, RU, em 1980, e PhD (Philosophiæ Doctor) pela University of Leeds, RU, em 1986, ambos em Engenharia de Micro-ondas. Foi professora-doutora do Departamento de Engenharia de Sistemas Eletrônicos e coordenadora das disciplinas de Eletricidade Básica do curso de Engenharia Elétrica da Poli-USP. Pesquisadora do Laboratório de Microeletrônica nessa escola, atuou em pós-graduação na área de Circuitos Integrados de Micro-ondas e Sistemas de Medidas em Micro-ondas. Atualmente é professora titular nas áreas de Micro-ondas e Circuitos Elétricos da Universidade Federal do ABC. Desde 2010 ocupa o cargo de assessora acadêmica da Pró-reitoria de Graduação nessa instituição. Reúne publicações em livros relativas à educação na área, à produção de conhecimento e tecnologia.

LAIR ALBERTO SOARES KRÄHENBÜHL
Habitação 

Engenheiro civil formado pela Escola de Engenharia Mauá em 1974, tem ampla experiência profissional. É diretor técnico da Consurb S.A. desde 1975. É também diretor-coordenador do Núcleo Estratégico Legislativo do Secovi (Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Incorporação e Loteamento). Desempenhou inúmeras atividades junto aos governos federal, estadual e municipal. Entre os cargos ocupados, foi secretário Municipal da Habitação de São Paulo de 1993 a início de 1999 e Estadual de 2007 a 2010, além de presidente da CDHU (Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado). Na representação empresarial, foi presidente nacional da Comissão da Indústria Imobiliária da CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção) por várias gestões. É professor de pós-graduação da Faap (Fundação Armando Álvares Penteado) desde 2000. Autor do livro “Trajetória de um profissional da habitação, publicado pela Editora Pini, tem dezenas de artigos publicados. Recebeu uma série de premiações. 

Silvia Guerra Vieira Lundwall
Inovação 

Engenheira de Produção pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, é mestre e doutora pela Ecole Centrale Paris. O tema principal de sua pesquisa e trabalho é gestão da inovação tecnológica. Em 1997 criou o Laboratoire Osler, em Paris, desenvolvendo repelentes baseados em evidências médicas. Insect Ecran, a marca francesa desse conjunto de produtos, é proteção padrão do exército francês há mais de dez anos contra insetos e atualmente líder com 30% de participação do mercado. Hoje, é sócia do Laboratório Osler do Brasil, que produz e comercializa desde 2005 a linha de repelentes de alta eficácia Exposis, recomendados por médicos e adotados por empresas de porte. É também sócia da Tropical Concept, que comercializa a linha de repelentes NoBite há mais de dez anos na Alemanha, Áustria e Suíça, sendo utilizada pelos exércitos desses países. Essas empresas preparam a expansão das atividades para Noruega, Espanha, Canadá e América do Sul. 

Plínio Oswaldo Assmann
Transporte urbano 

Engenheiro mecânico-eletricista graduado pela Escola Politécnica da USP (Universidade de São Paulo) e administrador de empresas. Foi secretário estadual de Transportes de São Paulo no Governo Mário Covas e presidente do Instituto de Engenharia. Exerceu diversas atividades públicas e privadas, como secretário dos Transportes do Estado de São Paulo, diretor-superintendente do IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo), presidente da Companhia do Metropolitano de São Paulo durante a construção e implantação da operação da primeira linha de metrô do Brasil e início da segunda, bem como das Indústrias de Papel Simão de São Paulo e da Cosipa (Companhia Siderúrgica Paulista). Esteve à frente ainda do Conselho da Companhia do Metrô do Rio de Janeiro. Além disso, foi fundador e primeiro presidente da ANTP (Associação Nacional de Transportes Públicos). Atualmente, é consultor em engenharia de transportes. 

Murilo Celso de Campos Pinheiro
Valorização profissional 

Engenheiro eletricista formado em 1978, com especialização em Sistemas de Aterramento, iniciou sua carreira na Cesp (Companhia Energética de São Paulo) em 1980. Após a cisão da empresa, passou a atuar na Cteep (Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista), sendo hoje assessor da Presidência, licenciado para a atividade sindical. Presidente do Sindicato dos Engenheiros no Estado de São Paulo desde 2001, vem trabalhando pelo seu aprimoramento, bem como expansão do quadro de associados, que já passam dos 50 mil, capacidade de negociação com as empresas e inserção política e institucional da entidade. No comando da FNE (Federação Nacional dos Engenheiros) desde 2004, idealizou o projeto “Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento”, grande instrumento de mobilização da categoria pelo desenvolvimento nacional sustentável. Na luta pela valorização profissional, liderou a criação da CNTU (Confederação Nacional dos Trabalhadores Liberais Universitários Regulamentados), da qual está à frente.

 

Soraya Misleh
Imprensa - SEESP
Fotos: Beatriz Arruda 



PersonalidadeTecnologia1Em comemoração ao Dia do Engenheiro – 11 de dezembro –, o SEESP concede o prêmio Personalidade da Tecnologia 2012 aos profissionais que se destacaram em suas áreas de atuação. A homenagem é feita anualmente desde 1987 àqueles que colocam seu saber e dedicação a serviço do avanço científico e tecnológico, do desenvolvimento nacional e do bem-estar da população brasileira.

Em sua 26ª edição, os agraciados são não só profissionais de grande capacidade, mas também homens de espírito público e compromisso com o interesse coletivo. Indivíduos que já demonstraram ser possível vencer desafios e superar obstáculos com inteligência, criatividade e coragem. São eles: Denise Consonni (Educação em Engenharia), Lair Alberto Soares Krähenbühl (Habitação), Plínio Oswaldo Assmann (Transporte urbano), Silvia Guerra Vieira Lundwall (Inovação), José Roberto Postali Parra (Agricultura) e Murilo Celso de Campos Pinheiro (Valorização profissional). A cerimônia será a partir das 19h30, na sede do SEESP, na Capital paulista.

* O evento terá transmissão ao vivo neste link

Personalidades 2012

Agricultura
José Roberto Postali Parra

ParraEngenheiro agrônomo formado pela Esalq/USP (Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” da Universidade de São Paulo) em 1968, é mestre e doutor pela mesma instituição. Pós-doutorado pela Universidade de Illinois, EUA, em 1978, tornou-se livre-docente em 1981, professor associado em 1982 e titular em 1999. Iniciou sua atividade profissional no IAC (Instituto Agronômico de Campinas), atuando no setor de entomologia de 1969 a 1974. Naquele ano, transferiu-se para a Esalq/USP para trabalhar na mesma área, permanecendo até hoje. Bolsista de produtividade em pesquisa – 1A do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), assumiu, a partir de 2007, o cargo de coordenador adjunto da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), na área de ciências da vida. Eleito titular da Academia Brasileira de Ciências em 2000 e da The Academy of Sciences for the Developing World em 2002, recebeu diversas distinções. Com extensa produção científica, reúne 276 trabalhos publicados.

Educação em Engenharia
Denise Consonni

DeniseEngenheira eletricista na modalidade Eletrônica-Telecomunicações, formada em 1978 pela Escola Politécnica da USP (Universidade de São Paulo), obteve os títulos MSc (Master of Science) pelo University College London, RU, em 1980, e PhD (Philosophiæ Doctor) pela University of Leeds, RU, em 1986, ambos em Engenharia de Micro-ondas. Foi professora-doutora do Departamento de Engenharia de Sistemas Eletrônicos e coordenadora das disciplinas de Eletricidade Básica do curso de Engenharia Elétrica da Poli-USP. Pesquisadora do Laboratório de Microeletrônica nessa escola, atuou em pós-graduação na área de Circuitos Integrados de Micro-ondas e Sistemas de Medidas em Micro-ondas.  Atualmente é professora titular nas áreas de Micro-ondas e Circuitos Elétricos da Universidade Federal do ABC. Desde 2010 ocupa o cargo de assessora acadêmica da Pró-reitoria de Graduação nessa instituição. Reúne publicações em livros relativas à educação na área, à produção de conhecimento e tecnologia.

Habitação
Lair Alberto Soares Krähenbühl

LairEngenheiro civil formado pela Escola de Engenharia Mauá em 1974, tem ampla experiência profissional. É diretor técnico da Consurb S.A. desde 1975. É também diretor-coordenador do Núcleo Estratégico Legislativo do Secovi (Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais e Comerciais de São Paulo). Desempenhou inúmeras atividades junto aos governos federal, estadual e municipal. Entre os cargos ocupados, foi secretário Municipal da Habitação de São Paulo de 1993 a início de 1999 e Estadual de 2007 a 2010, além de presidente da CDHU (Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado). Na representação empresarial, foi presidente nacional da Comissão da Indústria Imobiliária da CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção) por várias gestões. É professor de pós-graduação da Faap (Fundação Armando Álvares Penteado) desde 2000. Autor do livro “Trajetória de um profissional da habitação” (Editora Pini), tem dezenas de artigos publicados. Recebeu uma série de premiações.

Inovação
Silvia Guerra Vieira Lundwall

SilviaEngenheira de Produção pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, é mestre e doutora pela Ecole Centrale Paris. O tema principal de sua pesquisa e trabalho é gestão da inovação tecnológica. Em 1997 criou o Laboratoire Osler, em Paris, desenvolvendo repelentes baseados em evidências médicas. Insect Ecran, a marca francesa desse conjunto de produtos, é proteção padrão do exército francês há mais de dez anos contra insetos e atualmente líder com 30% de participação do mercado. Hoje, é sócia do Laboratório Osler do Brasil, que produz desde 2005 a linha de repelentes de alta eficácia Exposis, recomendados por médicos e adotados por empresas de porte. É também sócia da Tropical Concept, que comercializa a linha de repelentes NoBite há mais de dez anos na Alemanha, Áustria e Suíça, sendo utilizada pelos exércitos desses países. Essas empresas preparam a expansão das atividades para Noruega, Espanha, Canadá e América do Sul.

Transporte Urbano
Plínio Oswaldo Assmann

PlinioEngenheiro mecânico-eletricista graduado pela Escola Politécnica da USP (Universidade de São Paulo) e administrador de empresas. Exerceu diversas atividades públicas e privadas, como secretário Estadual dos Transportes no Governo Mário Covas, diretor-superintendente do IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo), presidente da Companhia do Metropolitano de São Paulo durante a construção e implantação da operação da primeira linha de metrô do Brasil e início da segunda, bem como das Indústrias de Papel Simão de São Paulo e da Cosipa (Companhia Siderúrgica Paulista). Esteve à frente ainda do Conselho da Companhia do Metrô do Rio de Janeiro.  Além disso, foi presidente do Instituto de Engenharia, fundador e primeiro presidente da ANTP (Associação Nacional de Transportes Públicos). Atualmente, é consultor em engenharia de transportes.


Valorização Profissional
Murilo Celso de Campos Pinheiro

MuriloEngenheiro eletricista formado em 1978, com especialização em Sistemas de Aterramento, iniciou sua carreira na Cesp (Companhia Energética de São Paulo) em 1980. Após a cisão da empresa, passou a atuar na Cteep (Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista), sendo hoje assessor da Presidência, licenciado para a atividade sindical. Presidente do Sindicato dos Engenheiros no Estado de São Paulo desde 2001, vem trabalhando pelo seu aprimoramento, bem como expansão do quadro de associados, que já passam dos 50 mil, capacidade de negociação com as empresas e inserção política e institucional da entidade. No comando da FNE (Federação Nacional dos Engenheiros) desde 2004, idealizou o projeto “Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento”, grande instrumento de mobilização da categoria pelo desenvolvimento nacional sustentável. Na luta pela valorização profissional, liderou a criação da CNTU (Confederação Nacional dos Trabalhadores Liberais Universitários Regulamentados), da qual está à frente.

Rosângela Ribeiro Gil
Imprensa – SEESP



A Delegacia Sindical do SEESP, no Grande ABC, e as associações de Engenheiros e Arquitetos do ABC, Santo André, São Caetano do Sul, Ribeirão Pires e Diadema, celebram o Dia do Engenheiro em cerimônia na Câmara Municipal de Santo André no dia 13 próximo (terça-feira), às 19h. A data em comemoração ao profissional, que atua em diversas áreas, é 11 de dezembro, quando, em 1933, o decreto 23.569 regulamentou as profissões de engenheiro, arquiteto e agrimensor no País.

Hoje, no Brasil, depois de décadas de desvalorização, a engenharia recupera seu espaço nos grandes projetos de desenvolvimento nacional e é apontada como fundamental para o crescimento brasileiro.

 

Imprensa - SEESP



Página 4 de 4

agenda