GRCS

10/07/2012

Para Governo, 480 mil têm direito à desaposentação

O direito à desaposentação já está sendo considerado como justo até mesmo pelo Governo, prova disto é que pela primeira vez foi divulgado o impacto fiscal que o Tesouro terá de suportar caso o STF (Supremo Tribunal Federal) reconheça esse direito, requerido hoje por milhares de ações em tramitação nos tribunais brasileiros. Este levantamento mostra que o impacto deverá ser de R$ 49,1 bilhões. O universo de aposentados beneficiados é estimado em 480 mil pessoas.

Estes valores estão no anexo de riscos fiscais do projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Para diminuir este impacto o Governo já busca acordo com o STF, que informou que o julgamento do direto à desaposentação se dará neste ano.

Já a Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados aprovou, em junho último, o Projeto de Lei nº 2.886/2008 que determina mudanças para o aposentado que continuar trabalhando. Atualmente, o aposentado nessa situação precisa pagar as contribuições ao INSS (Instituto Nacional de Seguro Social), mas não recebe este dinheiro de volta após parar de exercer a função. Com a nova lei, o aposentado receberá de volta o valor integral da contribuição após parar de trabalhar.

De acordo com informações da comissão, como o projeto está sendo analisado em caráter conclusivo, não precisa ser aprovado em plenário. Contudo, para passar a valer deve seguir por mais duas comissões: a de Constituição e Justiça e a de Finanças. Após este processo ele será encaminhado ao Senado.

Enquanto a legislação não modifica, vários aposentados que continuam na ativa buscam à Justiça para rever os valores da aposentadoria. No Brasil, o cidadão que trabalha e contribui para o INSS após a aposentadoria, não tem o direito de corrigir o provento.

O advogado previdenciário Guilherme de Carvalho, do escritório G Carvalho Sociedade de Advogados, explica que essa ação é denominada de desaposentação, no qual permite ao beneficiário da previdência pública renunciar o atual seguro e obter novos valores mais altos.

“A Previdência acaba recebendo de quem ainda não se aposentou e de vários segurados que continuam a trabalhar mesmo em idade avançada. Porém, não é admissível o aposentado ser prejudicado com os baixos valores que recebe e ainda pagar uma contribuição sem razão”, expõe o advogado.

A desaposentação é um tema polêmico entre os congressistas, sobretudo porque mexe com os cofres públicos. “Acredito que logo o governo terá que rever a legislação, pois atualmente os aposentados vão atrás dos seus direitos. Os segurados querem renunciar a sua aposentadoria e ganhar aquilo que merecem”, diz.

 

Imprensa – SEESP
* Informações da Assessoria de Imprensa da G Carvalho Sociedade de Advogados

 

Leia também
STJ reconhece direito à desaposentação
Desaposentação: melhoria do benefício previdenciário
Em debate, alternativa para acabar com fator previdenciário
Fator previdenciário é um redutor do valor da aposentadoria
Movimento sindical quer fim do fator previdenciário



Lido 4506 vezes

Comentários   

# Fora PTAlexandre Ferreira d 03-12-2012 09:46
Tudo errado é fator previdenciário, cobrança indevida do INSS aos aposentados que são obrigados a retornar ao mercado de trabalho para não passar fome e ter que pagar um plano de saúde (saúde pública é uma piada), desaposentação e o não aumento dos proventos dos aposentados. Vamos sim tirar o PT das próximas eleições. Toda família tem um aposentado e assim possível fazer justiça e alguma coisa mudar neste país, podemos sim!

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

agenda