GRCS

02/05/2012

Exercício ilegal da engenharia mobiliza categoria

Há 10 anos tramita na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 6.699/2002, que criminaliza o exercício ilegal da profissão de engenheiro, agrônomo e arquiteto. A proposta pretende substituir o Decreto-lei nº 2.848, de 1940, e que apenas trata como contravenção – com prisão simples de 15 a 30 dias, podendo ser convertida em multa – o ato de praticar a engenharia irregularmente. Caso a lei já tivesse sido aprovada, desabamentos como os que ocorreram no início de 2012, no Rio de Janeiro e em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo, poderiam ter sido evitados.

Ainda em fase de conclusão, as investigações desses acidentes sinalizam que profissionais não credenciados promoveram intervenções erradas nos edifícios, causando o colapso das estruturas.  Isso gerou uma mobilização dos conselhos regionais de engenharia, e outras entidades de classe da categoria, para que o Congresso finalmente aprove o Projeto de Lei que criminaliza o exercício ilegal da profissão. A expectativa é que, depois de tramitar pelas comissões de Trabalho, de Administração e Serviço Público (CTASP) e de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC), o PL 6.699/2002 possa ir a Plenário ainda no primeiro semestre de 2012.

O movimento, liderado pelo Confea/Crea e pela FNE (Federação Nacional dos Engenheiros), ganha também a adesão do Conselho de Arquitetura e Urbanismo. A intenção é aproveitar o momento para sensibilizar o Congresso a também revisar a Lei 5.194/66, que regula o exercício das profissões de engenheiro, arquiteto e engenheiro agrônomo. “Entendemos que a lei precisa ser revigorada, até por conta da demanda muito grande por engenheiros e pela área tecnológica estar cada vez mais valorizada”, explica Murilo Celso de Campos Pinheiro, presidente da FNE e do SEESP.

Entre as mudanças reivindicadas na Lei 5.194/66estão as que dão mais poder ao Confea/Crea para interditar e embargar atividades que não estejam em conformidade técnica, além de autorizar que o organismo seja previamente consultado e tenha capacidade de vetar a abertura de novos cursos na área tecnológica. “Temos o apoio do universo acadêmico e o desenvolvimento da construção civil no Brasil exige isso. A demanda tecnológica é alta e precisamos ter profissionais cada vez mais capacitados”, avalia Murilo Celso de Campos Pinheiro.

Para o presidente da FNE, o importante das mudanças legislativas propostas é dotar os conselhos federal e regionais de engenharia com mais dispositivos legais para que possam ter condições de fiscalizar o exercício da profissão. “O ganho é para a sociedade. Não podemos ter leigos exercitando a engenharia, e é preciso fiscalizar com rigor. Até porque, quem vai cobrá-los depois? Quem será o responsável técnico? Quem vai atestar que uma obra está boa ou foi construída de acordo com as normas?”, questiona o dirigente, confiante que as reivindicações dos engenheiros serão atendidas no Congresso.

* Acompanhe a tramitação da PL 6699/2002 aqui


Imprensa - SEESP
* Com i
nformações do Massa Cinzenta, de Altair Santos


Lido 3101 vezes

Comentários   

# Contr Assistencial e dissidioNilce 11-06-2013 17:18
ola boa tarde por favor preciso saber qual é o dissídio de engenheiro agrônomo e qual a porcentagem da contribruição assistencial que devo descontar mensalmente.
# ENGENHEIRO MECANICOFRANCISCO MALAFAIA 03-05-2012 10:02
Infelizmente vemos o CREA e o SINDICATO preocupados com a INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL, enquanto outras modalidades de engenharia estão abandonadas, como por exemplo a INDUSTRIA DE IMPLEMENTOS RODOVIARIOS, fabricantes de carretas (semireboques e carrocerias para caminhões), onde a quantidade de acidentes e mortes com estes produtos é muito maior que nos produtos da INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Todas as modalidades de ENGENHARIA deveriam ser valorizadas e todas as questões desse artigo aqui apresentadas deveriam ser consideradas para todas.

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

Oportunidades Plataforma 29 04 1

VAGAS DE ESTÁGIO DE ENGENHARIA

agenda