logo seesp ap 22

 

BannerAssocie se

08/03/2021

A igualdade que ainda há de chegar

 Murilo Pinheiro

Entre as inúmeras faces da abissal desigualdade que assola o País, tornada mais evidente com as dificuldades trazidas pela pandemia da Covid-19, estão as lamentavelmente ainda existentes discriminação e opressão da mulher. Neste março de 2021, em que se comemora a luta pela emancipação, contabiliza-se tristemente o aumento da violência e do desemprego em maior proporção que dos homens, assim como das responsabilidades e tarefas domésticas em tempos de home office e aulas online.

Inacreditavelmente, em abril em 2020,  quando a quarentena para tentar reduzir o contágio do coronavírus tinha um mês, as denúncias de violência por meio do telefone 180 cresceram  40% em relação ao mesmo período de 2019. Apesar disso, aparentemente não se ampliou o número de boletins de ocorrência registrados para que os crimes fossem investigados, porque, em isolamento com o próprio agressor, a mulher não tem como buscar ajuda mais efetiva.


O quadro também não é dos melhores quando o tema é emprego. Conforme o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a participação feminina no mercado de trabalho atingiu o menor patamar em 30 anos, ficando em 45,8% no terceiro trimestre de 2020. A desocupação atingiu mais fortemente aquelas que têm filhos pequenos de até dez anos.

 

Clique aqui e leia a íntegra do editorial do Jornal do Engenheiro de março.

 

Lido 585 vezes

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar



Receba o SEESP Notícias

E-mail:

agenda