GRCS

04/12/2020

Opinião – IndustriALL Brasil, uma iniciativa inovadora

Clemente Ganz Lúcio*

 

A organização sindical no campo dos trabalhadores inova para ser coetânea com as mudanças no sistema produtivo e na organização das empresas, assim como para atuar de forma vigorosa e propositiva diante das transformações no mundo do trabalho.

 

Entidades sindicais de trabalhadores da base industrial, filiadas à CUT – Central Única dos Trabalhadores e à Força Sindical, decidiram criar uma organização unitária. Essa iniciativa é inspirada na IndustriALL Global Union, organização mundial dos trabalhadores na indústria filiada à CSI – Central Sindical Internacional, da qual participam as duas Centrais.

 

A IndustriALL Brasil reúne as organizações sindicais dos ramos metalúrgicos, químicos, têxtil e vestuário, alimentação, construção civil e energia, que agregam a representação de 10 milhões de trabalhadores/as. A estratégia de implantação articulará a participação das demais entidades sindicais nesse projeto, ampliando o campo de unidade e a base de cooperação sindical, visando atingir os 18 milhões de trabalhadores/as que estão na base industrial no País.

 

Trata-se de uma iniciativa política que buscará a cooperação sindical com universidades, institutos e pesquisadores. O objetivo será qualificar a participação e intervenção no debate público, de maneira propositiva, acerca do papel da indústria na organização do sistema produtivo e no desenvolvimento econômico nacional.

 

Frente ao violento processo de desindustrialização precoce, que impacta toda a estrutura produtiva nacional, é preciso ousar com diagnósticos precisos e conteúdo propositivo inovador, articulando iniciativas políticas juntos aos empresários, aos governos, ao Poder Legislativo e às organizações e organismos internacionais.

 

O desafio que a IndustriALL Brasil assume é de investir na elaboração de propostas para um projeto de reindustrialização que produza impactos virtuosos sobre todo o sistema produtivo nacional. Essa concepção estratégica considera que há múltiplas dimensões capazes de alavancar o nosso desenvolvimento industrial, que ampliam as potencialidades de difusão do incremento da produtividade e aumentam a capacidade competitiva de toda a economia.

 

A meta é aumentar a participação da indústria de transformação na economia. Vale lembrar que a indústria representava 1/3 do PIB no início dos anos 80 e hoje participar com pouco mais de 10%. Nas três últimas décadas predominou a desestruturação de cadeias produtivas inteiras e elos estratégicos do sistema produtivo, com efeitos dramáticos sobre médias, pequenas e micro empresas em todos os setores produtivos. Os breves períodos de expansão industrial nessas três décadas não foram capazes de interromper o processo dramático de desmonte do parque produtivo da manufatura brasileira.

 

Os efeitos dinâmicos notáveis de um projeto de industrialização vão requerer o investimento articulado em ciência, pesquisa, tecnologia e inovação; haverá necessidade de difundir a qualidade da educação em geral e o aprimoramento da educação profissional continuada; será preciso sustentar a qualidade do crescimento econômico e abrir possibilidades reais para superar a miséria, a pobreza e as inúmeras formas de desigualdades.

 

O projeto, na visão estratégica dos trabalhadores, mira no desenvolvimento social, gerando, com o desenvolvimento industrial, empregos de qualidade, com capacidade de aumentar os salários do setor e incrementar a renda média da sociedade. Essa dinâmica, que combina tecnologia, produtividade, emprego e renda do trabalho, incide para a elevação da produtividade média de toda a economia, para a sofisticação da estrutura produtiva em todos os setores, com efeitos quantitativos e qualitativos sobre toda a estrutura ocupacional e sobre a renda do trabalho.

 

O País acumula inúmeras mazelas econômicas pela falta de um projeto nacional de desenvolvimento, ou por projetos mal estruturados ou, pior ainda, por projetos de expropriação e concentração de riqueza, sem nenhum compromisso com o desenvolvimento do país.

 

Considera-se que os desafios para recuperar e preservar o meio ambiente, enfrentar e reverter o aquecimento global, proteger a saúde coletiva, recuperar e adequar a infraestrutura produtiva e social, investir no espaço e serviços urbanos, entre tantos outros desafios, são oportunidades para estruturar um projeto de reindustrialização com grande e favorável impacto para sustentar o crescimento econômico, favorecer o aumento da renda média e o poder do mercado interno de consumo.

 

 

 

 

 

 

Clemente Dieese Artigo

*Sociólogo e consultor sindical. Texto originalmente publicado pela Agência Sindical, em 3/12/2020.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Lido 184 vezes

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

agenda