Logos

GRCS

Transporte - Linha 6 do Metrô segue sem destino

Avalie este item
(0 votos)

Deborah Moreira

 

Com obras paradas há um ano e dez meses, a partir do anúncio do Consórcio Move São Paulo de suspensão das atividades nas 33 frentes de trabalho, a Linha 6-Laranja do Metrô de São Paulo segue sem previsão de conclusão. A reivindicação dos engenheiros e da população afetada é que o Governo do Estado assuma a execução e operação da linha que ligará a zona norte à região central da capital paulista. Com isso, o modelo inicial de parceria público-privada (PPP) deixaria de ser adotado.

Constituído pela Odebrecht, Queiroz Galvão, UTC Participações e pelo fundo de investimentos Eco Realty, o Consórcio Move São Paulo foi o único a apresentar proposta em leilão para a concessão. O contrato foi assinado em 2013, com prazo de 25 anos, sendo seis para a implantação da linha e 19 para a operação e manutenção.

O modelo de PPP para a ampliação e extensão da malha metroferroviária vem sendo refutado pelos técnicos. O diretor do SEESP Nestor Tupinambá observa que o Metrô detém a expertise demandada para projeto desse porte. “Muitas estações previstas terão escavações muito profundas, com mais de 50 metros abaixo da terra, o que, além de encarecer o projeto, requer mão de obra muito especializada, como a dos engenheiros do Metrô”, explica ele, que participou de reunião pela retomada das obras da Linha 6 na Brasilândia, um dos bairros afetados com a paralisação, no dia 12 de maio último. Tupinambá traz o exemplo da estação Perdizes: “É um morro. Para fazer o acesso até a plataforma do trem serão muitas escadas rolantes e elevador equivalente ao de um prédio de 20 andares.”

O projeto

No total são 15 estações, além do Pátio Morro Grande do metrô Brasilândia, divididas nos 15,9 quilômetros de trilhos. A previsão é de transportar inicialmente 633 mil passageiros ao dia, atendendo aos subcentros da Brasilândia, Cachoeirinha, Freguesia do Ó, Limão, Perdizes, Sumaré, Bela Vista e Liberdade. Por beneficiar estudantes de diversos campi, vem sendo chamada de linha das universidades. Estão previstas integrações com as linhas 1-Azul e 4-Amarela, do Metrô, além de 7-Rubi e 8-Diamante, da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).

Tanto Brasilândia quanto Freguesia do Ó foram contemplados a partir de iniciativas da população local. “O padre Noé Rodrigues, da região, deu a ideia ainda em 2003 de iniciar uma campanha para levar o metrô à Freguesia do Ó. Apesar de ser o terceiro bairro mais antigo de São Paulo, tem muito pouco acesso”, conta o morador e professor aposentado João Mota, um dos fundadores do Fórum de Debates e Luta Pró-Metrô. Inicialmente pensaram na possibilidade de uma extensão da Linha Vermelha. Procuraram a Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô (Aeamesp), que os informou sobre a inviabilidade técnica. A alternativa foi a inclusão na Laranja.

“O traçado deveria seguir até a estação Anália Franco, futura extensão da Linha Verde, passando de 633 mil para 888 mil passageiros atendidos ao dia”, pondera Emiliano Stanislau Affonso Neto, diretor do SEESP. A recomendação técnica, contudo, não foi levada em conta.

Sem lastro

Com custo total de R$ 9,6 bilhões, sendo metade paga pelo Estado, as obras tiveram início em janeiro de 2015 e foram paralisadas em 2 de setembro de 2016. O consórcio alegou dificuldades na obtenção de financiamento de longo prazo junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), especialmente após o envolvimento das empreiteiras brasileiras na operação Lava Jato. O BNDES negou crédito aprovado anteriormente, em 2014, de R$ 3,9 bilhões. Um desembolso inicial já havia sido feito, no valor de R$ 550 milhões.

Foram aportados pelo governo paulista até o momento R$ 694 milhões para pagamento de obras civis e R$ 979 milhões, em outubro de 2016, para 371 ações de desapropriações. “A outra metade deveria vir de recursos privados, que é o que prevê uma PPP. Mas eles contavam com o BNDES, que empresta dinheiro mais barato, mas é público, o que contraria a proposta”, salienta Tupinambá. Morador da Vila Itaberaba, na Brasilândia, o arquiteto Ênio José Silva indaga: “Como um gestor público faz uma licitação e a empresa ganhadora não tem lastro para bancá-la?”.

O pessoal que reside no bairro se organizou a partir de rede social em setembro de 2017 e formou o grupo “Metrô Brasilândia Já”. Esse conta com abaixo-assinado e, em janeiro deste ano, entrou com representação no Ministério Público Estadual (MPE), em nome de uma entidade local, o Instituto Rosa dos Ventos, para cobrar responsabilização e retomada das obras. O procurador Wilson Tafner está à frente das investigações de inquérito criminal aberto pelo MPE. O órgão não se pronunciou sobre o assunto, alegando sigilo.

Questionada sobre o prazo de caducidade do contrato para que o governo possa assumir judicialmente a obra, a Secretaria Estadual dos Transportes Metropolitanos (STM) informou que está em curso, sem, contudo, esclarecer qual modelo será adotado. Quanto a eventuais multas aplicadas à concessionária, citou três, que totalizaram R$ 72,8 milhões, e outras seis autuações, somando mais R$ 43 milhões, em andamento. O Consórcio Move São Paulo concluiu somente 15% da linha. Sem responder às diversas intimações para que retomasse as obras, afirmou, por meio de sua assessoria de imprensa, que aguarda agora o prazo dado pelo Executivo paulista para decisão da contenda. Antes de se licenciar do cargo, o então governador Geraldo Alckmin anunciou que o contrato se encerraria ao fim do primeiro semestre de 2018. Houve, nesse ínterim, duas tentativas de venda da concessão. Ambas negociações fracassaram.

 

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

VAGAS DE ESTÁGIO

agenda