Logos

GRCS

15/04/2014

Valorização do salário mínimo é destaque no JE na TV

Valorizar o profissional e o salário mínimo do engenheiro. É o que defende o presidente do Sindicato dos Engenheiros no Estado de São Paulo (SEESP), o engenheiro Murilo Celso de Campos Pinheiro, na seção “No Ponto” do Jornal do Engenheiro desta semana. Na entrevista, um alerta sobre a péssima qualidade no serviço de telefonia móvel. A reportagem semanal do JE traz a luta das centrais sindicais pela aprovação das reivindicações históricas dos trabalhadores.

“Nós estamos lutando agora pela carreira de Estado. Onde podemos discutir junto com município, estado ou governo federal, junto com a FNE, a Federação Nacional dos Engenheiros, a valorização do profissional, a implementação do plano de carreira, de criar oportunidade de crescimento e reconhecimento”, afirma o dirigente sindical sobre um dos focos da atuação do SEESP, que é a valorização da categoria no setor público.

Murilo Pinheiro ressalta que só “com o reconhecimento da engenharia nacional” é que não “haverá a necessidade de importar profissionais como está sendo sugerido por alguns setores.”

Para ele, a valorização do salário mínimo profissional deve ser prioridade: “Valorize o engenheiro. Valorize-se engenheiro. Fique atento ao salário mínimo. Fale com seu sindicato se não estiver recebendo”.

Entrevista

O engenheiro Ruy Bottesi, presidente da Associação dos Engenheiros de Telecomunicações (AET), é o entrevistado desta semana. Ele faz um alerta sobre os serviços de telecomunicações no Brasil que está aquém do mínimo necessário para atender a demanda no país, que é crescente, principalmente na telefonia celular. Segundo ele, o número de aparelhos celulares já supera os 250 milhões em todo o território nacional.

Um forte indicador que os serviços não são suficientes é o alto número de reclamações em órgãos de defesa do consumidor. O especialista lembra que a atual situação só beneficia as corporações.


“Quem ganha com a atual situação? Somente as operadoras de telefonia que ficam com o lucro e revertem para suas matrizes fora do país. O que estamos presenciando [é uma concentração de empresas, e estamos partindo para o monopólio privado que é pior do que o monopólio estatal”, revela.

Bottesi lembra que após a privatização do setor, durante o governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB), a qualidade vem caindo a cada ano. “Depois que o setor foi privatizado as operadoras reduziram bastante seus custos com investimento na estrutura física da rede e em recursos humanos, com demissões em massa, terceirização da mão de obra em larga escala, o que afeta diretamente o serviço ao usuário”, completa.

Em sua avaliação, a perspectiva para os próximos anos são as piores possíveis com o crescimento constante da rede e o baixo investimento, que tornará a rede ainda mais sobrecarregada. Ele aponta ainda a necessidade de serem feitas reformas no setor e a elaboração de dispositivos legais para regulamentar o setor, uma vez que a Agência Nacional de Telecomunicações não tem cumprido seu papel de agência reguladora. “Em 10 anos, será necessário promover reformas, desde envolver modelos que já são debatidos atualmente, como o Marco Civil da Internet, e repensar o modelo da agência reguladora. Pensar como foi concebida e como está sendo usada a Agência, além das interferências políticas em um órgão regulador como a Anatel”.

O presidente da AET vai ainda mais longe: “Precisamos desse órgão regulador? Ou não? Eu acredito que não. O modelo que está aí hoje não é bom nem para o operador, nem para o usuário, nem para o governo”.

Marcha


Na quarta-feira (9/4), a equipe de reportagem do Jornal do Engenheiro acompanhou a 8ª Marcha da Classe Trabalhadora, que reuniu cerca de 40 mil pessoas, segundo as centrais sindicais que promoveram o ato – Força Sindical, Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB), União Geral dos Trabalhadores (UGT), Central Única dos Trabalhadores (CUT) e Nova Central Sindical dos Trabalhadores (NCST). Confira os depoimentos dos dirigentes sindicais.

Imprensa SEESP 


Assista a íntegra do JE:










Lido 2221 vezes

Comentários   

# Engenheiro CivilDouglas Cosme França 15-04-2014 17:23
Presidente Murilo Campos!

Conte com meu apoio essa a luta é de todos nós Engenheiros, para um Brasil melhor para uma valorização justa e leal!

Continue lutando que a Vitória está chegando!!!

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

VAGAS DE ESTÁGIO

agenda