GRCS

15/07/2020

Em nova fase de teste, respirador da Poli-USP é apresentado em coletiva de imprensa

Deborah Moreira
Comunicação SEESP

O Instituto do Coração (Incor) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) receberá na quinta-feira (16/7) dez unidades do Inspire, respiradores pulmonares produzidos pelos engenheiros da Escola Politécnica da USP e pesquisadores das faculdades de Medicina, Medicina Veterinária e Odontologia da USP. A Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep), do Ministério da Saúde, autorizou a utilização de um total de 20 respiradores em 40 pacientes do Incor, muitos infectados pelo novo coronavírus. O equipamento foi apresentado durante coletiva de imprensa do governador João Doria, nesta quarta (15/7).

 

 

Inspire USP coletiva doriaInspire é apresentado durante coletiva de imprensa. Da esq. para a dir.: Marcelo Zuffo, Raul Gonzalez, Vahan Agopyan e João Doria / Foto: Governo do Est. de SP

“Em termos de engenharia, o projeto entra em um outro patamar de exigência. Estamos entrando numa segunda fase de teste, em que faremos testes mais rigorosos. Na primeira fase foram realizados em quatro pacientes do Incor, por até três horas cada um, em média. Agora, serão 40 pacientes, com até 24 horas de uso, em cada um. É um momento muito importante para o projeto”, declarou o professor Marcelo Zuffo, da Poli-USP.

Zuffo, que é um dos coordenadores do projeto e também coordena o Conselho Assessor de Telecomunicações do SEESP, contou que o equipamento está em fase final no processo de certificação na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). “Estamos providenciando os últimos ajustes para a Anvisa”, completou o pesquisador.

Durante a coletiva, o reitor da USP, Vahan Agopyan, falou sobre o significado do Inspire para a ciência do País: “Esse resultado foi possível não somente porque 200 pesquisadores se debruçaram no projeto durante quatro meses, mas, porque o Governo do Estado de São Paulo confia, apoia e financia seus centros de ensino e pesquisa. Os participantes desse projeto são pesquisadores que se dedicam a esse tema há décadas e, quando a sociedade necessitou, conseguiram colocar esse conhecimento à disposição com rapidez.”

Raul Gonzalez Lima, professor titular da Poli e coordenador geral do projeto, reforçou a importância do investimento em pesquisa e ciência e descreveu o papel da universidade pública brasileira, que tem como missão “a transferência de tecnologia e de conhecimento”. A USP é a sétima universidade que mais produz pesquisa em todo o mundo, segundo ranking elaborado pelo Centro de Estudos em Ciência e Tecnologia (CWTS, na sigla em inglês) da Universidade de Leiden, na Holanda, divulgado no dia 8 de julho. Na edição atual, foram avaliadas 1.176 universidades de 65 países.

 

“O resultado tem agregado conteúdo resultante de 20 anos de pesquisas na área pulmonar, de uma cooperação de várias unidades da USP”, destacou Gonzalez, que lembrou que, entre as premissas iniciais do projeto, estava a falência da cadeia de suprimentos de componentes de respiradores. “Precisávamos de uma solução nacional. Muitos componentes foram nacionalizados, modificados diversas vezes para atender as especificações exigidas pela Escola de Medicina. Muitas empresas nos ajudaram com suprimentos, serviços e doações em dinheiro. Ao todo, foram 800 doadores individuais”, continuou Lima.

Doria revelou que todos os recursos utilizados foram doados pela iniciativa privada. O montante em dinheiro soma um total de R$ 7 milhões. “Esses respiradores demonstram a capacidade dos pesquisadores, professores e alunos da Escola Politécnica, que desenvolveram em apenas quatro meses, com baixíssimo custo, a produção desse equipamento em pequena escala que, com o tempo, poderá ser produzido em larga escala”, afirmou. Inicialmente, serão produzidos dez respiradores ao dia.

O Governador falou ainda da participação das Forças Armadas nessa “vitória da ciência brasileira”, a partir da produção e montagem dos equipamentos nas instalações da Marinha do Brasil, em São Paulo: “É isso que esperamos de um País no combate ao coronavirus: união, integração e harmonia entre os poderes. Todos numa mesma vertente para salvar vidas”.

O Inspire foi apresentado durante o webinar “Engenharia e ciência no combate ao coronavírus” da Federação Nacional dos Engenheiros (FNE), ocorrido no dia 16 de junho último. Os depoimentos dos pesquisadores emocionaram quem estava assistindo ao evento virtual, transmitido pelas páginas do Youtube e Facebook da Federação. Saiba como foi neste link.


Lido 431 vezes

Comentários   

# Respirador InspireRosângela Ribeiro Gi 16-07-2020 09:58
Que matéria bacana, com informações muito boas e importantes. Traz, de forma objetiva, um fato de suma relevância para o Brasil. Parabéns à equipe de Comunicação do SEESP no esforço de trazer informação correta.

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

Oportunidades Plataforma 29 04 1

VAGAS DE ESTÁGIO DE ENGENHARIA

agenda