Logos

GRCS

22/11/2010

Sindicatos e empresas criam escolas para qualificar engenheiros

Avalie este item
(0 votos)

Folha de S. Paulo ouve presidente do SEESP e FNE sobre o assunto e site do jornal publica vídeo “Mais engenheiros para construir o Brasil”, produzido pela federação. Leia a íntegra do artigo.

        A falta de engenheiros qualificados no Brasil não é novidade. Mas, após cerca de cinco anos de crescimento na demanda por esses profissionais, agora as empresas e as entidades de classe estão agindo por conta própria.
        O Sindicato dos Engenheiros no Estado de SP prepara a criação de um instituto de ensino superior voltado para as necessidades da indústria, com cursos de graduação, pós, mestrado e doutorado.
        'Não queremos competir com as universidades. A ideia é que a gente faça uma escola de inovação, com poucos alunos, mas com qualidade', diz Murilo Pinheiro, presidente do sindicato.
        No momento, é aguardada a aprovação do Ministério da Educação para que o instituto possa abrir, em 2012. 
        Já um grupo formado por construtoras e incorporadoras se organiza para criar uma faculdade corporativa com cursos de curta duração. 
        O objetivo é complementar a formação que não é dada nas universidades, diz Carlos Alberto Borges, vice-presidente de tecnologia e qualidade do Secovi-SP (Sindicato da Habitação). 
        O Crea-SP (Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia) vai na mesma direção. Segundo o seu chefe de gabinete, Francisco Yutaka Kurimori, na sexta-feira, foi aprovada proposta que permite que o órgão firme convênios com entidades de classe para promover cursos de reciclagem. 
        Nival Nunes de Almeida, presidente eleito da Associação Brasileira de Educação em Engenharia, acha interessante que empresas e sindicatos estejam preocupados com a formação de profissionais. No entanto, ele acredita que o melhor é buscar parcerias com universidades.

DO BANCO PARA A OBRA 
        Foi o que a Camargo Corrêa fez no caso do engenheiro civil Marcelo Ishitani, 32. 
        Após trabalhar em bancos, ele sentiu necessidade de se atualizar quando voltou para o setor de infraestrutura da empresa -em que havia sido trainee, no início da carreira. 
        A firma lhe pagou, então, uma especialização em engenharia de túneis na Poli-USP. O diretor da faculdade, José Roberto Cardoso, confirma que a Poli é muito procurada por empresas para esse fim. 
        Casos como o de Ishitani, de profissionais que estavam no setor financeiro e agora retornam para a engenharia, vêm se tornando comuns. 
        Quando Roni Katalan (foto), 30, cursava engenharia, de 1998 a 2002, a construção civil ainda estava estagnada. Por isso, buscou a área financeira, em que se especializou. 
        Em 2008, já sentindo uma melhora no mercado de engenharia, foi convidado para atuar na incorporadora de uma construtora, onde é supervisor de novos negócios. 
        'Eu não entro muito na questão da obra. O cargo na incorporação é financeiro.'
        É por isso que, no caso das construtoras que procuram engenheiros para funções estritamente técnicas, a dificuldade para contratar é maior. 
        'O profissional que estava na área financeira não virá para a área técnica. Ele vai usar a sua experiência como gestor financeiro', diz Carlos Barbara, sócio-diretor da construtora Barbara. 
        A saída, para ele, foi empregar profissionais sem muita experiência e contar com coordenadores para formá-los. 'Montamos uma 'escolinha' na construtora.'

 

Confira matéria de Fabiana Rewald e vídeo da FNE na Folha Online

 

www.fne.org.br

 

 

Lido 1586 vezes

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

VAGAS DE ESTÁGIO

agenda

art creasp