GRCS

Da Unesp

A primeira turma de Engenheiros de Pesca colou grau no início do mês de fevereiro, na Universidade Estadual Paulista (Unesp), no campus de Registro. O momento representou a realização do sonho de todos os envolvidos no processo de implantação e reconhecimento do novo curso, o primeiro desta modalidade no Estado de São Paulo e que foi estabelecido na unidade da instituição considerando o potencial brasileiro e regional do Vale do Ribeira e do Estuário Lagunar Iguape-Cananéia para produção de recursos pesqueiros.

Os graduados Airton da Cunha Pinto, Carolina Ferreira de Souza, Cleber Mikio Rosa Imanobu, Guttiérry Stevan Lopes, Maicon da Rocha Brande, Petr Zahotei Neto, Thaís da Silva Oliveira, Victor Hugo de Souza Braga, Vitor Hugo Penariol Morante e Whoshington Rocha Gervaz, que trilharam juntos com a instituição os percalços de ser a primeira turma, chegaram enfim ao momento em que todo o esforço empreendido na jornada vale a pena, tornando-se Engenheiros de Pesca.


 

Da Unesp Agência de Notícias

O Conselho do Programa de Pós-graduação em Engenharia Mecânica da Universidade Estadual Paulista (Unesp), Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá, está com inscrições abertas para seleção de duas bolsas PNPD/Capes institucional, e cadastro de reserva, vinculadas ao Programa de Pós-graduação em Engenharia Mecânica.

Calendário

- Divulgação do Edital: 31 de janeiro de 2018

- Inscrições: de 01 de fevereiro de 2018 a 16 de março de 2018

- Homologação das inscrições: 23 de março de 2018

- Prazo para recurso das inscrições: 26 e 27 de março de 2018

- Entrevista: 06 de abril de 2018

- Divulgação do resultado: 11 de abril de 2018

- Prazo para recurso do resultado: 12 e 13 de abril de 2018

- Resultado final: 20 de abril de 2018

- Confirmação de interesse na bolsa: até 27 de abril de 2018 

>> Editais e demais informações estão disponíveis em http://www.feg.unesp.br/#!/pos-graduacao/pg-eng-mec/editais-e-resultados/ 

 

Da Agência Fapesp*

Estão abertas até 5 de fevereiro próximo as inscrições para o processo seletivo de professor assistente doutor no campus de São João da Boa Vista da Universidade Estadual Paulista (Unesp). A oportunidade é para o curso de Engenharia aeronáutica.

O professor contratado ministrará disciplinas de Eletricidade, Eletrônica e Eletrotécnica de Aeronaves. O salário será de R$ 10.360,07, em jornada de 40 horas semanais de trabalho. Candidato portador do título de livre-docente receberá salário de R$ 12.351,27.

Poderão se inscrever graduados em curso superior que tenham, no mínimo, título de doutor, obtido preferencialmente em cursos de pós-graduação na área de Engenharia.

As inscrições serão recebidas, em dias úteis, até 5 de fevereiro, no horário das 9h às 12h e das 14h às 17h, na Unesp, campus de São João da Boa Vista. No caso de inscrição por via postal os documentos exigidos no presente edital deverão ser enviados via Sedex para: Unesp, Campus de São João da Boa Vista, av. Profª Isette Corrêa Fontão, nº 505, Jardim das Flores, São João da Boa Vista, SP, CEP 13876-750. A taxa de inscrição custa R$ 93.

O concurso para a contratação constará de prova de títulos e prova didática. Na prova de títulos, haverá julgamento do curriculum vitae, em que serão analisadas as atividades de formação, didáticas e científicas, dos últimos cinco anos, com maior relevância para as atividades relacionadas às áreas de Engenharia Aeronáutica e afins. Já a prova didática constará de aula teórica em nível de graduação, com duração de no mínimo 40 minutos e no máximo de 60 minutos.

Mais informações: https://goo.gl/MDppGa.

 

* Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

 

 

Unesp Agência de Notícias

Considerada como uma das maiores universidades do Brasil. a Universidade Estadual Paulista (Unesp) disponibilizou uma série de cursos online gratuitos, que podem contribuir bastante na formação ou atualização profissional para as mais diversas carreiras.

A Unesp Aberta é um ambiente de aprendizagem online e gratuito que oferece a oportunidade de formação e aperfeiçoamento em diversas áreas do conhecimento para pessoas com acesso a Internet no Brasil e no mundo. Ela oferece cursos nas áreas de exatas, humanas e biológicas. As inscrições podem ocorrer a qualquer momento.

Também estão previstas as inclusões de versões em inglês e espanhol, bem como, a incorporação de recursos de acessibilidade como Libras e audiodescrição. O acesso ao material não dá direito a qualquer tipo de certificação de conclusão ou apoio educacional.

>> Todas as informações sobre esses cursos aqui


Até o dia 31 de julho próximo estão abertas as inscrições para o concurso público da Universidade Estadual Paulista (Unesp), de Registro, para professor substituto do curso de Engenharia Agronômica, nas disciplinas Topografia e Topografia I. A atuação é para o segundo semestre letivo de 2017 e pelo prazo máximo de cinco meses. Mais informações a respeito em https://goo.gl/Qhkm4V.


Informação da assessoria de comunicação e imprensa da Unesp
Comunicação SEESP

 

 

 

 

Um grupo de pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Ilha Solteira e de Tupã deve concluir até o fim do ano o primeiro protótipo de um aparelho que localiza vazamentos de água em tubulações enterradas, com muito mais precisão e custos menores do que os existentes hoje.

projeto é financiado em partes iguais pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), no âmbito de um acordo de cooperação, e se desenvolve no Programa de Apoio à Pesquisa para Inovação Tecnológica (Pite).

A pesquisa está aperfeiçoando e adaptando à realidade brasileira a tecnologia do correlacionador de sinais, que localiza vazamentos por meio da análise das mudanças nos padrões de vibrações da tubulação. A inovação deverá contribuir para combater as perdas que hoje atingem 37% do total de água tratada no Brasil.

Técnicas acústicas e vibratórias vêm sendo usadas para localizar vazamentos há cerca de 30 anos, mas a substituição de tubulações metálicas por tubos de plástico trouxe novos desafios, já que as vibrações se propagam por distâncias muito menores em plásticos. Além do material, influem nos padrões dos sinais dos vazamentos o diâmetro, a espessura e as juntas da tubulação e o tipo de solo onde a tubulação está enterrada. Por isso, a adaptação às condições locais é crítica para aumentar a eficácia dessa tecnologia.

Já a redução de custos será o resultado não só da nacionalização do aparelho como da sua simplificação. Segundo Fabrício Lobato Almeida, da equipe de pesquisadores da Unesp que desenvolve o equipamento sob a liderança do engenheiro inglês Michael Brennan, professor da universidade, desde que surgiram, os correlacionadores de sinais evoluíram pelo caminho da sofisticação progressiva tanto dos sensores que captam os sinais, como do aparato computacional que faz o seu processamento. Com isso os equipamentos ficaram cada vez mais caros, chegando hoje a mais de R$ 200 mil no mercado brasileiro.

“Nós simplificamos o processo identificando quais são as características dos sinais vibratórios efetivamente relacionados a vazamentos, levando em conta nossa realidade. Isso permite usar sensores menos sofisticados e um microprocessador menos potente porque o software que desenvolvemos seleciona os parâmetros relevantes, excluindo as vibrações produzidas por carros, metrô, avião etc.”, explica Almeida. O resultado é um aparelho mais barato e também muito mais fácil de ser operado. A estimativa é que o correlacionador de sinais nacional tenha um preço cerca de cinco vezes menor que os importados disponíveis hoje no mercado.

O engenheiro Marcelo Miki, gerente do departamento de Pesquisa e Desenvolvimento da Sabesp, explica que a inovação é estratégica para a companhia: “Reduzir as perdas é uma necessidade crítica e, para isso, é essencial reduzir os custos de localizar vazamentos. Por isso a empresa decidiu investir no aprimoramento dessa tecnologia”.

Segundo ele, hoje a detecção de vazamentos depende muito da formação e perícia do operador do aparelho e qualquer erro pode resultar em esburacar inutilmente a rua. “A pesquisa já mostrou que o novo equipamento será mais barato, mais eficiente e mais fácil de operar do que os que temos hoje. Além disso, não precisaremos enviá-los para serem calibrados no exterior, como ocorre atualmente”, explica.

Embora ainda faltem vários aperfeiçoamentos, a primeira versão do protótipo atraiu a atenção de potenciais fabricantes do novo aparelho. Um deles é uma empresa nacional que pesquisa o uso de inteligência artificial na detecção de vazamentos, também por meio de projeto financiado pelo PITE da FAPESP. O outro é uma companhia estrangeira que já fabrica e exporta esses equipamentos para o Brasil.

Perdas por vazamento
Reduzir as perdas de água tratada é questão estratégica em termos globais. As mudanças climáticas vêm agravando a situação e a grave crise hídrica recentemente vivida pelo Brasil mostra que o país não está a salvo do problema, mesmo dispondo de uma das maiores reservas de água doce do mundo.

Atualmente, os sistemas de distribuição de água no Brasil perdem mais de um terço (37%) da água tratada, a maior parte por vazamentos e o resto por fraudes e erros de leitura. Segundo o Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), depois de cair de 41,6% para 37% entre 2009 e 2013, as perdas se estabilizaram. Os países com menores perdas de água tratada são os Estados Unidos, com 13%, e a Austrália, com 7%. Nesse ranking, o Brasil fica atrás da Sérvia, Vietnã, Bangladesh, México, Rússia e China, entre outros, de acordo com informações do International Benchmarking Network for Water and Sanitation Utilities em 2011.

Segundo o SNIS, muitas cidades do Norte e Nordeste chegam a perder três de cada quatro litros de água tratada. Com isso, o faturamento de muitas distribuidoras não cobre nem os custos operacionais, quanto mais a expansão da rede. Grave quando se pensa que 80% da população dessas regiões vive em cidades que precisam de ampliação da rede de distribuição. No caso da Sabesp, as perdas chegaram a quase 32% da água tratada em 2016 ou 858 bilhões de litros, dois terços dos quais por conta de vazamentos.

O correlacionador de sinais
A tecnologia dos correlacionadores de sinais é a que oferece maior precisão para localizar vazamentos em tubulações enterradas. Seu potencial fica evidente na experiência da Inglaterra, que intensificou o uso desses aparelhos a partir de 2007, depois de uma longa estiagem. Segundo Almeida, desde então, o país reduziu suas perdas de cerca de 40% para menos de 20%.

Os correlacionadores de sinais têm como base a medição das vibrações da tubulação em dois pontos em torno da área onde há suspeita de vazamento e a comparação dos resultados. Como o sinal da vibração se atenua conforme a distância percorrida, a diferença entre os dois sinais permite estimar a localização do vazamento.

A vantagem do aparelho nacional é que ele foi concebido a partir do conhecimento das características específicas do sinal vibratório de vazamentos das tubulações usadas aqui e no solo onde estão enterradas. Com isso e com software capaz de reduzir ruídos e interferências, o protótipo preliminar foi capaz de localizar 100% dos vazamentos nos campos de testes da Sabesp.

“Embora no mundo real a eficácia deva ser menor, os resultados já indicam que o aparelho localiza os vazamentos com muito mais precisão do que os equipamentos que existem no mercado e ainda estamos aprimorando o protótipo”, explica Almeida.

A primeira fase da pesquisa, iniciada no fim de 2015, identificou as características do sinal vibratório dos vazamentos e mediu sua velocidade de propagação nos tubos. Desse estudo resultou a descoberta de que o tipo de solo influenciava muito o resultado.

Então, com os dados coletados, os pesquisadores produziram a primeira versão do software e o primeiro protótipo de correlacionador de sinais. Até o final do ano, deverão finalizar uma nova versão do software capaz de desconsiderar, além das vibrações estranhas ao vazamento, também as interferências elétrico-eletrônicas produzidas pelos sensores. O novo protótipo será menor e terá comunicação wireless com os sensores.

 

Publicado por Rosângela Ribeiro Gil
Comunicação SEESP
Notícia reproduzida a partir da Unesp Agência de Notícias (UnAN)

 

 

 

 

A Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias da Universidade Estadual Paulista (FCAV/Unesp), em Jaboticabal (SP), vai instalar ainda este ano uma incubadora de empresas de tecnologia voltadas ao agronegócio, a InovaJab. Segundo informações da instituição, o projeto depende apenas de adequações de um prédio. A partir daí, a incubadora terá capacidade de receber até dez empresas.

A InovaJab oferecerá oportunidades para alunos, ex-alunos e professores da faculdade interessados em criar uma empresa no ramo do agronegócio. “Em um primeiro momento, a incubadora será direcionada para os alunos e professores, para que eles possam se desenvolver utilizando a estrutura e a parceria com a faculdade, até conseguirem criar uma independência e, assim, se estabelecerem na cidade ou região”, informou o diretor da FCAV/Unesp, Pedro Luís da Costa Aguiar Alves.

A instituição de ensino firmará ainda parceria com a Prefeitura Municipal de Jaboticabal, que oferecerá a manutenção do imóvel, mas, segundo Alves, pretende criar vínculos também com outras instituições da cidade, como a Faculdade de Tecnologia de São Paulo (Fatec), escolas e outras faculdades locais.

 

Publicado por Rosângela Ribeiro Gil
Comunicação SEESP
Informação da Unesp Agência de Notícias (UnAN)

 

 

 

A Universidade Estadual Paulista (Unesp) abriu, nesta segunda-feira (15/5), inscrições para os programas de pós-graduação dos cursos de Engenharia Civil e Ambiental, Engenharia Elétrica, Engenharia Mecânica e Engenharia de Produção.

Há vagas para alunos regulares e especiais – estes últimos possuirão vínculo apenas com a(s) disciplina(s) estabelecidas pelo Conselho, e ao término do semestre, deverão participar de novo processo seletivo para ingressar como aluno regular ou especial.

O Programa de Engenharia Civil e Ambiental é interunidades, por isso oferece vagas em Bauru, Guaratinguetá, Rio Claro e Sorocaba; já os demais cursos serão realizados apenas no campus da Unesp de Bauru.

Para realizar a inscrição, é necessário conferir o edital com as especificações da documentação necessária. Confira abaixo:

Engenharia Civil e Ambiental
Período de inscrição: 15/5 a 9/6
São 12 vagas para alunos regulares (graduação concluída) de Mestrado, sendo seis para a área de Geotecnia e as demais para a área de Saneamento; quatro vagas para alunos regulares (graduação em andamento) de Mestrado, sendo duas para Geotecnia e duas para Saneamento; e nove vagas para alunos regulares (graduação/mestrado concluídos) de Doutorado, sendo cinco para a área de Geotecnia e quatro para a área de Saneamento. A princípio, não há perspectivas de oferta de bolsas. Confira o edital aqui.

Engenharia Elétrica
Período de Inscrição: 15/5 a 9/6
São dez vagas para alunos regulares (graduação concluída) de Mestrado, cinco para alunos regulares (graduação em andamento) e 16 para alunos regulares de Doutorado. Leia o edital aqui.

Engenharia Mecânica
Período de Inscrição: 15/5 a 9/6
São até 20 vagas para alunos regulares de Mestrado e até 20 para alunos regulares de Doutorado. Todas as informações no edital aqui.

Engenharia de Produção
Período de Inscrição: 15/5 a 9/6
São nove vagas (graduação concluída) para alunos regulares de Mestrado, uma vaga (graduação em andamento na Unesp) para aluno regular de Mestrado e 12 para alunos regulares (graduação/mestrado concluídos) de Doutorado. Leia o edital aqui.

 

Publicado por Rosângela Ribeiro Gil
Comunicação SEESP
Com informações da Agência Unesp de Notícias (UnAN)

 

 

 

Os 50 anos de atividade da Faculdade de Engenharia de Bauru (FEB) foram comemorados no dia 11 de abril último, no anfiteatro da Universidade Estadual Paulista (Unesp), na cidade. A atividade reuniu alunos, profissionais formados pela instituição, professores e autoridades.

Na oportunidade, foi lembrado que a faculdade foi encampada pela Unesp na década de 1980 no então governo de Orestes Quércia, o que significou uma valorização dos cursos com a inclusão da pesquisa e da extensão.

Hoje, a FEB tem 1.270 estudantes matriculados, quatro cursos de graduação, quatro de mestrado e doutorado e ainda 11 especializações. Por ano, a faculdade forma 170 engenheiros.

A aula inaugural na FEB, do curso de engenharia mecânica, foi realizada em 1º de maio de 1967. Confira, a seguir, vídeo com a atividade comemorativa. 

https://www.youtube.com/watch?v=6lkVLbIgPAw&feature=youtu.be

 

Rosângela Ribeiro Gil
Comunicação SEESP

 

 

 

 

 

 

Em comemoração aos 150 anos da primeira ferrovia de São Paulo, a Universidade Estadual Paulista (Unesp) em parceria com a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) lançará, nos dias 18 e 19 de fevereiro, um aplicativo que contará a história ferroviária. Com o novo recurso, os passageiros do Expresso Turístico poderão consultar durante as viagens um mapa on-line, que identificará as estações e as respectivas datas de inauguração.

O aplicativo foi desenvolvido dentro do Projeto Memória Ferroviária, da Unesp (Câmpus de Rosana, Assis e Bauru), coordenado pelo professor Eduardo Romero de Oliveira. Para explicá-lo, o pesquisador e criador do dispositivo, Ewerton de Moraes, fará uma apresentação no Expresso Turístico Jundiaí neste sábado, dia 18, e na viagem para Paranapiacaba no domingo, dia 19.

Os amantes da história da ferrovia também terão a oportunidade de conhecer a maquete da primeira locomotiva da São Paulo Railway, cedida pela ABPF (Associação Brasileira de Preservação Ferroviária).  A locomotiva Enterprise entrou em operação em 1861 e ficará exposta na Estação da Luz, neste sábado, das 8h às 16h.

Batizado como “SPR 150”, o aplicativo homenageia a São Paulo Railway, companhia inglesa que operava a linha Santos – Jundiaí. Em 1992, a linha foi dividida e coube a CPTM administrar os trechos Luz – Jundiaí, pela Linha 7-Rubi (antiga Linha A), e Brás – Rio Grande da Serra, pela Linha 10-Turquesa (antiga Linha D). Os dois trajetos também são utilizados pelo Expresso Turístico que oferece viagens para Jundiaí e Paranapiacaba. A operação entre Rio Grande da Serra e o Porto de Santos é realizada atualmente pela MRS, que obteve a concessão para a circulação dos trens de carga.

Para baixar o programa, é preciso ter um celular Android e acessar o link ou utilizar o QRCode abaixo:

 

Comunicação SEESP
Notícia da Notícias Unesp

 

 

 

 

A Universidade Aberta à Terceira Idade da Unesp de Araraquara (Unati) contribui para o reconhecimento e consolidação do trabalho desenvolvido pela Unesp junto à população dessa faixa etária e incentiva o envolvimento de docentes, funcionários e alunos de graduação e pós-graduação. O Núcleo de Araraquara envolve as quatro unidades distintas do Câmpus: Faculdade de Odontologia, Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Faculdade de Ciências e Letras e Instituto de Química.

O objetivo principal do projeto Unati-Araraquara é incentivar o acesso dos idosos ao meio universitário, possibilitando a aquisição de novos conhecimentos e incentivando a troca de experiências entre os participantes e a comunidade acadêmica.

O evento Unatiando - 1ª Mostra das atividades consiste na apresentação de todas as atividades desenvolvidas em 2016. Essas apresentações serão em forma de vídeos e encenações. Atualmente, o Núcleo de Araraquara, conta com 180 idosos ativos nessas atividades que são programadas durante os dias da semana, para atender a demanda do grupo. Sendo elas: Palestras técnico/científicas, oficinas, dinâmicas de grupos sobre temas de interesse geral ou específicos para todo o grupo; Cursos para turmas pré-definidas como: Informática: básico, Internet, redes sociais e fotos digitais; Idiomas: inglês, francês, alemão, espanhol e italiano; Atividades: Artísticas: teatro, coral e dança; Cultural: mitologia grega; Artesanato: tricô, ponto cruz, pintura em tela e tecido e Lazer: cinemas entre outras.

A atividade será no dia 22 de novembro próximo, às 14h, na Faculdade de Odontologia de Araraquara/Unesp – Anfiteatro do 6º andar.

 

 

Comunicação SEESP
Notícia da Unesp Agência de Notícias

 

 

 

 

 

 

 

Unesp AraraquaraO número de depósitos de patentes na Universidade Estadual Paulista (Unesp) cresceu de 5 para 84 entre as décadas de 1990 e 2000, atingindo um total de 130 em 2012. “Nos anos de 2010, já é possível visualizar que esse número será maior do que na década passada”, afirmou Rondinelli Donizetti Herculano, professor da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Unesp de Araraquara e coordenador da pesquisa sobre patentes.

De acordo com a Assessoria de Comunicação e Imprensa da Unesp, os principais fatores apontados por Donizetti foram a criação da Agência Unesp de Inovação (AUIN); a promulgação de novas leis, como a de estímulo à proteção da propriedade intelectual; e a cobrança da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) por excelência nos Programas de Pós-Graduação, o que gera uma busca por aumento dos conceitos (notas), consequentemente, uma maior procura dos docentes por depósitos de patentes.

De acordo com o levantamento, as primeiras posições em concentração de número de patentes são Araraquara (37,7%); Botucatu (15,4%); Rio Claro (9,2%); Guaratinguetá (7,7%); e Ilha Solteira (6,1%). Já em unidades como Assis, São Paulo ou Ourinhos, o deposito de patentes é mais baixo: 1,5%; 0,7%e 0,7%, respectivamente.

Além do perfil tecnológico, Donizetti constatou que a produção se concentra mais em locais de grande concentração de empresas, como Araraquara, Bauru, Botucatu, Jaboticabal e Rio Claro.

“Araraquara e Botucatu somam mais de 50% das patentes. A unidade de Araraquara, sozinha, tem aproximadamente 40% de toda a universidade, isto porque eles desenvolvem produtos que favorecem o patenteamento”, ressaltou.

Na análise por área, as que mais solicitam patentes são as de química (25,3%); saúde (22,3%); instrumentação (18,5%); pedido de sigilo (quando não especifica a área) (11,5%); e agricultura (5,4%). Porém, existem áreas que pedem patentes, mas têm valor baixo, a exemplo da bioquímica (0,77%); transporte (0,77%); vestuário (0,77%); desenho industrial (1,54%) e alimentos (1,54%).

Donizetti ressaltou, no entanto, que a maior questão não é o número de patentes depositadas pela universidade, e sim quantas patentes entrarão no mercado via empresas. “Muitas vezes um pesquisador deposita vários pedidos de patentes, mas nenhuma empresa tem interesse em adquirir a patente. Ou seja, o pedido não se torna um produto”, explica o professor. 

 

 

Fonte: Agência Fapesp

 

 

 

 

 

 

 

A Universidade Estadual Paulista (Unesp), campus de Rosana, abriu processo seletivo para preenchimento de vagas para professor-assistente doutor e professor doutor. São dois concursos públicos. O primeiro é para contratar um professor-assistente doutor na área de engenharia elétrica. O prazo para participar é até o dia 8 de agosto.

A outra seleção é para preencher a vaga de professor doutor que deverá ministrar as disciplinas de fenômenos de transportes e mecânica. As inscrições seguem até 15 de agosto. Os interessados em atuar na universidade devem comparecer à unidade, que fica na Avenida dos Barrageiros, 1.881, no distrito de Primavera, em Rosana.

 

Imprensa SEESP
Com informação da Unesp

 

 

 

 

 

 

 

 

Mar InstitutoO litoral paulista é o quinto mais extenso do Brasil, com 622 quilômetros e ocupado por mais de 2 milhões de habitantes. Com o objetivo de explorar os potenciais científicos da região para o uso sustentável dos seus recursos e em benefício da população, a Universidade Estadual Paulista (Unesp) criou o Instituto de Estudos Avançados do Mar (IEAMar), composto por três unidades: duas em São Vicente, no litoral, e uma em São José dos Campos, no Vale do Paraíba.

A iniciativa reúne 117 pesquisadores de diversas unidades da Unesp e profissionais de outras instituições e de empresas com atuação em áreas relacionadas aos recursos marinhos e a zonas litorâneas do Brasil e de outros países.

“A Unesp pretende que o IEAMar se consolide como um centro de excelência voltado aos três pilares da universidade: ensino, pesquisa e extensão, trabalhando na fronteira do conhecimento desde a pesquisa básica até o desenvolvimento de novos produtos, processos e serviços, fazendo transferência de tecnologia para a indústria e para a sociedade – especialmente a população do litoral paulista, que precisa se beneficiar do avanço da ciência e da inovação voltado à exploração sustentável dos recursos marinhos e à preservação ambiental”, disse Peter Christian Hackspacher, do Instituto de Geociências e Ciências Exatas (IGCE) da Unesp, em Rio Claro, e coordenador do IEAMar.

As atividades de pesquisa e de cunho tecnológico que serão desenvolvidas no IEAMar serão divididas em cinco grandes áreas: Geologia Marinha, abrangendo tecnologias sobre hidrocarbonetos em áreas de pré-sal e exploração de energia e minerais; Oceanografia, com foco nos movimentos da água, do mar e da chuva; Gestão de Recursos Naturais, contemplando a compreensão da biodiversidade local, a preservação dos ecossistemas e a identificação de matrizes para produtos farmacêuticos; Meio Ambiente, em especial as mudanças climáticas e assuntos relacionados a água potável, a ambientes poluídos e ecotoxicidade; e Recursos Pesqueiros, tratando de produção de alimentos e realizando levantamentos da fauna marinha.

Multiusuários
As atividades do instituto até agora incluem o treinamento de professores e funcionários técnico-administrativos da Unesp para utilização de alguns dos 160 equipamentos multiusuários disponíveis para a comunidade científica e a iniciativa privada parceira. Entre esses equipamentos estão um sistema que integra um espectrômetro de massas e um cromatógrafo líquido de alta performance.

Técnica que caracteriza moléculas por meio da medida da relação entre a massa e a carga de seus íons, a espectrometria de massas é empregada na análise de misturas orgânicas complexas e da estrutura de compostos orgânicos, na determinação da composição isotópica dos elementos e no estudo e identificação de proteínas, entre outros propósitos.

Um sistema de espectrometria de massas pode incluir um cromatógrafo que tem a função de separar as moléculas presentes em misturas complexas. O cromatógrafo acoplado no equipamento do IEAMar permite, por exemplo, a avaliação de vestígios de produtos químicos residuais para garantir a segurança dos alimentos e a avaliação de impurezas para melhorar ainda mais a qualidade do produto.

O instituto também conta com equipamentos de microscopia confocal, que permite aumentar o contraste da imagem microscópica e construir imagens tridimensionais em alta definição. A tecnologia é importante, por exemplo, para a obtenção de imagens de amostras vivas e de informação computadorizada tridimensional na pesquisa biológica e na análise química e de materiais.

O IEAMar também será responsável pelo primeiro radar meteorológico dedicado à cobertura do litoral paulista, integrado à rede de radares da Unesp.

Além da infraestrutura para atividades de pesquisa, o IEAMar deve contar com um programa de pós-graduação em estudos avançados do mar, com o objetivo de contribuir para a formação de recursos humanos para atuação em pesquisa, inovação tecnológica e desenvolvimento de produtos, processos e serviços relacionados ao litoral paulista e a águas internacionais. O programa deverá ser voltado a pesquisadores com conhecimentos nas áreas de Química, Biologia, Geologia, Oceanografia, Farmácia, Zootecnia e engenharias, entre outras.

Também deverá ser oferecido mestrado profissional em Gestão Marítima, Fluvial e Portuária, uma vertente do mestrado profissional em Engenharia da Produção da Unesp. O objetivo é capacitar recursos humanos em temáticas relacionadas a gestão de cargas, materiais, transporte, energia, sistemas de informação, logística, comércio exterior, meio ambiente, inovação e resultados, entre outras.

O IEAMar conta com recursos do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), na ordem de R$ 25 milhões, e da própria Unesp, de R$ 10 milhões. Estima-se que todos os laboratórios estejam funcionando nos próximos dois anos. Mais informações em www.ieamar.unesp.br.

 

Fonte: Agência Fapesp
Foto: Wikimedia Commons 

 

 

 

 

 

 

 

Página 1 de 4

agenda