GRCS

Mostrando itens por marcador: Parque Tecnológico de Sorocaba

OS2 Comunicação

O programa Startup SP, uma parceria entre o Parque Tecnológico de Sorocaba e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-SP), está com inscrições abertas até o próximo dia 10, para o desenvolvimento de projetos de startups digitais.

Dez projetos serão selecionados para receber o apoio do programa por quatro meses para validar a proposta de valor ao negócio e conquistar aceitação do mercado. Além das oficinas e do acompanhamento do desenvolvimento dos negócios, o Startup SP promoverá também a conexão dos selecionados com investidores e aceleradoras.

Para se inscrever, a equipe deve ter, no mínimo, dois integrantes; disponibilidade para participar de toda programação; o negócio inscrito deve ser digital e a startup deve estar no momento de validação do produto ou serviço.

O comportamento empreendedor, modelagem de negócios, validação, testes de mercado, vendas, marketing digital e captação de investimento, estão entre os assuntos abordados no programa.


>>> Mais informações, clique aqui 

>>> Para se inscrever, clique aqui 

 


Foto: Divulgação
Parque Tecnológico de Sorocaba Divulgação
Parque Tecnológico de Sorocaba.

 

 

 

 

 

 

 

Comunicação SEESP*

A startup Stattus4, que há um ano está incubada no Parque Tecnológico de Sorocaba, ficou em terceiro lugar no Prêmio BID-Femsa 2017 (Banco Interamericano de Desenvolvimento com o Fomento Econômico Mexicano), em Buenos Aires, na Argentina, levando para casa o valor de US$ 5.000,00 . A premiação, realizada em 13 e 14 de novembro, reconheceu soluções inovadoras da América Latina e Caribe nas áreas de águas, saneamento e resíduos sólidos.

A Stattus4 desenvolveu um sistema que monitora a rede de abastecimento em tempo real, maximizando as chances de detectar vazamentos de água na rede pública. O Fluid: Sistema de Detecção Automática de Vazamento em Ramais foi o único projeto brasileiro finalista e concorreu com projetos de outras cinco startups do Peru, Chile, Colômbia (dois projetos) e México. 

Atualmente, estados e municípios lutam diariamente para detectar os vazamentos de água na rede pública e diminuir a perda milhões de litros, que impacta diretamente nos recursos naturais e no dinheiro público. O problema é que a busca de vazamentos é feita manualmente, por profissionais altamente especializados, chamados geofonistas. 

“Em outra empresa desenvolvemos um geofone tradicional, aparelho utilizado usualmente para identificar vazamentos. E aí identificamos a dificuldade que é este trabalho e os riscos que o trabalhador sofre como extensas caminhadas entre as casas no sol quente, cachorros etc.”, conta Marília Lara, sócia fundadora da Stattus4. De acordo com o Instituto Trata Brasil, hoje o País perde, em média, 37% da água coletada por vazamentos nos ramais, ou seja, no encanamento entre a rua e as casas.

O projeto brasileiro “Fluid” é um sistema com sensores que mapeiam vazamentos e enviam os dados para um software, permitindo aos técnicos se dirigirem diretamente para as ruas indicadas. A tecnologia desenvolvida pela startup utiliza Inteligência Artificial para analisar os dados. Segundo Lara, o sensor é uma espécie de ouvido biônico, que são conectados nos cavaletes das casas e, por meio da vibração dos encanamentos, detectam os sons que indicam a probabilidade de haver vazamento.

Com isso, a procura por esses vazamentos deixa de ser manual e toda rede de abastecimento passa a ser monitorada em tempo real, maximizando as chances de encontrar vazamentos e evitar o desperdício de água.

No município de Santa Barbara D’Oeste, o Departamento de Água e Esgoto (Daae), registrava 41% de perda de água. Após a Stattus4 ter aplicado o sistema foram detectados dois vazamentos, sendo que após o conserto de apenas um deles, a perda diminuiu para 18%. As cidades de Sorocaba (SP), Votorantim (SP) e de Itabirito (MG) também já utilizam o sistema premiado.

Para desenvolver a tecnologia, a startup contou com uma equipe formada por engenheiros eletrônicos, matemáticos, cientistas de dados, engenheiro da computação e geofonista. "Nosso próximo passo é focar na comercialização do Fluid, que começou este ano, e abrir contatos para fora do Brasil. A dor de perda (da água) é igual em todos os países e a forma de detectar vazamentos é relativamente parecida com a tradicional", externa Lara. 

Incubação
A Hubiz, incubadora do Parque Tecnológico de Sorocaba, oferece apoio para a modelagem da proposta de valor, planejamento de negócios, desenvolvimento tecnológico, estratégica de marketing e vendas, mercado e finanças e difusão da cultura empreendedora.

Em 2016, a Hubiz foi uma das cinco incubadoras brasileiras vencedoras do Prêmio de Incubação e Aceleração de Impacto, promovido pela Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec), Instituto de Cidadania Empresarial (ICE) e Sebrae. 

*Informações de Os2 Comunicação

 

 

De assessoria de comunicação

O edital das inscrições para o processo seletivo de incubação de novas empresas na Hubiz, incubadora do Parque Tecnológico de Sorocaba (PTS), termina no próximo domingo, dia 15 de outubro. As empresas aprovadas se juntarão a outras 20 startups que hoje recebem toda assessoria feita pela Hubiz.

O edital é destinado a pessoas físicas ou jurídicas, individualmente ou em grupo, cujas propostas tenham como o objetivo o desenvolvimento ou geração de produtos, processos e serviços inovadores e/ou de base tecnológica. “Acredito que ser empreendedor é a profissão do século 21. Por isso incentivamos pessoas e empresas a transformar ideias em negócios”, diz Marcelo De Santis Ferreira, coordenador de incubação da Hubiz.

Podem se inscrever projetos de todo o país nas seguintes áreas: automotiva, biotecnologia, eletroeletrônica, energias alternativas, engenharia biomédica, fármacos e produtos naturais, metal mecânica, novos materiais, serviços inovadores, sistemas de produção, tecnologias da informação e comunicação, economia criativa e impacto social.

As propostas serão avaliadas por um comitê técnico especializado – composto por representantes de instituições parceiras da Inova Sorocaba, agência que administra o PTS – e eventualmente algum convidado.

As empresas vencedoras terão acesso a toda a estrutura do PTS e aos serviços oferecidos pela incubadora, tais como consultorias, assessorias, palestras e workshops, entre outros, além de estarem inseridas em um ambiente de inovação, que propicia o intercâmbio de ideias e tecnologias.

As inscrições devem ser feitas por meio do link http://sgi.macropus.com.br/hubiz/edital/ . Informações pelo telefone (15) 3416-6160.

 

A Agência Unesp de Inovação inaugurou, no dia 6 último, um escritório no Parque Tecnológico de Sorocaba (PTS). No mesmo evento também foi inaugurado o Poupatempo da Inovação e laboratórios de diversas universidades do país, inclusive da Unesp.

A cerimônia, realizada no Parque Tecnológico, contou com a presença do reitor da Unesp, Julio Cezar Durigan, da diretora executiva da Agência Unesp de Inovação, Vanderlan Bolzani, diretores de universidades, do prefeito de Sorocaba, Antônio Carlos Pannunzio, e do secretário do Ministério da Ciência e Tecnologia, Osvaldo Batista Duarte Filho, que representou o ministro Marco Antonio Raupp.

De acordo com a professora Vanderlan da Silva Bolzani, a Agência servirá como vitrine do conhecimento científico da Unesp para o desenvolvimento social e econômico regional. “Um país sem inovação tecnológica não tem futuro. Hoje demos um salto para que possamos nos tornar um exemplo permanente”, disse a professora e diretora executiva da Agência Unesp de Inovação. Para a implementação e operacionalização das atividades no novo escritório a Agência contou com a Fundunesp (Fundação para o Desenvolvimento da Unesp) como parceira essencial.

O Parque Tecnológico de Sorocaba é um centro de pesquisas para empresas e universidades. O parque concentra sete universidades e vinte e três laboratórios das instituições Unesp, PUC-SP, Uniso, Ufscar, Fatec, Facens e Poli-USP. Osvaldo Batista enfatizou que o PTS fomentará o encontro de universidades, institutos de pesquisa e empresas, e, assim, proporcionará "um trabalho articulado e que irá mudar os paradigmas nas relações de pesquisa".

O laboratório da Unesp no Parque vai desenvolver atividades de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I) em meio ambiente, automação e processamento de imagens. Os equipamentos são de análises de compostos orgânicos e inorgânicos e de processamento de imagens e sistemas microprocessados.

Entre as empresas que já estão no PTS estão a Bardella, Metso, Green Works, IQA, Jaraguá, FIT, Scania, entre outras. Segundo Durigan: ”Os países que investiram em interação com empresas são os países desenvolvidos”, diz o reitor. “Inovação boa é aquela que traz melhorias para a comunidade”, completou Julio Cezar Durigan em seu discurso.

 

Fonte: Agência Unesp de Notícias






agenda