logo seesp ap 22

 

BannerAssocie se

01/02/2022

Fiscalização e soluções de engenharia poderiam evitar acidente em obra do metrô

 

Soraya Misleh/Comunicação SEESP

 

Ainda sem uma investigação preliminar e apuração das causas do acidente em obra da linha 6 do metrô, técnicos buscam encontrar respostas quanto à ocorrência que resultou em uma cratera na Marginal Tietê na manhã desta terça-feira (1º./2).

 

Cratera aberta na Marginal Tietê após ruptura de coletor de esgoto. Imagem: Reprodução vídeo 

A linha 6 do metrô deve ligar Brasilândia, bairro periférico na zona noroeste da Capital, a São Joaquim, e contará com 15 estações. Objeto de parceria público-privada com histórico bastante controverso, cujas obras ficaram paralisadas desde setembro de 2016 e foram retomadas somente sob novo concessionário – o grupo espanhol Acciona – em julho de 2020, o empreendimento vem sendo realizado, contudo, sem o acompanhamento próximo da Companhia Metropolitana de São Paulo (Metrô-SP). Toda a construção, operação e implementação está a cargo da empresa estrangeira.

 

“É uma PPP sem essa participação. E o Metrô-SP é muito exigente, é difícil dar problema. É referência internacional”, observa o engenheiro da companhia Emiliano Stanislau Affonso Neto, diretor do SEESP, destacando ainda a expertise de seu quadro técnico.

 Emiliano Stanislau Affonso Neto: sem participação do Metrô-SP. Foto: Acervo SEESP

 

Sem especular as causas do acidente, ele ressalta que “uma boa mobilidade é muito importante para o desenvolvimento da cidade e qualidade de vida das pessoas”. Dada sua essencialidade, continua, “em muitos locais no mundo, está a cargo de empresas públicas”.

 

Em 2018, diante do impasse com a paralisação das obras da linha 6 por quase dois anos então a cargo do Consórcio Move São Paulo, engenheiros e população afetada chegaram a reivindicar que o Governo do Estado assumisse a execução e operação da linha.

 

À época, Nestor Tupinambá, engenheiro aposentado do Metrô-SP e também diretor do SEESP, fez uma observação que agora, diante do acidente, poderia ser apresentada como crônica de um desastre anunciado: “Muitas estações previstas terão escavações muito profundas, com mais de 50 metros abaixo da terra, o que, além de encarecer o projeto, requer mão de obra muito especializada, como a dos engenheiros do Metrô.”

 

Hipóteses

 

Sua hipótese para o acidente nesta terça é que uma regra básica não foi seguida: manter uma distância segura entre o shield (tatuzão) e interceptores de esgoto de aproximadamente 20 metros. “Pelas informações que tivemos, o shield passou a uma profundidade de cinco metros da galeria em direção ao seu poço de saída [na Marginal Tietê]”, explica.

 

Nestor Tupinambá: regra básica não foi seguida. Foto: Acervo SEESP

 

Em suas primeiras declarações à imprensa, o secretário estadual dos Transportes Metropolitanos de São Paulo, Paulo José Galli, disse que o tatuzão teria passado a uma distância ainda menor: três metros de profundidade da galeria. Contudo, ele frisou que o shield não se chocou com ela e que a cratera foi resultado do rompimento do interceptor de esgoto. Tupinambá ratifica essa informação, de que não houve choque. A questão é que, para o engenheiro, o shield não seguiu uma regra básica de segurança e, portanto, sua passagem provavelmente ocasionou a ruptura. Ele enfatiza ainda que “a coletora da Sabesp era novinha, inaugurada em 2018. Não tinha como não estar no cadastro”.

 

Segundo atesta o geólogo Álvaro Rodrigues dos Santos, toda a região é muito estudada e conhecida geologicamente. “Pelas primeiras informações, imagino que não foi um problema relacionado a questões geológicas ou geotécnicas. Se se confirmar essa hipótese de que a passagem do tatuzão rompeu a adutora ou coletora, foi um erro primário no plano de condução da obra, beira a irresponsabilidade”, afirma.

 

Para Tupinambá, que atuou como engenheiro por 44 anos no Metrô-SP em projetos das linhas 3, 2, 5, além de trólebus e monotrilho, coordenando várias obras afins, soluções técnicas poderiam evitar o acidente. Além de rebaixar o shield conforme a regra básica, reforçar a galeria com injeção de cimento, tubo de aço ou estacas raiz, integrando-a à estrutura do metrô, seriam medidas de engenharia para tanto.

 

Garantir acompanhamento do Metrô-SP e fiscalização à obra são outras de suas recomendações para que São Paulo não mais amanheça com a surpresa de uma cratera no meio de suas vias. No caso, da Marginal Tietê, felizmente sem vítimas fatais.

 

 

Lido 2590 vezes

Comentários   

# No passado .....com orgulho e hoje o caos....Fabio Nogueira Tranq 03-02-2022 13:32
Fomos os primeiros a escavar tuneis pelo processo Shield na América Latina ......Na construção da linha 1 azul do Metro os desafios eram com relação as interferências construtivas como a fundação de prédios no Centro de SP se nao me falhe a memória a couraça mecanizada passa a poucos metros de uma fundação de uma viga de um prédio . E o todo o cuidado para passar com a Tuneladora ......E a remoção da estrutura em filagens encravadas que interferiam na passagem da seção no viaduto Bela Vista !!!!! Isso e retratado na revista do Instituto de Engenharia na comemoração dos 30 anos da Companhia do Metropolitano de SP ......"Lembranç a"
Responder
# Fiscalizaram?Luis 03-02-2022 09:51
Quantas ART são efetuadas diariamente e quantas o CREA faz vistoria ou acompanha as grandes obras?
Responder
# Acidente em Obra do MetrôFRANCISCO DE ASSIS S 02-02-2022 11:08
Bom Dia!!! Na quarta a refletir a terça. Após a análise cuidadosa do excelente texto dos colegas Diretores do SEESP, Emiliano e Nestor e do competente colega Álvaro Rodrigues, trabalhamos juntos no IPT, fico a pensar o que será que está a acontecer com a nossa engenharia? E os nossos colegas de profissão, será que conseguirão levá-la em frente sem ocorrências desse tipo? Entramos numa zona de risco considerável. Tudo está a mudar, para pior!!!!
Responder

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar



Receba o SEESP Notícias

E-mail:

agenda