GRCS

20/06/2012

Norma facilita certificação de sistemas de gestão ambiental

Para facilitar a certificação dos Sistemas de Gestão Ambiental (SGA) das micro e pequenas empresas (MPE), o Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) e a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) lançaram nesta terça-feira (19/06) a ABNT NBR ISO 14005. A norma orienta os empreendimentos durante o processo de implementação dos requisitos previstos na ABNT NBRISO 14001.

O documento foi lançado no Espaço Sebrae de Educação, durante a Rio+20. A elaboração dessa ferramenta, que entrou em vigor em 16 de junho, contou com a participação de empresários apoiados pelo Sebrae.

A norma 14005 também orienta as empresas a utilizarem indicadores de desempenho ambiental, o que possibilitará a mensuração gradativa dos resultados da implantação do SGA nos empreendimentos.

Apesar de não ser obrigatória, a adesão às normas técnicas traz para as empresas vantagens competitivas no mercado, devido à preferência dos compradores por fornecedores que adotam práticas de gestão ambiental.

“Assim como muitas grandes empresas e governos já exigem dos fornecedores a certificação dos sistemas de gestão da qualidade, prevê-se que também será exigida a certificação de sistemas de gestão ambiental”, explica o gerente de Acesso a Inovação e Tecnologia do Sebrae, Enio Pinto.

Reconhecida internacionalmente, a ABNT NBR ISO14005 é comercializada pela ABNT por R$ 164,70. No entanto, as MPE pagam apenas um terço desse valor, R$ 54,90. O restante será custeado pelo Sebrae e ABNT.

A parceria entre as duas instituições foi formalizada em 2010 com um convênio para a disseminação de normas técnicas para o segmento. Desde 2007, as instituições promovem capacitações e sensibilizam os pequenos negócios com o objetivo de aumentar a competitividade por meio do uso de normas técnicas como fator de inovação.

O governo já anunciou que, a partir da Rio+20, as compras públicas serão feitas, preferencialmente, de empresas sustentáveis. O projeto de Lei (PLS 5/2011) inclui a sustentabilidade como critério de desempate nas aquisições governamentais de bens e produtos.

Atualmente, a matéria está em tramitação na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado Federal.

União
As MPE respondem atualmente por cerca de 30% das compras da União. Em 2006, o valor dos negócios foi de R$ 2 bilhões, mas depois da implantação da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa, houve um crescimento de 650%, atingindo um montante de R$ 15 bilhões, em 2011.

 

Imprensa – SEESP
* Informação do site Rio+20

 

Leia também
Líderes indígenas e religiosos rezam pelo planeta na Rio+20
Sustentabilidade será foco das chamadas de Ater, afirma ministro
Negociadores abandonam debate sobre significado de economia verde
Rio+20: chefe da delegação brasileira pede que ricos cooperem
Marcos Terena diz que chegou a hora de índio presidir a Funai
A meta do desenvolvimento sustentável
Rio+20 deve discutir metas sustentáveis, dizem especialistas
Crescimento econômico, agenda social e modelo global em pauta
Sociedade e poder público precisam debater cidade sustentável

Da Rio 92 à Rio+20, um novo projeto em pauta




Lido 1690 vezes

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

agenda