GRCS

05/03/2021

Artigo – Salvar a si próprio e ao país

João Guilherme Vargas Netto*

 

Na gravíssima situação dos brasileiros as instituições públicas estão sendo exigidas a orientarem coerentemente a população.

 

Entre as que têm agido corretamente destaco o movimento sindical que, por meio de suas direções centrais e de inúmeras entidades, vem atuando de maneira unitária e persistente procurando enfrentar os três desafios urgentes que a epidemia coloca.

 

Desde o 5 de janeiro a orientação é precisa: isolamento social e estritas regras de prevenção, vacinação em massa obtendo-se para tanto as vacinas e auxílio emergencial de 600 reais até o fim da pandemia para todos os necessitados (além, é claro, de reforço imediato do SUS, das prefeituras e dos governos estaduais e crédito para as micro e pequenas empresas).

 

É preciso parar com as desculpas fiscais e com as manobras protelatórias dos irresponsáveis.

 

A última nota pública das centrais sindicais é uma forte e tempestiva contribuição à luta de todos, desde o título: “Isolamento social imediato para bloquear contágio e morte – Auxílio Emergencial para resistir”.

 

Levando-se em conta o criminoso descalabro do presidente da República e do ministério da Saúde torna-se urgente a constituição (que, felizmente, está acontecendo), de uma frente informal de instituições públicas, de veículos de comunicação, de entidades médicas e sanitaristas, de prefeitos e de governadores, de parlamentares, de dirigentes políticos e partidários, da Academia, de artistas, das igrejas, das associações de moradores e de todos os movimentos pela vida e pela democracia – na qual participa com relevância o movimento sindical.

 

Na batalha pelos três eixos mencionados acima – isolamento, vacina e auxílio – é necessário garantir a salvação nacional, pois a Pátria está em perigo.

 

Orientar o povo com precisão e confiança para salvar a vida das pessoas e espancar o sufoco, a desorientação, o pânico e o caos é tarefa imediata.

 

Cada dia em que se fica vivo é uma vitória individual; cada dia com menos fome, menos doentes e menos mortes é uma vitória coletiva.

 

Cada vacina aplicada é um esforço de todos para salvar a si próprio e ao país. Vamos à luta com confiança!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

joao guilherme CNTU artigo

 

 *Consultor sindical

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Lido 132 vezes

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

agenda