GRCS

19/08/2019

A inteligência artificial e os “engenheiros-filósofos”

 

Comunicação SEESP/Foto: Beatriz Arruda

 

Realizada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores Liberais Universitários Regulamentados (CNTU) em 16 de agosto, no auditório do SEESP, a 14ª Jornada Brasil 2022 trouxe um tema inusitado: “Inteligência artificial, pensamento e imaginação”. A abordagem coube a Marta Rezende, economista, pesquisadora em filosofia da técnica e colaboradora da CNTU.

Ela iniciou sua preleção destacando a importância de se pensar além da questão da infraestrutura. “Não que não seja a base”, mas, como defendeu a palestrante, há outros aspectos a serem considerados. “Sou a favor da divisão de conhecimentos, mas temos que ter a capacidade de compreender que tudo se conecta em algum momento”, frisou.

Nesse contexto se inseririam os “engenheiros-filósofos”, comentou Rezende, citando o filósofo iraniano Reza Negarestani, “altamente crítico do sistema capitalista, que chama de lama”. “Seriam os engenheiros da computação.” Negarestani introduziria, assim, uma nova ciência da engenharia cognitiva – em que se enquadraria a inteligência artificial.

 

Marta Rezende: tudo se conecta em algum momento.

 

Sob tal ótica, Rezende defendeu o uso sustentável das tecnologias, em que o foco seja o atendimento às necessidades humanas e a eliminação da exploração e opressão. Soluções que precisam ser pensadas conjugando-se ideias e possibilidades, em um “fazer que se realiza no coletivo”. O contrário do que prega a “religião do capitalismo” em que supremo é o “deus dinheiro”, que não aceita limites. “É preciso sair da irracionalidade estúpida através da celebração da vida”, complementou.

 

 

 

Lido 1727 vezes

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

Oportunidades Plataforma 29 04 1

VAGAS DE ESTÁGIO DE ENGENHARIA

agenda