GRCS

17/02/2012

"Atuação da sociedade na Rio+20 dará mais densidade ao conceito de desenvolvimento sustentável"

A avaliação foi feita pelo ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, ao instalar ontem (15) o encontro Diálogos Sociais rumo à Rio+20, organizado pelo Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES/PR), no auditório do Palácio do Planalto. Foi o primeiro de quatro encontros mensais, até o fórum internacional.

 

        A avaliação foi feita pelo ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, ao instalar ontem (15) o encontro Diálogos Sociais rumo à Rio+20, organizado pelo Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES/PR), no auditório do Palácio do Planalto. Foi o primeiro de quatro encontros mensais, até o fórum internacional.

        O governo brasileiro está consciente de que o crescente engajamento da sociedade civil nas discussões a serem apresentadas no fórum Rio+20, que ocorrerá em julho, no Rio de Janeiro, "é fundamental para que o próprio conceito de desenvolvimento sustentável ganhe mais densidade".

        "A atuação forte e decisiva da sociedade na elaboração da agenda da Rio+20 é parte constitutiva do desenvolvimento, que, para nós [governo], implica em eliminar as desigualdades, mais justiça social e uso responsável dos recursos naturais", segundo Carvalho. "Estamos de braços dados, governo e sociedade, no esforço para que a Rio+20 seja bem sucedida", acrescentou.

        Na mesma oportunidade, o ministro-chefe da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, Moreira Franco, destacou que crescer, incluir e preservar são ações que qualificam o desenvolvimento com qualidade de vida. É preciso entender, segundo ele, que "os recursos naturais são finitos, e temos que preservá-los, e a inclusão é fundamental".

        Ele destacou os avanços obtidos pelo País nos últimos anos, principalmente no que diz respeito à questão econômica, com ascensão social em que mais pessoas são incorporadas ao mercado consumidor. Mas é preciso pensar também "que tipo de qualidade de desenvolvimento queremos; que valores construir na sociedade para que haja igualdade de oportunidades".

        É necessário, ainda, segundo ele, que se aplique mais a meritocracia dentre os critérios de seleção das diferentes atividades, porque "a nova classe média não tem pai juiz, político, médico, jornalista. Cada jovem da nova classe média depende do próprio esforço, trabalho e dedicação, e a meritocracia é fundamental para reconhecer os melhores valores".


foto: Lançamento da Cúpula dos Povos da Rio+20 em Porto Alegre, em janeiro
www.fne.org.br
(Agência Brasil)




Lido 2056 vezes

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

agenda