logo seesp ap 22

 

BannerAssocie se

EDITORIAL - Expandir a classe média

Avalie este item
(0 votos)

      Um estudo do professor Waldir Quadros, do Instituto de Economia da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), divulgado pelo jornal O Globo no dia 6 de outubro, aponta para um resultado preocupante: o encolhimento da chamada alta classe média – com rendimentos acima de R$ 3.177,00 e que inclui engenheiros, economistas, médicos e professores universitários.
       De acordo com o trabalho, essa parcela da população, que representava 8,1% das famílias brasileiras em 2007, passou para 7,5% em 2008. Reduziu-se ainda, nesse período, a participação desse estrato entre os ocupados com renda, caindo de 5,7% para 5,1%. Nesse caso, também diminuiu a presença da média classe média, de 9,6% para 9,2%, e da baixa classe média, de 30,6% para 29,8%.
       Para o professor, conforme reproduzido pelo jornal carioca, a situação explica-se pela “baixa performance” da economia brasileira, que tem criado empregos de menor remuneração, apesar da expansão de 5,1% do PIB (Produto Interno Bruto), verificada em 2008.
       O desafio que se coloca à sociedade brasileira como um todo, mas em especial às entidades representativas da classe média, como é o caso do SEESP, da FNE (Federação Nacional dos Engenheiros) e da CNTU (Confederação Nacional dos Trabalhadores Liberais Universitários Regulamentados), é reverter esse quadro. É preciso construir uma sociedade mais igualitária, marcada justamente por uma maior participação dessa camada intermediária, reduzindo-se os extremos de pobreza e riqueza.
       O diagnóstico do professor Quadros dá uma boa indicação do caminho para se atingir esse objetivo: sofisticar a nossa economia. Como os engenheiros vêm defendendo, por meio do projeto “Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento”, além de manter os esforços pela retomada do crescimento, o País deve dar passos certeiros rumo ao desenvolvimento, com ações coordenadas em áreas estratégicas como a biotecnologia e a tecnologia digital, sem falar nas oportunidades da Amazônia e das reservas de petróleo na camada do pré-sal. Além disso, é preciso investir pesadamente em educação, em todos os níveis, e, principalmente, garantir mão de obra qualificada para as atividades do século XXI.

Eng. Murilo Celso de Campos Pinheiro
Presidente

 

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar



Receba o SEESP Notícias

E-mail:

agenda