logo seesp ap 22

 

BannerAssocie se

Mercado - Prioridade é preservar emprego

Avalie este item
(1 Votar)

Rosângela Ribeiro Gil

As negociações salariais do primeiro semestre de 2015 foram difíceis porque se deram numa conjuntura totalmente diferente da dos anos anteriores: retração da atividade econômica, com reflexo direto no nível de emprego, e alta da inflação. Dados do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) indicam que os acordos firmados no primeiro trimestre deste ano alcançaram 0,91% acima do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), ante 1,55% do mesmo período de 2014, um recuo de 0,64%.
Diante da realidade, o diretor técnico do Dieese, Clemente Ganz Lúcio, observa: “Cresce a consciência de que num momento de adversidade, que esperamos e lutamos seja transitório, é importante manter os empregos.”
Essa é a prioridade hoje à mesa de negociações, afirma ele. E argumenta: “Garantir o posto de trabalho e o máximo do poder de compra dos salários significa ter a capacidade de organizar um processo de transição econômica que permita que o Brasil volte a ter um crescimento sustentável.” Conforme matéria publicada na edição 479 do Jornal do Engenheiro, intitulada “Incentivar produção para evitar desemprego”, dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Emprego e Trabalho, indicam que até junho de 2015, o número de demitidos superou o de admitidos no mercado de trabalho em 111.200; no semestre, foram menos 345.417 empregos; e em 12 meses, 601.924.

Por que a recessão
Para Ganz Lúcio, é importante que se entenda o processo recessivo por que passa o País. “Enfrentamos desde a alta de preços decorrente de enchentes ou falta de chuva ou de água em algumas regiões, o custo elevado de outros insumos, como a energia, até a operação Lava Jato, que atinge a área de investimento e da construção pesada, e a própria instabilidade política”, relaciona. Além desses fatores, complementa que ainda tem o Estado brasileiro reorganizando sua gestão fiscal. “Tal cenário se agrava com a crise internacional, que regula a demanda das economias, comprometendo, em parte, a nossa estratégia exportadora.”
O técnico observa que existem setores ainda fora da dinâmica recessiva, casos da agricultura e da indústria ligada à produção mineral. Ganz Lúcio explica que a retração no nível de atividade econômica brasileira vem sendo observada desde 2014, já atingindo a construção civil, as indústrias de transformação, têxtil e de alimentação e o setor automotivo, por conta da concorrência muito pesada com produtos importados, especialmente da China. A novidade, em 2015, segundo o especialista, é o fato de essas dificuldades atingirem comércio e serviços – responsáveis por mais de 70% das ocupações no território nacional.
Outros pontos podem ser contabilizados, informa Ganz Lúcio, como o término de grandes obras públicas associadas à Copa do Mundo 2014.

Ajuste fora de hora
As medidas de ajuste fiscal, implantadas pelo governo federal no final do ano passado, com o intuito de reduzir a dívida pública bruta federal, o déficit externo e frear a alta inflacionária, são criticadas pelo técnico do Dieese. “Elas visam reequilibrar o orçamento da União, entretanto, à medida que reduzem os gastos governamentais, impactam o nível de atividade, porque o governo compra e contrata menos.”
O técnico faz questão de esclarecer que a alta da inflação não tem a ver com demanda nem está associada ao desequilíbrio das contas externas do País. Para ele, se tivéssemos uma inflação decorrente de um excesso de consumo, frear a economia seria razoável. “Não é nosso caso”, realça.
Ganz Lúcio entende que o Estado brasileiro deveria considerar o cenário geral e reprogramar suas intervenções fiscais. “Não dá para fazer ajuste dessa magnitude num contexto de recessão econômica.” Na sua ótica, cada elemento desses isoladamente não é suficiente para gerar as dificuldades ora enfrentadas. “O problema é que todos estão ocorrendo ao mesmo tempo.” Além disso, lamenta que o Banco Central continue a aplicar uma política monetária perversa à economia do País, “com uma taxa de juros escandalosamente alta, que desestimula o capital produtivo”.
Para a recessão não ser longa e não comprometer o projeto de crescimento sustentável do País, ele defende uma mudança radical na política macroeconômica do governo. “Enfrentamos um processo recessivo por conta, também, de o Estado brasileiro não ter feito as reformas necessárias para sustentar outro nível de desenvolvimento, como a tributária, fiscal, política e, inclusive, da comunicação.” E alfineta: “Vivemos as consequências das decisões tomadas e daquelas que não foram encaminhadas.”

JE480Mercado

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar



Receba o SEESP Notícias

E-mail:

agenda