logo seesp ap 22

 

BannerAssocie se

Engenheiro XXI

Avalie este item
(0 votos)

Dicas para se sair bem numa entrevista de emprego

Muitos profissionais percebem, apenas no momento da recolocação no mercado, quais são as suas dúvidas em relação a entrevistas de emprego. Estão relacionadas à postura, segurança, relação entre entrevistador e entrevistado, como expor suas dificuldades e lidar com a ansiedade. A constatação é da coordenadora do setor de Oportunidades & Desenvolvimento Profissional do SEESP, Mariles Carvalho. Ela oferece algumas dicas de como se sair bem nessa hora.

Tudo começa com você

Investir em autoconhecimento é imprescindível em qualquer aspecto da vida. Aqui a palavra chave é auto-observação, questionamento e reflexão.

Motivação

É nítida a diferença de uma pessoa motivada em uma entrevista – ela demonstra energia, interesse e confiança. Esse é um aspecto importante da produtividade e da qualidade do trabalho.

Objetivos

Escreva sempre seus objetivos, porque saber o que quer e como conquistar é o primeiro passo para começar a planejar. Para defini-los, pense na sua situação atual e a desejada, depois pergunte: Como? Quando? Por que é importante? Quais são os meus recursos? Qual é o primeiro passo?      

Inteligência emocional

Identificar e administrar suas próprias emoções em momentos de tensão facilita o pensamento e mantém a atenção no que é importante, o momento da entrevista.

Primeira impressão

Um currículo bem elaborado chama a atenção do selecionador, mas também é importante saber expor os conhecimentos que ali se encontram.

Conhecimento

Tenha informações atualizadas sobre o mercado de trabalho e a empresa a que se candidatou.

Postura

Mantenha uma postura de igualdade e de troca. Ambos estão em busca de um objetivo compartilhado, assim um precisa do outro. Esteja aberto e demonstre seu interesse e expectativas diante do cargo pretendido.

A área de Oportunidades do sindicato tem o objetivo de auxiliar o profissional a se recolocar no mercado de trabalho, oferecendo serviços de análise de currículo, simulação de entrevista e atendimento personalizado. Contatos: Mariles Carvalho – Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo., (11) 3113-2666; Caique Cardoso – Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo., (11) 3113-2669; e Natália Carolina – Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo., (11) 3113-2674.


Qualificação

Aprender a empreender

O Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo (Sebrae-SP) oferece gratuitamente o curso “Aprender a empreender”, na modalidade de ensino a distância (EAD). Serão abordados conceitos sobre mercado, finanças e empreendedorismo. Duração de 30 dias com carga total de 16 horas. Mais informações aqui.

Processos seletivos

O Núcleo Brasileiro de Estágios (Nube) oferece vários cursos gratuitos online, como o “Tenha sucesso em processos seletivos”, que busca facilitar a entrada no mercado de trabalho, por meio de dicas assertivas e exercícios teóricos. O objetivo é fazer com que os candidatos aprendam a enfrentar o desafio sem medos e com mais segurança. Saiba mais.


De olho no mercado

Avanço das mulheres na engenharia

Segundo o gerente da Michael Page, Diego Mariz, as empresas não têm barreira com relação à mão de obra feminina na área. O que ocorre, argumenta ele, é que o mercado continua bastante masculino porque a engenharia não é uma graduação que atraia, de modo geral, o público feminino. “E isso se reflete no mercado diretamente”, explica. Lançado ao final de 2014, estudo encomendado pelo SEESP ao Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), intitulado “Perfil ocupacional dos profissionais de engenharia no Estado de São Paulo”, confirma que a categoria ainda é majoritariamente masculina – em 2013, os homens representavam 81% do total no Estado –, todavia, as mulheres engenheiras vêm aumentando sua participação ao longo das duas últimas décadas. Em 1995, representavam 11% do total de profissionais do Estado de São Paulo; em 2005, já eram 15%; em 2008, 17%; e, em 2013, alcançaram o patamar de 19%.

Mariz afirma que recebe, às vezes, solicitação por profissional dando-se preferência à engenheira. “As empresas gostariam de ter mulheres em seus quadros para aumentar a diversidade na área”, observa, acrescentando que o que importa é o conhecimento técnico.

Em termos relativos, o aumento da ocupação feminina no período equivaleu a 128%, enquanto da masculina, a 72%, o que explica o incremento da participação das mulheres na categoria. Em 2013, o Estado de São Paulo contava com 74.603 engenheiros e 17.875 engenheiras; em 2003, eram 43.483 homens e 7.829 mulheres nessas ocupações. Mariz observa que as áreas técnicas da engenharia que contam com maior presença feminina são alimentos, bens de consumo e cosméticos e química. Por ter menos mulheres se formando em mecânica, elétrica e civil, elas estão em menor número nesse mercado, relaciona ele.

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar



Receba o SEESP Notícias

E-mail:

agenda