logo seesp ap 22

 

BannerAssocie se

Educação - À inclusão social, cotas nas engenharias

Avalie este item
(0 votos)

Soraya Misleh

Diante da histórica desigualdade no Brasil, representantes de faculdades de engenharia paulistas defendem as cotas em universidades como medida importante. “Dadas as condições socioeco­nômicas e as metas para melhoria dos índices educacionais, sua implantação como política de ação afirmativa é fundamental”, enfatiza Wagner Souza dos Santos, coordenador de ingresso na graduação da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

No País, embora os negros correspondam a mais da metade da população, representam apenas 11% dos que estão no ensino superior. A informação consta de Relatório de Desenvolvimento Humano do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) divulgado em 2014. A despeito de ter havido expansão nos últimos anos – em 1992, conforme o documento, eram ínfimos 2,2% do total –, os números indicam que ainda há muito o que avançar.

Contribui a essa evolução a chamada “Lei de Cotas” (Lei Federal 12.711/2012), que obriga todas as universidades federais a reservarem no mínimo 50% das vagas a egressos de escolas públicas no processo seletivo até agosto de 2016. Conforme a norma, o preenchimento deve se dar “por candidatos autodeclarados pretos, pardos e indígenas, em proporção no mínimo igual” a sua presença na população total do estado em que se localiza a instituição. Em seus três anos de execução, de acordo com a Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), a medida garantiu o ingresso de 150 mil estudantes negros. Segundo divulgado pela pasta, em média, do total de 49,6% dos cotistas, 20% são pardos, negros e indígenas.

Antes, as ações afirmativas nas instituições federais dependiam da compreensão de sua importância à democratização do acesso ao ensino superior. É o caso da UFSCar, que segundo Santos adota a reserva de vagas na graduação desde 2008. O sistema, explica ele, foi concebido “para estudantes que cursaram o ensino médio integralmente na rede pública, e uma parte do percentual atendia ao critério de autodeclaração de raça/cor”. Até 2010, afirma que tal reserva equivaleu a 20% das vagas, abrangendo em torno de 120 estudantes nas engenharias por ano. Entre 2011 e 2013, o percentual dobrou, englobando 270 ingressantes/ano nos cursos da área.

Resultados
Conforme o professor, em 2013, a universidade substituiu esse programa pelo definido na Lei 12.711/2012, “em que os estudantes podem concorrer em quatro modalidades”. A partir de 2014, a UFSCar “já atingiu os 50% em todos os cursos de graduação, com cerca de 415 ingressantes” nas engenharias. Somando os quatro campi – São Carlos, Araras, Sorocaba e Buri-Lagoa do Sino –, são oferecidas formações em 12 modalidades. Em São Paulo, dentro da Lei 12.711, oferecem graduação na área, além da UFSCar, o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP), a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) – campus São José dos Campos e a Universidade Federal do ABC (UFABC).

Segundo o Ministério da Educação (MEC), com sua implantação, o percentual de vagas para cotistas saltou de 33% em 2013 para 40% um ano depois. “A meta de atingir 50% está prevista para 2016.” Agora, o MEC e a Seppir discutem política afim também para a pós-graduação.

Entre as instituições particulares, o acesso se dá pelo Programa Universidade para Todos (Prouni), também do governo federal. A iniciativa concede bolsas parciais ou integrais a alunos que atendem a critérios como baixa renda familiar e ter cursado ensino médio em escola pública. Segundo informações do Ministério da Educação divulgadas no Blog do Planalto, atualmente, beneficia 562 mil jovens brasileiros, sendo 49,9% pardos, negros e indígenas. O Instituto Superior de Inovação e Tecnologia (Isitec) não adota o sistema em sua graduação em Engenharia de Inovação, mas concede bolsa integral a todos os ingressantes, o que já garantiu a diversidade na primeira turma iniciada em 2015, com 10% dos alunos negros.

Escolas estaduais
A Universidade de São Paulo (USP) e a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) concedem bônus nos vestibulares a estudantes oriundos de escolas públicas e, dentro desse universo, pontuação adicional às notas de corte aos afrodescendentes. A partir do próximo vestibular, a instituição oferecerá 1.489 vagas do total de 11.057 pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu). Contudo, a Poli não aderiu.

A única das estaduais paulistas que adota sistema de reserva de vagas é a Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp). O programa funciona desde 2014. A meta, segundo a assessoria de comunicação, é que até 2018 contemple 50% das matrículas em cada curso com alunos vindos da rede pública. “O percentual de negros, pardos e indígenas deverá ser, no mínimo, de 35%, equivalente a essa população do Estado no censo do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) de 2010.” Ainda conforme sua informação, os matriculados nas cinco graduações de engenharia pelo sistema ampliaram-se de 25% em 2014 para cerca de 32% neste ano. Marcelo dos Santos Pereira, diretor da Faculdade de Engenharia da Unesp – campus Guaratinguetá, ressalta que não houve queda na qualidade do ensino. “O rendimento e a avaliação do curso se mantiveram.” Na sua ótica, essa é uma política muito importante. “Vai refletir na inclusão social no Estado e no País e garantir a formação de mão de obra necessária ao desenvolvimento nacional.” Para assegurar a inserção, a Unesp adota iniciativas que contribuam à permanência na escola e ainda, em convênio com a Secretaria Estadual da Educação, desconto na taxa de inscrição ao vestibular. “De R$ 150,00, esse contingente pagará R$ 37,50.

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar



Receba o SEESP Notícias

E-mail:

agenda