logo seesp ap 22

 

BannerAssocie se

×

Atenção

JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 71

JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 69

23/04/2015

População de baixa renda pode ficar fora da interatividade na TV

Na quarta-feira da próxima semana (29/4), em Brasília, o Grupo de Implantação do Processo de Redistribuição e Digitalização de Canais de TV e RTV (Gired), da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) irá definir o modelo dos conversores digitais que serão distribuídos às 14 milhões de família beneficiárias do programa Bolsa Família. Essa decisão pode acabar com o futuro da interatividade e da multiprogramação para TV digital no Brasil. Isso porque as empresas de radiodifusão e de telefonia querem escolher uma caixa de conversão mais barata, para lucrar mais o que, na prática, deixará de fora o grande diferencial da TV digital desenvolvida no Brasil: o uso da interatividade gratuita através do controle remoto e a multiprogramação.

Essas características da TV Digital brasileira podem ajudar a incluir, via aparelho de televisão, cerca de 60 milhões de brasileiros de baixa renda que ainda não tem acesso a internet, mas possuem um aparelho de TV e sabem usar o controle remoto. Com a nova tecnologia, genuinamente brasileira, o cidadão terá acesso à dicas de saúde, como prevenção a doenças como dengue; marcação de consultas no SUS, sem pegar filas; cursos à distância ou até mesmo procurar trabalho sem sair de casa. A experiência é semelhante a do internauta. "Nós não vamos conseguir universalizar o acesso àas politicas publicas por intermédio da banda larga, exclusivamente porque a banda larga vai demorar muito para chegar às pessoas mais pobres. E a TV já chegou. E custa muito pouco para transformá-la em digital", afirma Nelson Breve, presidente da Empresa Brasileira de Comunicação (EBC).

Através do middleware Ginga, sistema desenvolvido no Brasil em código aberto, acoplado dentro da caixa de conversão para o sinal digital, as famílias podem receber informações sobre diferentes questões, inclusive ter um canal de serviços públicos através da multiprogramação. O que proporciona ainda pagar contas em bancos públicos e até enviar informações (a partir do controle remoto) para receber benefícios de saúde, aposentadoria, direitos da mulher, etc.

Com a multiprogramação nas TVs públicas, pode aumentar o número de canais disponíveis gratuitamente. Já pensou ter um canal só de esportes, um canal só de cinema brasileiro e latino-americano, um canal só de notícias, sem precisar pagar nada por isso? Aumenta a programação, a diversidade e também a demanda por profissionais de comunicação.

Em coletiva de imprensa realizada na terça (7/4), o conselheiro da Anatel e presidente do Gired, Rodrigo Zerbone, afirmou que a compra dos conversores servirá como meio de aquecer a oferta de conversores no mercado. Ou seja, a definição do padrão de interatividade não afetará somente a população de baixa renda, mas também a oferta e preço de conversores disponíveis no mercado para todos os lares que precisarão adaptar seu televisor para receber o sinal de TV digital.

Isso tudo só será possível se no dia 29 de abril a GIRED decidir pelos conversores que permitem a interatividade.

Por conta disso, diversos ativistas e defensores da tecnologia promovem uma campanha pela disseminação da informação na internet com a hashtag #‎InteratividadeSIM‬. Divulgue a informação ao maior número de pessoas que você conhece.

Sugestões de mobilização:

Use as Hagtags #InteratividadeSIM e #InteratividadeNasTVsPúblicas diariamente até o dia 29 de abril sempre que for divulgar alguma informação sobre o tema;

Divulgue na sua cidade e estado a importância da interatividade na TV digital pública;

Faça Selfie com um cartaz de apoio e poste em todas redes sociais #InteratividadeSIM #InteratividadenasTVsPúblicas;

Faça um filme curto dizendo porque você apóia a TV digital poste em todas redes sociais;

Acione os deputados e senadores do seu Estado e peça apoio a caixa de conversão com interatividade na TV digital;

Converse com artistas que você conhece e peça apoio através de fotos, vídeos curtos e peça pra postarem em todas as redes sociais;

Converse e discuta sobre isso na sua associação de classe, sindicato ou federação. Peça aos dirigentes para fazerem fotos ou vídeo e postarem nas redes sociais.

Multiplique essa informação entre os formadores de opinião que você conhece e/ou admira;

Mande emails e cartas para o Ministro Ricardo Berzoini, das Comunicações, e para o presidente do Gired, Rodrigo Zerbone, na Anatel pedindo pela interatividade e pela multiprogramação, conforme rege o decreto 5820 de criação da TV digital no Brasil.

Saiba mais em http://www.gingadf.com.br/blogGinga/

Veja como a tecnologia está funcionando no programa piloto com 300 famílias no Distrito Federal:





Imprensa SEESP
Com informações Ginga DF






Lido 3661 vezes
Gostou deste conteúdo? Compartilhe e comente:
Adicionar comentário

Receba o SEESP Notícias *

agenda