logo seesp ap 22

 

BannerAssocie se

26/10/2023

Crônica de acontecimentos correntes

João Guilherme Vargas Netto*

 

Destaco uma série de acontecimentos correntes no mundo sindical que têm relevância.

 

O 14º Congresso da Central Única dos Trabalhadores (CUT) foi realizado no Center Norte, em São Paulo, de 19 a 21 de outubro, prestigiado por númerosa delegação internacional, por lideranças políticas, de movimentos sociais, de centrais sindicais coirmãs, e teve a participação de 1.800 delegados de todo o Brasil.

 

O congresso elegeu a nova diretoria (com o identitarismo cobrando um alto preço), confirmando o metalúrgico Sérgio Nobre como presidente, Juvandia Moreira (bancária) na vice-presidência e Renato Zulato (químico) na secretaria-geral, tendo sido criadas quatro novas secretarias, aprovado um plano de trabalho e uma marcha a Brasília.

 

Coincidindo com a duração do congresso, os metalúrgicos paulistas da federação estadual (FEM-CUT), 13 sindicatos filiados, com data-base em setembro, intensificam a campanha salarial, com ações em várias empresas e estado de greve, rejeitando a contraproposta patronal que não aceitou o aumento real de 2% reivindicado na pauta coletiva. Prosseguem as negociações, que têm obtido acordos coletivos por empresas vantajosos.

 

Também durante o congresso, a GM anunciou de maneira unilateral e intempestiva uma enxurrada de demissões (sobre as quais não confirma o número), alegando perda de mercado, demitindo trabalhadores por telegrama e e-mail.

 

As direções sindicais das três fábricas envolvidas que foram surpreendidas pelas demissões reagiram imediatamente à arbitrariedade da empresa, e os trabalhadores em assembleias decretaram a greve em Mogi das Cruzes, em São Caetano (bases da Força Sindical) e em São José dos Campos (base da CSP-Conlutas).

 

A greve, que tem sido efetiva nas três fábricas (e mereceu registro no Jornal Nacional), provocou o apoio e a solidariedade de inúmeras outras entidades sindicais que, juntamente com os grevistas, exigem a abertura imediata de negociações e o recuo da empresa nas demissões, com a necessária intervenção e mediação dos poderes públicos.

 

 

 

* Consultor sindical

 

 

Foto no destaque: Divulgação Sindicato dos Metalúrgicos de SJC

 

Lido 285 vezes
Gostou deste conteúdo? Compartilhe e comente:
Adicionar comentário

Receba o SEESP Notícias *

agenda