GRCS

Campanhas Salariais

Os engenheiros da empresa Desenvolvimento Rodoviário (Dersa) se reúnem em assembleia, nesta terça-feira (13/06), às 18h30 (segunda convocação), para discutir e deliberar sobre a campanha salarial, na sede do SEESP, na capital paulista (Rua Genebra, 25, Bela Vista). Já foram realizadas rodadas de negociação entre o sindicato e a empresa, que apresentou o que ela definiu como "proposta final".

Os profissionais poderão avaliar a proposta da empresa para o Acordo Coletivo de Trabalho 2017, assim como definir os próximos passos da campanha, com indicativo inclusive de paralisação a partir de zero hora do dia 27 próximo. 

 

Comunicação SEESP

 

 

 

 

 

Na segunda rodada de negociação salarial, realizada em 8 de junho último, dirigentes da Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista (Cteep) apresentaram o que eles definiram como "pró-pauta" para o Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) para o período 2017-2019. O SEESP e demais entidades sindicais representativas dos empregados da companhia rejeitaram a proposta, na íntegra, à mesa. Os sindicatos unidos reafirmaram a necessidade da discussão da pauta de reivindicações das categorias. A próxima reunião está agendada para o dia 22 próximo, às 10h, no Centro das Indústrias no Estado de São Paulo (Ciesp), em Jundiaí (SP).
 
Entre os itens patronais propostos destacam-se: reajuste do salário e dos vale-refeição e auxílio-alimentação pelo Índice de Preço ao Consumidor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (IPC da Fipe); alteração da forma de distribuição da Participação nos Lucros e Resultados (PLR) com as metas atreladas ao Quadro de Gestão Integral; exclusão da função acessória do acordo com uma contrapartida para todos; alteração do auxílio-previdenciário para o limite de 12 meses; discussão dos benefícios atuais com relação à política atual de emprego: e liberação de apenas um dirigente sindical em base superior a 200 empregados. 
 
 
Publicado por Rosângela Ribeiro Gil
Comunicação SEESP
 
 
 
 
 

A Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), em 1º de junho último, encaminhou ao SEESP e demais sindicatos representantes dos profissionais da empresa nova proposta para a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho 2017. Entre os itens propostos estão: reajuste salarial de 4,43% (IPC-Fipe), retroativo à data-base em 1º de março, extensível aos vales-alimentação e ao auxílio materno-infantil. Os atrasados serão pagos em duas parcelas, a primeira em junho referente a março e a segunda em julho referente a abril e maio. Além disso, reajuste do vale-refeição em 4,43% em março de 2017, elevando o valor facial a R$ 32,025, totalizando R$ 768,60 ao mês, mais 4,08% em setembro, aumentando para R$ 800,00 ao mês. E ainda manutenção das três cláusulas pendentes (integralização do benefício previdenciário, horas extras e férias), nos mesmos termos do ACT 2016/2017, desde que aprovada a presente proposta.

Assembleia Geral Extraordinária dos engenheiros ocorrerá no próximo dia 8 de junho, às 13h (em segunda convocação), na sede da Associação dos Engenheiros da Estrada de Ferro Santos-Jundiaí (Rua José Paulino, nº 7, Bom Retiro), na capital paulista. Na pauta, discussão e deliberação sobre a proposta final da CPTM  e os próximos passos da campanha salarial.

 

Comunicação SEESP

 

 

 

 

Os engenheiros do Metrô, reunidos em assembleia no dia 1º de junho último, aprovaram a proposta para o Acordo Coletivo de Trabalho 2017/2018 com o Metrô. Os diretores do SEESP que participaram das negociações fazem questão de destacar que a unidade da categoria prevaleceu, sendo determinante para garantir conquistas importantes e históricas da categoria. Nos próximos dias, o acordo deverá ser devidamente assinado entre as partes. 

Entre os itens acordados estão: reajuste dos salários e demais itens econômicos em 3,71%, conforme o Índice de Preços ao Consumidor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (IPC-Fipe), a ser aplicado também aos vales refeição e alimentação; o Plano de Saúde Metrus foi garantido nas condições atuais, devendo ser discutidas, com os sindicatos e o Metrus, as condições para o acordo coletivo do próximo ano; a companhia apresentará ao sindicato proposta completa do Plano de Carreira dos engenheiros em agosto de 2017; as progressões salariais serão retomadas no segundo semestre de 2017; no Programa de Participação nos Resultados (PPR 2017) fica garantido o pagamento mínimo de R$ 5.816,18, corrigido pelo IPC-Fipe (3,71%), sem taxa de cobertura; as horas extras serão pagas em 100%; e o adicional noturno será remunerado em 50%.

Ficou definido ainda na proposta aprovada que o Metrô se compromete a rever, em conjunto com o sindicato, norma recém-publicada que restringe o acesso dos comissionados às dependências administrativas e operacionais da companhia.

 

Publicado por Rosângela Ribeiro Gil
Comunicação SEESP

 

 

 

 

 

Em assembleia realizada nesta terça-feira (30/05), na sede do SEESP, os engenheiros decidiram rejeitar as propostas do Metrô, tendo em vista que elas não contemplam várias reivindicações da categoria. Além disso, retiram conquistas históricas de todos os metroviários. A direção da companhia propõe acabar com o Metrus Saúde e subsidiar um novo plano aos seus empregados, limitando a sua contribuição em 15,3% da folha nominal, sem garantir qualidade. Pelo Acordo Coletivo de Trabalho vigente, o Metrô assume no mínimo 84% das despesas do Metrus Saúde Integral (MSI). Os engenheiros voltam a se reunir em assembleia nesta quinta-feira (1º/06), às 18h30, na sede do SEESP, na capital paulista, para discutir e deliberar os próximos encaminhamentos da campanha salarial.
 
Com relação ao Programa de Participação nos Resultados (PPR) 2017, a concepção e as metas do planejamento foram elaboradas unilateralmente pela companhia, sem a participação dos engenheiros, incluindo metas que independem da participação dos seus empregados – o que contradiz o Decreto Estadual nº 59598, de 16 de outubro de 2013. Além disso, a proposta patronal inclui uma taxa de cobertura contábil para o seu pagamento, exige um superávit entre receitas e despesas maior do que 3%, o que não vem acontecendo nos últimos anos, parcelamento para março e junho, sem garantir o mínimo de um salário do engenheiro. 
 
A proposição de aplicar o Índice de Preço ao Consumidor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (IPC-Fipe) de 3,71% aos salários e benefícios, sem aumento real de produtividade, também está aquém do valor do trabalho dos metroviários. Com relação ao plano de carreira, vale lembrar, que, desde o acordo de 2014, o Metrô não conseguiu apresentar o estudo ao sindicato, descumprindo os prazos acordados no Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo (TRT-SP), e agora pleiteia mais tempo, se comprometendo a fazer uma apresentação somente em agosto de 2017. O Metrô não aceitou, ainda, a proposta dos engenheiros para pagamento da primeira parcela do 13º salário no mês do aniversário do empregado ou nas férias, prevalecendo a opção do empregado.
 
 
 
Publicado por Rosângela Ribeiro Gil
Comunicação SEESP
 
 
 
 
 
Em reunião de negociação realizada na manhã desta terça-feira (30/05), representantes do Metrô apresentaram as propostas econômicas aos engenheiros da companhia para o Acordo Coletivo de Trabalho deste ano. Os profissionais vão discutir os itens propostos em assembleia também nesta terça (30), às 18h30, na sede do SEESP, na capital paulista (Rua Genebra, 25).

Confira os itens econômicos constantes da proposta da empresa:
• Reajuste salarial e demais itens econômicos, 3,71% (IPC-Fipe);
• vale-refeição, 3,71% (IPC-Fipe), que representa 24 cotas de R$ 33,75 para R$ 35,00 e um total de R$ 810,00 para R$ 840,00/mês;
• vale-alimentação, 3,71% (IPC-Fipe), passando de R$ 351,00 para R$ 364,02/mês;
• remuneração de horas extras, observando: 1-) a prorrogação das duas primeiras horas da jornada, pagamento do percentual de 50%; e 2-) as demais horas extras, pagamento do percentual de 100%;
• adicional noturno de 50% (manutenção da prática atual);
• criação de comissão em até 15 dias após a assinatura do ACT, para revisão da cláusula que trata do Plano Metrus Saúde, com compromisso de apresentação de proposta de uma nova redação no prazo de 90 dias;
• apresentação de proposta em até 15 dias após a assinatura do ACT de uma minuta de acordo coletivo específico para um Sistema de Compensação de Horas Crédito e Débito dos empregados, que permita formalizar a gestão da composição da carga horária das jornadas de trabalho contratadas, viabilizando a implantação do novo sistema em até 60 dias. Na ausência de Acordo de compensação, a prática atual do tratamento dos códigos 042/043 deixa de existir a partir de 1º de agosto de 2017;
• PPR 2017:
► Distribuição de 78% do montante de forma linear, a fim de estabelecer um valor mínimo de pagamento;
► distribuição de 22% do montante, a fim de estabelecer um percentual mínimo de salários;
► o percentual de atingimento geral do programa será aplicado sobre todo montante a ser distribuído;
► apurado o resultado, será aplicada uma Taxa de Cobertura Contábil, que compreende o quociente entre o total de receitas e total de despesas. Os valores de receitas e despesas são apurados mensalmente pela Gerência de Controle Financeiro (GCF);
► o pagamento será efetuado em duas parcelas, sendo a primeira no dia 30/03/2018 e a segunda em 29/06/2018; e
► o detalhamento dos indicadores e metas do PPR 2017 será encaminhado a esse sindicato em carta específica.
• retomada das progressões salariais com a realização do Ciclo de Mérito 2017, com movimentações concluída até 31/12/2017, abrangendo cerca de 2.127 empregados.
 
 
Comunicação SEESP
 
 
 
 
 

 

 
Na segunda rodada de negociação, na quarta-feira (17/5), a Companhia Energética de São Paulo (Cesp) apresentou sua proposta para assinatura do Acordo Coletivo de Trabalho de 2017, oferecendo, entre outros itens, vigência 1º/6/2017 a 31/5/2018; com relação ao PRR, manutenção da cláusula atual, com o cumprimento do Decreto 59.598/2013. Sobre o reajuste dos salários e dos benefícios econômicos, a empresa não apresentou qualquer índice, alegando que aguarda a autorização dos órgãos competentes para isso.
Diante da falta de proposta econômica e em desacordo ao tempo de vigência pretendida (a reivindicação dos sindicatos é dois anos), a proposta foi rejeitada à mesa pelo SEESP e pelos demais sindicatos representativos dos trabalhadores da Cesp. A companhia ficou de marcar nova reunião de negociação ainda neste mês de maio. 
 
Rosângela Ribeiro Gil
Comunicação SEESP
 
 
 
 
 
 
 

Os engenheiros da Telefônica-Vivo se reúnem em assembleias nos dias 24 e 25 de maio próximo para discutir e definir a pauta de reivindicações da campanha salarial deste ano. A categoria, cuja data-base é 1º de setembro, precisa estar bem organizada e mobilizada para garantir um Acordo Coletivo de Trabalho digno e que valoriza o trabalho dos profissionais na empresa.

Serão realizadas duas assembleias em locais com a maior concentração de engenheiros, conforme cronograma a seguir:

Data: 24/5/2017
Horário: 10h (1ª convocação) e 10h30 (2ª convocação)
Local: Hall de entrada da CRSO Santana, Avenida Ataliba Leonel, 2.419 – São Paulo/SP

Horário: 14h (1ª convocação) e 14h30 (2ª convocação)
Local: Hall de entrada da sede da empresa na Rua Humberto I, 880, entrepiso – São Paulo/SP

Data: 25/5/2017
Horário: 10h (1ª convocação) e 10h30 (2ª convocação)
Local: Hall de entrada da sede da empresa na Avenida Dr. Chucri Zaidan, 860 - Brooklin – São Paulo/SP

Horário: 14h (1ª convocação) e 14h30 (2ª convocação)
Local: Hall de entrada da sede da empresa na Rua Martiniano de Carvalho, 851 – São Paulo/SP

 

 

 

Publicado por Rosângela Ribeiro Gil
Comunicação SEESP

 

 

 

 

 

Em sua décima sétima edição, o Seminário de Abertura das Campanhas Salariais 2017 acontece no próximo 18 de abril, às 17h, na sede do SEESP, na capital paulista (Rua Genebra, 25, Bela Vista). A iniciativa tradicionalmente abre as negociações dos acordos e convenções de trabalho dos engenheiros e tem por objetivo sedimentar o caminho do diálogo com os interlocutores da entidade à mesa de negociação. A atividade reúne dirigentes sindicais e representantes de empresas e organizações patronais, além de especialistas do mundo do trabalho, como técnicos dos departamentos intersindicais de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) e de Assessoria Parlamentar (Diap) e o consultor sindical João Guilherme Vargas Netto.

O seminário dá a largada ao processo que visa assinar os acordos e convenções coletivas de cerca de 100 mil profissionais em todo o Estado de São Paulo, com o intuito de chegar a bom termo nas discussões, garantindo reposição da inflação desde o último reajuste salarial, ganhos por produtividade, manutenção e ampliação de benefícios e, certamente, o respeito ao piso salarial da categoria assegurado pela Lei 4.950-A/66.

Neste ano, em que o País continua com dificuldades de ordem política e econômica e diversas propostas tramitam no Congresso Nacional em ataque aos direitos trabalhistas, as campanhas salariais devem ser encaradas como uma forma de se evitar o aprofundamento da recessão econômica e da precarização do trabalho. Portanto, defende o sindicato, em que pesem as divergências sobre a melhor forma de se atingir um bom resultado, há um claro objetivo comum, que é manter o Brasil seguindo em frente.

É com esse espírito de seriedade e confiança no País que o SEESP e os engenheiros do Estado de São Paulo dão início às campanhas salariais, buscando a justa recompensa pelo esforço da categoria.

O seminário é aberto à participação de todos os profissionais. Mais informações pelo telefone (11) 3113-2641.

 

Rosângela Ribeiro Gil
Comunicação SEESP

 

 

 

 

 

Os profissionais da companhia Desenvolvimento Rodoviário S/A (Dersa) e da Empresa Metropolitana de Águas e Energia (Emae) representados pelo SEESP dão início à campanha salarial deste ano, realizando assembleias nesta semana para discussão e aprovação da pauta de reivindicações e de outros temas relacionados ao processo de negociação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT).

Os engenheiros da Dersa, cuja data-base é 1º de maio, se reúnem nesta quinta-feira (16/3), às 18h30, na sede do sindicato, na capital paulista (Rua Genebra, 25, Bela Vista). Já os da Emae, com data-base em 1º de junho, definem a pauta na sexta-feira (17), às 14h, no Espaço Conveniência (Avenida Nossa Senhora do Sabará, 5.312, Vila Emir - São Paulo/SP).

 

Comunicação SEESP

 

 

 

 

Os engenheiros da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU) já estão iniciando a campanha salarial deste ano. Por isso, nesta quinta-feira (23/02), às 13h, eles se reúnem em assembleia geral extraordinária com a seguinte pauta: discussão e aprovação da pauta de reivindicações, visando o início das negociações da data-base de 1º de maio de 2017; delegar poderes à direção do SEESP para início das negociações coletivas de trabalho, assinar acordo coletivo de trabalho ou instaurar dissídio coletivo; fixar e autorizar o desconto da Contribuição Assistencial e/ou Confederativa e/ou Profissional e/ou Negocial; e declarar a assembleia aberta em caráter permanente até o final do processo de negociação coletiva.

A assembleia será na Rua Boa Vista, 170, no auditório do 2º subsolo, Centro, em São Paulo.

 

Comunicação SEESP

 

 

 

 

Os engenheiros da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) realizam assembleia geral extraordinária nesta quarta-feira (18/01) para discutir e definir a pauta de reivindicações que será apresentada na Campanha Salarial 2017. A atividade será às 13h, na sede da Associação dos Engenheiros da Estrada de Ferro Santos-Jundiaí (Rua José Paulo, 7, Bom Retiro, SP). 

Confira a pauta da assembleia: a) Discussão e aprovação da pauta de reivindicações da categoria, visando ao início das negociações da data-base de 1º de março de 2017; b) delegar poderes à direção do SEESP para estabelecer as negociações coletivas, assinar Acordo Coletivo de Trabalho ou instaurar Dissídio Coletivo; c) fixação dos valores e autorização para desconto em folha da Contribuição Assistencial e/ou Confederativa e/ou Profissional e/ou Negocial e d) declarar a assembleia aberta em caráter permanente até o final do processo de negociação coletiva.

Comunicação SEESP

agenda