Logos

GRCS

07/05/2012

O crescimento do País e os engenheiros necessários

Avalie este item
(1 Votar)

Pesquisa realizada pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), em 2010, apontava que o crescimento em ritmo acelerado da economia brasileira poderia resultar numa generalizada escassez de mão de obra especializada, particularmente de engenheiros.

O estudo apresentava três situações: com crescimento modesto de 3% ao ano seriam necessários, neste ano, 60 mil novos engenheiros e arquitetos trabalhando na profissão; em 2015, mais 60 mil novos engenheiros e, em 2022, mais 200 mil novos profissionais da área. Um incremento, segundo o estudo, de aproximadamente 320 mil profissionais entre 2008 e 2022.

Com um crescimento econômico de 5% ao ano seriam necessários, entre 2009 e 2012, mais 85 mil engenheiros; entre 2013 e 2015, mais 90 mil; e entre 2016 e 2022, mais 320 mil profissionais. Com um total de engenheiros ocupados de 708 mil.

O estudo “Escassez de Engenheiros: realmente um risco?” mostra que dado o ritmo atual de expansão de graduações em Engenharias, se tem o seguinte cenário:

- Entre 2009 a 2012 – mais 220 mil

- Entre 2013 a 2015 – mais 195 mil

- Entre 2016- a 2022 – Mais 560 mil

À pergunta se haverá engenheiros suficientes, a pesquisa do Ipea responde que esta evolução na graduação em Engenharia será suficiente, em princípio, para suportar a demanda por engenheiros com as taxas de crescimento médias entre 3% e 5% ao ano nos próximos anos, não mais do que isso.


Rosângela Ribeiro Gil
Imprensa - SEESP


 

Lido 1992 vezes

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

VAGAS DE ESTÁGIO

agenda

art creasp