GRCS

16/03/2012

Acidentes de trabalho não são fatalidade, observa dirigente do SEESP

Em audiência pública que discutiu a segurança no trabalho, na Comissão de Direitos Humanos do Senado, realizada nesta quinta-feira (15/03), representante do frigorífico Marfrig classificou o acidente que matou quatro empregados em curtume do grupo, em janeiro último, como “fatalidade”. O vice-presidente do SEESP e presidente da Apaest (Associação Paulista de Engenheiros de Segurança do Trabalho), Celso Atienza, em entrevista ao site do Sindicato, contesta afirmando que não existe fatalidade em acidentes de trabalho.

Atienza explica que o termo “fatalidade” é usado como desculpa para justificar a irresponsabilidade gerada a partir da não observância de normas técnicas. “Fatalidade não pode ser considerada como imprevisão. Todo acidente é previsível.”

O dirigente orienta que todas as empresas devem adotar medidas preventivas por meio de Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho, que deve ser elaborado por um engenheiro de segurança do trabalho. Mas adverte: “não basta apenas fazer o programa, é fundamental que ele seja adotado e que todos observem e cumpram suas determinações.”


Rosângela Ribeiro
Imprensa – SEESP


 

Leia também
* FNE faz proposta para evitar acidentes do trabalho
* Engenheiros de segurança têm mercado ainda inexplorado
* Resgate de Engenharia de Segurança

 



Lido 4558 vezes

Comentários   

# 36253625wlaudemir 04-10-2012 16:56
tenho 16 anos em atividades costante, oque vejo ainda é o dinheiro falando mais alto que as normas e as leis, principalmente nos serviços publicos.
# 36253625wlaudemir 04-10-2012 16:54
porque só eng. do trabalho, e capacitdo para eleborar e aplicar normas. sendo que temos tec. de seg. com nivel de conhecimeto e altamente gabaritado para colaborar em normas que possam gerar muito efeito.

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

Oportunidades Plataforma 29 04 1

VAGAS DE ESTÁGIO DE ENGENHARIA

agenda