logo seesp ap 22

 

BannerAssocie se

Sindical – Prefeitura compromete-se e categoria aguarda proposta de carreira própria

Avalie este item
(0 votos)

Reunidos em assembleia geral na sede do SEESP, na Capital, em 31 de março, engenheiros da Administração Municipal de São Paulo decidiram aguardar que o prefeito Fernando Haddad proponha o texto do projeto de lei que instituirá a carreira própria para a categoria. Na manhã do mesmo dia, representantes do Executivo receberam delegados sindicais do SEESP e membros do Sindicato dos Arquitetos no Estado de São Paulo (Sasp) e da Associação dos Engenheiros, Arquitetos e Agrônomos Municipais de São Paulo (Seam) e comprometeram-se a apresentar, no dia 7 de abril, em conversa agendada para as 9h30, a proposta do texto que depois será encaminhado à Câmara para votação. Também participaram os vereadores Juliana Cardoso (PT), líder do governo; Nelo Rodolfo (PMDB); e Aníbal de Freitas (PSDB).

O encontro marcou a volta do diálogo, que havia sido interrompido por quase um ano e foi reiniciado após uma série de mobilizações dos profissionais. A interlocução com a Prefeitura começou a ser retomada em 19 de março, quando o presidente do SEESP, Murilo Celso de Campos Pinheiro, reuniu-se com o secretário de Governo, Chico Macena. Na ocasião, o representante municipal reiterou o compromisso de enviar ao Legislativo a proposta já negociada com as entidades de trabalhadores. Depois, no dia 24, aconteceu um encontro com o secretário de Gestão, Valter Correia da Silva, que se mostrou aberto à negociação. Juliana Cardoso, que intermediou o contato, lembrou na ocasião o compromisso dos vereadores com o PL dos engenheiros e arquitetos. Ela também recomendou que o Executivo priorizasse a negociação e a elaboração do projeto.


Mobilização

Na sequência desses encontros, cerca de 400 engenheiros e arquitetos estiveram reunidos, na manhã do dia 25 de março, na Praça Patriarca, em frente à Prefeitura, para pressionar pelo envio do PL à Câmara. Durante a manifestação, que contou com a presença de representantes das três entidades, os dirigentes frisaram a importância da unidade na luta e fizeram um resgate do acontecimentos. Alguns dos presentes aderiam efetivamente à mobilização pela primeira vez, como o engenheiro Paulo Gama, da Regional do Butantã. “Agora é um momento decisivo. Venho acompanhando de longe e compreendo que temos que estar todos unidos e pressionando pela valorização da carreira”, afirmou.

Dando continuidade ao ato, o grupo dirigiu-se às escadarias da Galeria Prestes Maia, onde permaneceu para a realização de uma “miniassembleia”. “Estamos pedindo ao governo datas fixas de negociação que devem ser mantidas”, asseverou Sérgio Souza, delegado sindical do SEESP. De lá, os profissionais seguiram em direção à Câmara Municipal para acompanhar a votação do PL 311/2014, que criou 300 cargos, sendo 200 de Gestor de Políticas Públicas, com funções semelhantes às dos engenheiros e arquitetos, mas com salários bastante superiores aos que são pagos aos atuais servidores (de R$ 9 mil a R$ 21 mil). “O prefeito Haddad fez um grande esforço para aprovar esse projeto. Então, não vejo porque não dar celeridade ao PL da carreira dos engenheiros e arquitetos que estão há bastante tempo reivindicando essa valorização”, avaliou o assessor do SEESP, Carlos Hannickel. Ele lembrou ainda que a mobilização continua com reuniões todas as quintas-feiras, às 16h, na sede do sindicato. O presidente da entidade, Murilo Celso de Campos Pinheiro, que esteve na assembleia do dia 31, parabenizou “a luta que vem fortalecendo a categoria”.


Reivindicações

Os engenheiros e arquitetos da Prefeitura de São Paulo reivindicam, além de um plano de carreira próprio, piso salarial de 8,5 salários mínimos e a reposição das perdas salariais de 49,46%, acumuladas entre maio de 2007 e meados de 2014, segundo o INPC/IBGE. Para tanto, exigem mudança na Lei Salarial 13.303/02, que permite ao Executivo municipal conceder reajuste de apenas 0,01%.

Desde o início do atual governo, os servidores estão em campanha salarial e, em 2014, se posicionam contra a remuneração por subsídio, que desconsidera as especificidades das diferentes atribuições de cada profissional e transforma todos em analistas, com reajuste de 30% para engenheiros e arquitetos, somente a partir de 2017 e apenas àqueles em início de carreira.

Durante visita à Subprefeitura de Santana, em 20 de março, Haddad conversou com servidores e lhes garantiu: “Engenheiros e arquitetos, eu juro que vocês irão ficar absolutamente contentes com o projeto de vocês.” Os profissionais aguardam agora ansiosamente que a promessa do Prefeito se cumpra ainda no mês de abril.

 

Por Deborah Moreira

Comentários   

# Paciência.Emilio de Souza Lima 10-04-2015 06:10
Este negócio de receber 0,01% de aumento é coisa de gênio. Quem foi que aprovou isso?
Responder
# Engenheiro CivilJosé de Ribamar Gome 02-04-2015 12:15
Precisamos cada vez mais, estarmos unidos (Engenheiros) e solidários, pois só assim conseguiremos nossos objetivos.
Responder

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar



Receba o SEESP Notícias

E-mail:

agenda