GRCS

Canteiro

Avalie este item
(0 votos)

Agrônomos em luta

Em 11 de outubro, celebrou-se o Dia do Engenheiro Agrônomo. Os profissionais do município de São Paulo, entretanto, não têm muito a comemorar. No dia 8, um grupo de servidores públicos se reuniu na sede do SEESP e apontou uma série de dificuldades a sua atuação. Além disso, discutiram o Projeto de Lei 166/14, que “permite a contratação pelo poder público de serviço de elaboração de laudo técnico para poda de vegetação de porte arbóreo e dá providências correlatas”. A categoria se posicionou contra o projeto, por entender que significa precarização do trabalho.

De acordo com o vereador Andrea Matarazzo (PSDB), um dos autores do PL, a ideia é que esses terceirizados façam um laudo inicial, que deve ser analisado pelos agrônomos da Prefeitura. “O objetivo é permitir que, quando tiver problema de acúmulo, a Subprefeitura possa chamar agrônomos de fora para ir ao local. Mas o serviço deles será submetido à avaliação de um servidor público experiente”, explica.

Não é de hoje que as solicitações para a poda de árvores na cidade se acumulam. Muitas foram as tentativas de colocar em dia essa demanda e atender melhor a população. Durante a reunião, foram levantados os problemas que atrasam os pedidos. De acordo com os profissionais, não é só por falta de pessoal técnico.  As vistorias técnicas ficam travadas nos diversos órgãos responsáveis e, depois, nas mesas dos subprefeitos que ainda precisam autorizar esse tipo de serviço. Além disso, o Sistema de Gestão de Árvores Urbanas (Sisgau), implantado desde 2009, ainda está em fase inicial e requer aprimoramento. O Sisgau faz um fichamento a partir de um georreferenciamento dos espécimes arbóreos. Outro problema apontado pelo corpo técnico é a falta de infraestrutura para coletar os dados em campo.

Essas questões serão debatidas em reunião que deverá ocorrer nos próximos dias entre o vereador Matarazzo e uma comissão de engenheiros. O autor do PL afirma que tal está em fase de elaboração e aberto a contribuições da categoria.

 

Delegacia Sindical em Jundiaí e outras entidades promovem Mostra de Engenharia

A cidade de Jundiaí terá a 1ª Mostra de Engenharia para celebrar a promulgação da Lei Municipal nº 8.244/2014, que insere no calendário da cidade a “Semana de Engenharia”. A iniciativa é da Delegacia Sindical do SEESP em Jundiaí, da Associação dos Engenheiros local, juntamente com o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de São Paulo (Crea-SP).

O evento tem como objetivo mostrar, por meio de exposição fotográfica, a história da engenharia na cidade e região, e impactar os profissionais da área tecnológica e a sociedade civil com relação à importância da tecnologia aplicada ao desenvolvimento social. A exposição ficará aberta até o dia 20 de outubro, no anexo da Câmara Municipal (Rua Barão de Jundiaí, 128, Centro).

Já as palestras ocorrerão no anfiteatro da Biblioteca Municipal Nelson Foot, nos dias 21, 22 e 23 de outubro, em dois horários: 9h30 e 19h30. Também no dia 21, às 19h, na Associação dos Engenheiros de Jundiaí, haverá palestra sobre “Registro online”, com a engenheira Luciana Ferrer.

Mais informações sobre o evento pelos telefones (11) 4522-2437 e 3379-0587 ou e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.. Inscrições aqui.

 

Vagas, orientação, treinamentos

Por intermédio de sua área de Oportunidades & Desenvolvimento Profissional, o SEESP oferece diversos serviços aos engenheiros. Entre eles, orientação profissional (vocacional) e para elaboração de currículo, coaching de carreira e emissão de carteira de trabalho via convênio com o Ministério do Trabalho e Emprego, além de cadastramento de currículos e vagas. Para se candidatar, clique aqui. Mais informações pelo telefone (11) 3113-2670.

 

 Avanços nas negociações com o Metrô

Durante reunião de conciliação no Núcleo de Conflitos Coletivos (NCC) do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) – 2ª Região, em 6 de outubro, para tratar das pendências da campanha salarial 2014, os engenheiros que atuam no Metrô obtiveram alguns avanços nas negociações.

Com relação ao Metrus, o plano de saúde para aposentados, foi acordado que a companhia apresentará ao SEESP e ao NCC em 15 dias um estudo com cronograma sobre a implantação de uma alternativa economicamente mais acessível.

Sobre o adicional de periculosidade dos engenheiros, a empresa deverá apresentar em até 60 dias estudo técnico mapeando todos os engenheiros que exerçam atividades em áreas de risco elétrico. Também foi facultado prazo de 20 dias para apresentação de quesitos e indicação de assistentes técnicos, a fim de subsidiar a elaboração do laudo. O estudo contemplará engenheiros independentemente do cargo ou função que exerçam no Metrô.

A companhia comprometeu-se ainda a contratar uma consultoria especializada, no prazo de seis meses, para iniciar o estudo global de um novo Plano de Cargos e Salários (PCS). O SEESP e o Metrô reafirmaram os compromissos para manutenção do canal de negociação direta sobre os assuntos de interesse comum entre as partes. A próxima reunião no NCC está marcada para dia 24 de fevereiro de 2015.

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

agenda