GRCS

A ideia de que cursar o ensino superior em instituição pública impõe responsabilidade de contribuir para a melhoria do País move dois jovens de Santo André. Juntos, os engenheiros formados na Universidade Federal do ABC (UFABC) Diego Zuculin, 28 anos, e Luís Mendes, 25, fundaram, em 2014, a Noctuam Educação, escola preparatória para o vestibular que auxilia jovens de diferentes classes sociais a buscarem o protagonismo. O modelo de negócio ficou entre os 15 melhores - entre 22 mil participantes - em premiação promovida pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), para experiência de três meses no Vale do Silício, nos Estados Unidos, no dia 1º de junho último.
 

"Entendemos que a gente custou caro ao governo e, por isso, queremos retribuir para a sociedade. Mais do que ensinar fórmula de Bhaskara, a ideia é empoderar o jovem. Criamos o conceito de taxa de sucesso, porque para quem estudou em escola pública, não teve oportunidades e está em situação de vulnerabilidade, conquistar bolsa de estudos em universidade privada também é uma vitória", explica Mendes.

Para que seja viável, o modelo de empreendedorismo inovador aposta no financiamento cruzado - percentual do valor pago integralmente é destinado à concessão de bolsas para estudantes da rede pública ou de baixa renda. Há ainda a opção de financiamento coletivo, quando pessoas físicas ou jurídicas custeiam o curso para alunos em situação de vulnerabilidade social e também a possibilidade de que a metodologia de ensino seja utilizada em parcerias público-privadas (PPPs). Com isso, 70% dos 300 alunos têm bolsa de estudos, as quais podem chegar a 100%.

"Temos um custo 50% menor do que um cursinho pago (a mensalidade custa R$ 300,00) com metodologia inovadora, porque reduz a carga horária em sala de aula (um terço menor) e usa plataforma digital, com exercícios e videoaulas, capaz de apontar as dificuldades de aprendizado e direcionar o estudante", destaca Zuculin. O programa ainda permite que alunos tenham consultas com neurocientistas, educadores e psicólogos.

Para a dupla, estar entre as 15 empresas inovadoras do País já corresponde a prêmio. "A ideia é evoluir e ajudar ainda mais gente. Pela categoria voto popular, tivemos 2 mil votos entre os 5 mil realizados", observa Mendes.

 

Publicado por Rosângela Ribeiro Gil
Comunicação SEESP
Reprodução editada de notícia do Diário do Grande ABC

 

 

 

 

Nesta quarta-feira (29/03), o Plenário da Câmara dos Deputados rejeitou a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 395/14, que autorizava universidades públicas e institutos federais a cobrar por cursos de extensão e pós-graduação lato sensu (especializações). Foram 304 votos favoráveis e 139 contrários, mas eram necessários 308 votos “sim” para aprovar a proposta, que agora será arquivada.

O texto tinha sido aprovado em primeiro turno em fevereiro de 2016, com 318 votos favoráveis e 129 contrários. Pelo texto, programas de residência e formação de profissionais da área de ensino não poderiam ser cobrados.

Algumas universidades públicas já cobram por cursos de especialização, mas a cobrança foi questionada na Justiça com base no princípio constitucional da educação pública gratuita. A PEC tinha o objetivo de encerrar a disputa judicial para autorizar as universidades a cobrar pelos cursos de extensão e especialização.

Ensino gratuito
O líder do Psol, deputado Glauber Braga (RJ), criticou a proposta por considerá-la o primeiro passo para o fim do ensino público gratuito. Ele lembrou que a secretária-executiva do Ministério da Educação, Maria Helena Guimarães de Castro, defendeu nesta semana a cobrança de mensalidades nas universidades e nos institutos federais.

“Uma PEC para flexibilizar o princípio de que educação pública tem de ser gratuita na mesma semana da fala da secretária-executiva do MEC, que dá a entender que a graduação pode passar por cobrança. Onde a gente vai parar?", questionou. Para Glauber Braga, a proposta abriria um precedente para o fim da gratuidade também na graduação e na educação básica.

 

Publicado por Rosângela Ribeiro Gil
Comunicação SEESP
Com informações da Agência Câmara de Notícias

 

 

 

 

agenda