GRCS

Comunicação SEESP

O SEESP convida os engenheiros da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) para assembleia, na quarta-feira (24/01), às 18h, em segunda convocação, na sede da Associação dos Engenheiros da Estrada de Ferro Santos-Jundiaí, Rua Jose Paulino, nº 07, Bom Retiro, São Paulo/SP.

Na oportunidade, os profissionais participam da segunda rodada de discussão e deliberação da pauta de reivindicações para o início das negociações da data-base, de 1º de março.

Como ressalta o SEESP, é fundamental que os engenheiros da companhia compareçam à assembleia e ajudem a organizar a campanha salarial deste ano, que precisa ser forte e bem mobilizada.

 

Os engenheiros da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), em estado de greve, se reúnem em nova assembleia extraordinária nesta quinta-feira (3/08) para avaliar a segunda audiência que será realizada, um dia antes, no Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo (TRT-SP) sobre a redução salarial na empresa.

Em assembleia na segunda-feira (31), os profissionais decidiram pela suspensão do início da paralisação das atividades marcado para o dia seguinte por conta de proposta apresentada pelo tribunal de parcelamento do desconto de 3,51%, referente à decisão do Tribunal Superior do Trabalho (TST), em duas vezes – a primeira de 1% em agosto de 2017 e a segunda de 2,51% em dezembro próximo; e por solicitação, também do TRT, com aprovação do Ministério Público do Trabalho, de que a categoria mantivesse “estado de greve” enquanto durasse a negociação entre as partes junto ao tribunal.

A assembleia do dia 3 de agosto, às 18h30 (segunda convocação), será realizada na sede da Associação dos Engenheiros da Estrada de Ferro Santos Jundiaí (Rua José Paulino, 7, Bom Retiro, São Paulo/SP).

 

Comunicação SEESP

 

 

 

 

 

O SEESP protocolou ofício, na terça-feira (18/07), endereçado ao presidente da Companhia Paulista de Transportes Metropolitanos (CPTM), Paulo de Magalhães Bento Gonçalves, onde informa a deliberação dos profissionais da companhia, reunidos em assembleia também no dia 18, de deflagração de movimento paredista no dia 1º de agosto próximo, a partir da zero hora.
 
A decisão dos engenheiros é contra comunicado da empresa de que irá cumprir decisão do Tribunal Superior do Trabalho (TST), aplicando a redução da tabela salarial em 3,51% a partir deste mês de julho. O ofício do SEESP esclarece que a entidade mantém-se aberta à negociação sobre o assunto e à disposição da empresa para dar cumprimento fiel às exigências constantes nos artigos 9º e 11º da Lei 7.783/89, que dispõe sobre o exercício do direito de greve.
 
Antes da paralisação, os profissionais voltam a se reunir em assembleia no dia 31 de julho próximo, às 18h30 (segunda convocação), na sede da Associação dos Engenheiros da Estrada de Ferro Santos Jundiaí (Rua José Paulino, 7, Bom Retiro, São Paulo/SP).
 
 
Comunicação SEESP
 
 
 
 
 

A Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), em 1º de junho último, encaminhou ao SEESP e demais sindicatos representantes dos profissionais da empresa nova proposta para a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho 2017. Entre os itens propostos estão: reajuste salarial de 4,43% (IPC-Fipe), retroativo à data-base em 1º de março, extensível aos vales-alimentação e ao auxílio materno-infantil. Os atrasados serão pagos em duas parcelas, a primeira em junho referente a março e a segunda em julho referente a abril e maio. Além disso, reajuste do vale-refeição em 4,43% em março de 2017, elevando o valor facial a R$ 32,025, totalizando R$ 768,60 ao mês, mais 4,08% em setembro, aumentando para R$ 800,00 ao mês. E ainda manutenção das três cláusulas pendentes (integralização do benefício previdenciário, horas extras e férias), nos mesmos termos do ACT 2016/2017, desde que aprovada a presente proposta.

Assembleia Geral Extraordinária dos engenheiros ocorrerá no próximo dia 8 de junho, às 13h (em segunda convocação), na sede da Associação dos Engenheiros da Estrada de Ferro Santos-Jundiaí (Rua José Paulino, nº 7, Bom Retiro), na capital paulista. Na pauta, discussão e deliberação sobre a proposta final da CPTM  e os próximos passos da campanha salarial.

 

Comunicação SEESP

 

 

 

 

Os engenheiros da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) realizam assembleia geral extraordinária nesta quarta-feira (18/01) para discutir e definir a pauta de reivindicações que será apresentada na Campanha Salarial 2017. A atividade será às 13h, na sede da Associação dos Engenheiros da Estrada de Ferro Santos-Jundiaí (Rua José Paulo, 7, Bom Retiro, SP). 

Confira a pauta da assembleia: a) Discussão e aprovação da pauta de reivindicações da categoria, visando ao início das negociações da data-base de 1º de março de 2017; b) delegar poderes à direção do SEESP para estabelecer as negociações coletivas, assinar Acordo Coletivo de Trabalho ou instaurar Dissídio Coletivo; c) fixação dos valores e autorização para desconto em folha da Contribuição Assistencial e/ou Confederativa e/ou Profissional e/ou Negocial e d) declarar a assembleia aberta em caráter permanente até o final do processo de negociação coletiva.

Comunicação SEESP

Reunidos em assembleia na noite desta segunda-feira (23/05), os engenheiros da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) aprovaram a nova proposta econômica apresentada pela empresa, em mesa de negociação, de 10,44% de reajuste salarial, equivalente ao Índice de Preços ao Consumidos da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (IPC-Fipe). Com a aprovação, a greve agendada para começar nesta terça-feira (24) foi suspensa.


Foto: Beatriz Arruda/SEESP
CPTM assembleia 23MAI2016 
Assembleia decidiu pela aceitação da nova proposta econômica da CPTM
 

A categoria também votou favoravelmente a outros encaminhamentos do SEESP, tais como: continuar tratando as reivindicações Programa de Participação dos Resultados (PPR) e salário dos engenheiros de segurança no âmbito do Núcleo de Conciliação de Coletivo (NCC) do Tribunal Regional do Trabalho 2ª Região (SP); e submeter a julgamento do TRT/SP as cláusulas novas da pauta de reivindicações deste ano.

A seguir, outros itens da proposta econômica aprovada pelos engenheiros da CPTM: reajuste do benefício vale-refeição em duas parcelas, sendo a primeira de 10,44%, paga de imediato, retroativa a 1º de março e a segunda, de 0,97%, a partir de 1º de setembro de 2016; reajuste dos benefícios vale-alimentação e auxílio-materno infantil em duas parcelas, sendo a primeira de 10,44%, paga de imediato, retroativa a 1º de março e a segunda, de 4,46%, a partir de 1º de setembro de 2016.



 

Edição Rosângela Ribeiro Gil
Imprensa SEESP







CPTM vitoria 190Foram anos de muita luta do SEESP, mas quem não desiste conquista. E foi o que aconteceu com os engenheiros da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). No dia 24 de julho último, o sindicato participou de reunião com a categoria e o presidente da empresa que anunciou a implantação do salário mínimo profissional (SMP) na empresa. Confira, a seguir, um breve relato da trajetória dessa grande conquista: 

• 2013: quando do fechamento do Acordo Coletivo de Trabalho 2013, a CPTM se comprometeu a estabelecer o SMP junto com o novo Plano de Cargos e Salários, porém, quando da sua implantação, não contemplou os engenheiros.
 

• 2014: o tema foi debate crucial em todas as assembleias gerais extraordinárias e reuniões de negociações. Instaurados os dissídios coletivos, referentes à data-base, os processos foram remetidos à negociação com a intermediação do Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos Coletivos do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 2ª Região de São Paulo, ocasião em que foi criada uma comissão específica para tratar do assunto.
 

• Na comissão, o SEESP apresentou sua reivindicação fundamentando seu pedido na Lei nº 4.950-A/66, na isonomia com outras empresas estatais que cumprem a legislação, na Orientação Jurisprudencial 71 da Seção de Dissídios Individuais–2 do Tribunal Superior do Trabalho (TST), julgamento do TRT da 2ª Região do Dissídio Coletivo de Greve da CET em 2013 (Processo nº 00070530220135020000), que aprovou o pleito.
 

• O núcleo oficiou o Conselho de Defesa dos Capitais do Estado (Codec) a dar encaminhamentos e deliberações sobre a matéria. Em resposta, o conselho informou que não havia impedimento jurídico e que havia a necessidade de enviar à Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional de São Paulo (SPDR/SP) para verificação do orçamento. O TRT, mais uma vez, notificou o Codec indagando se a questão já tinha sido encaminhada à SPDR, que também recebeu ofício. Ao responder, disse haver orçamento.
 

• A Comissão de Política Salarial, em manifestação, apresentou “óbice jurídico insuperável” devido à Lei de Responsabilidade Fiscal e à legislação eleitoral. Novamente, o núcleo notificou o Codec para fixação da tabela de salários dos engenheiros ao Plano de Cargos, Carreiras e Salários da CPTM, a partir de janeiro de 2015. Mas não ocorreu a sua implantação.
 

• 2015: mais uma vez a questão foi discutida nas assembleias e mesas de negociações. Os dissídios coletivos neste ano foram objeto de audiências de conciliação e o Codec teve que se posicionar, definitivamente, sobre o realinhamento da estrutura salarial dos engenheiros no prazo de dez dias.
 

• Como não obtivemos retorno nesse período, o TRT oficiou o Codec para que responda, sob pena de apuração de crime de desobediência.
 

Vale lembrar que o salário mínimo profissional é uma bandeira de luta do SEESP e da Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) e seus sindicatos filiados.

 

 

Imprensa SEESP

 

 

 

 

 

 

 

 

Os engenheiros da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), em assembleia, no dia 2 de junho último, decidiram suspender a greve marcada para começar no dia 3, mas mantiveram o estado de greve e definiram outra data para a paralisação, 15 de junho. A decisão tomou como base a proposta econômica apresentada pela companhia na terceira audiência de instrução e conciliação do dissídio de greve, no Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo (TRT/SP), realizada também no dia 2. Os profissionais reafirmaram o eixo principal de campanha salarial deste ano que é a correção da sua estrutura salarial.


Fotos: Beatriz Arruda
CPTM 02JUN2015 editado 
Audiência do TRT/SP, no dia 2 de junho 


Nova audiência, no tribunal, já está marcada para o dia 11 próximo, data em que a categoria volta se reunir em assembleia, às 18h, na sede da Associação dos Engenheiros da Estrada de Ferro Santos-Jundiaí (Rua José Paulino, 7, Bom Retiro – São Paulo/SP).



 

Rosângela Ribeiro Gil
Imprensa SEESP








Os engenheiros da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), em assembleia no dia 26 de maio último, rejeitaram a proposta econômica apresentada pela empresa, na segunda Audiência de Instrução e Conciliação do Dissídio de Greve do Tribunal Regional do Trabalho (TRT/SP), e suspenderam a greve marcada para o dia 27, aprovando a paralisação para o dia 3 de junho.


Foto: Beatriz Arruda
CPTM 26MAI2015 
Engenheiros na assembleia do dia 26 de maio último
 

Também aprovaram a apresentação de uma proposta mínima que estabelece reajuste salarial correspondente ao INPC (7,67%) + 1,5% de aumento real, totalizando 9,29%, condicionado à correção da estrutura salarial dos engenheiros na CPTM, conforme cláusula 76 da pauta de reivindicações 2015 da categoria, bem como a equiparação dos demais benefícios de caráter econômico aos que vierem a ser conquistados pelos engenheiros do Metrô na campanha salarial de 2015.

Os engenheiros se reúnem em nova assembleia, que está em caráter permanente, no dia 2 de junho próximo, às 18h, na Associação dos Engenheiros da Estrada de Ferro Santos-Jundiaí (Rua José Paulino, 7, Bom Retiro – São Paulo/SP).


 

Imprensa SEESP







Em assembleia realizada nesta quinta-feira (21/5), os engenheiros da Companhia Paulista dos Trens Metropolitanos (CPTM) aprovaram a paralisação das atividades a partir da zero hora do dia 27 próximo (quarta-feira). A decisão foi tomada porque a empresa, em mesa de negociação para renovação do Acordo Coletivo de Trabalho 2015, ofereceu proposta salarial insuficiente e sem atender às reivindicações da categoria. A empresa já foi comunicada sobre a decisão.

O SEESP está aberto às negociações e espera que a CPTM reveja a sua posição e valorize os seus profissionais apresentando uma proposta mais decente.

Nova assembleia
Os engenheiros se reúnem, em nova assembleia, no dia 26 de maio, às 18h (segunda convocação), na sede da Associação dos Engenheiros da Estrada de Ferro Santos-Jundiaí (Rua José Paulino, 7, Bom Retiro – São Paulo/SP), para avaliar qualquer fato novo na campanha e definir os próximos passos da mobilização da categoria.


Ilustração Maringoni/SEESP
CPTM Maringoni editado 



Rosângela Ribeiro Gil
Imprensa SEESP









 

Após intensas negociações entre a empresa e os sindicatos dos trabalhadores iniciadas na semana passada, que culminou com reunião do Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos Coletivos – NCC/TRT 2ª Região realizada nesta segunda-feira (19/5), chegou-se a uma proposta econômica satisfatória da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CTPM) para a assinatura do Acordo Coletivo de Trabalho 2014/2015.


Foto: Beatriz Arruda
CPTM 19MAI2014 dentro Engenheiros aprovam proposta da CPTM em assembleia, na segunda (19/5)


Essa proposta foi apresentada em assembleia, também nesta segunda-feira, aos engenheiros que decidiram pela sua aprovação e deliberaram, ainda, manter a categoria em estado de greve até o cumprimento, pela companhia, do Salário Mínimo Profissional do engenheiro; conclamar a CPTM que cumpra o acordado com os sindicatos de trabalhadores no término da campanha salarial 2013, encaminhando dentro das comissões formadas junto ao NCC/TRT 2ª Região para a aplicação do Salário Mínimo Profissional do engenheiro na empresa e para a melhoria do PCCS atualmente em vigor; e manter a assembleia em caráter permanente até o término das negociações em curso.

Entre os itens da proposta aprovada destacam-se:

a) Reajuste salarial de 7,5% (correspondente a 3,97% do Índice de Preço ao Consumidor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (IPC/Fipe) mais aumento real de 3,4%);

b) vale-refeição: 24 cotas mensais de R$ 25,00 (correspondendo a 18,6% de aumento no valor total por mês atualmente praticado);

c) vale-alimentação de R$ 247,00 por mês (correspondendo a 147% de aumento em relação ao valor atualmente praticado);

d) reajuste dos demais benefícios de caráter econômico pelo mesmo índice do reajuste salarial;

e) pagamento do Programa de Participação nos Resultados (PPR) de 2014, com garantia de um mínimo de R$ 3.548,00 por empregado vinculado ao cumprimento de metas e resultados, com pagamento no dia 31 de março de 2015. Ficou, ainda, assegurada a participação dos sindicatos na revisão das metas especificadas no planejamento estratégico e operacional, propondo alterações e novos indicadores e metas com continuidade das negociações perante o NCC/TRT 2ª Região;

f) piso da categoria: a CPTM se comprometeu a formar comissão específica de esclarecimentos e discussão sobre a reivindicação com encaminhamento junto ao NCC/TRT 2ª Região. Nova reunião sobre o tema foi agendada com o núcleo no próximo dia 9 de junho. Na ocasião, a empresa deverá apresentar os elementos necessários para efetivar o pleito;

g) estabelecer calendário de reuniões entre a empresa e os sindicatos (30 de maio, 18 de julho, 1º de agosto e 1º de setembro) junto ao NCC/TRT 2ª Região para discussão do Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS); e

h) manutenção das demais cláusulas de caráter social do ACT 2013.


 

Imprensa – SEESP









O SEESP assinou, no dia 21 último, termo aditivo ao Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) com a CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), que estabelece mudança na cláusula 61 do ACT, que é o item do reajuste salarial. A nova redação aumenta o reajuste dos engenheiros de 6,97% para 8,56%. O aditivo será enviado à Sefaz (Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo) para alterar, também, o índice que deverá ser repassado às complementações de aposentadoria dos beneficiários da extinta Fepasa (Ferrovia Paulista S.A.). Assim que obtivermos informações de quando será reajustado esse benefício, informaremos prontamente.

ALL/Ferroban
Este reajuste atinge somente os beneficiários cujos proventos são reajustados com base nos índices praticados pela CPTM. Portanto, não se aplica àqueles que têm suas correções fundamentadas nos índices da ALL/Ferroban.

 

Imprensa – SEESP




agenda