GRCS

João Guilherme Vargas Netto*

Seguindo a orientação das autoridades sanitárias, os sindicatos começam a diminuir as atividades e reuniões presenciais, substituindo-as pelas interações eletrônicas e pelo trabalho a distância.


Essas preocupações, que são corretas, não devem significar a interrupção das atividades nem a moratória das responsabilidades sindicais com os trabalhadores e com a sociedade.

Diminuir os contatos físicos não pode ser abrir mão de estar presente e atuante; não são férias, mas trabalho redobrado.


Se a sociedade enfrenta a grave crise do coronavírus que desorganiza o mundo do trabalho, o papel essencial dos sindicatos deve e tem que ser reforçado, assim como de todas as instituições coletivas responsáveis (governos, partidos, associações, igrejas, clubes e imprensa).


No seu dia a dia eletrônico, os meios de comunicação sindical e a ação dos dirigentes devem se concentrar em dois eixos de tarefas.


O primeiro deles é difundir, com inteligência e eficácia, as grandes orientações de prevenção: higiene, interrupção de contatos pessoais, persistência nas medidas.

Os sindicatos gozam de confiança dos trabalhadores e são, portanto, essenciais para organizar a prática efetiva de medidas de prevenção.


A segunda tarefa das direções sindicais (com a relevância social que lhe é própria) é exigir dinheiro para o Sistema Único de Saúde (SUS), reforço do pessoal da saúde e medidas concretas governamentais, bem como exigir e praticar a representação sindical em cada medida emergencial que envolva negociações coletivas, aplicação de layoffs, férias coletivas, proteção sanitária especial para os profissionais que continuam a trabalhar, garantia de renda mínima para os informais, reforço dos auxílios previdenciários e do seguro-desemprego.


Se enfrentar a crise é uma guerra, o estado maior dos trabalhadores – que são os sindicatos - deve se colocar à altura de suas responsabilidades.


Joao boneco atual

* Consultor sindical





Opinião

agenda