GRCS

12/09/2012

Congresso dos engenheiros discute gargalos e falta de profissionais

O país precisa formar 60 mil novos engenheiros por ano para atender o crescimento e os grandes eventos, mas só 38 mil novos profissionais ingressam no mercado. Faltam engenheiros no Brasil, mas oferta de vagas não corresponde à procura dos profissionais. Este problema nacional tem explicações que vão desde a velocidade do crescimento econômico no país até a evasão nas faculdades. Segundo dados do Censo de Educação Superior (Inep/MEC), o Brasil formou apenas 38 mil engenheiros em 2010. E para atender ao crescimento da economia, as obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) e aos grandes eventos esportivos, como a Copa das Confederações, o Mundial de 2014 e as Olimpíadas de 2016, o Brasil precisa de 60 mil novos especialistas por ano. Ou seja, a realidade é 63% abaixo da necessidade. No período de 24 a 26 de setembro, centenas de profissionais de todo o Brasil estarão reunidos em São Paulo para discutir, entre outros temas, essa escassez da mão de obra na área.

"Precisamos elevar a remuneração, incentivar os recém-formados e pensar em benefícios voltados à inclusão dos profissionais que acabaram deixando o mercado por falta de oportunidade. Em suma, tomar medidas para que os nossos profissionais aproveitem as oportunidades que se abrem, descartando a importação de mão de obra", alerta o presidente da FNE (Federação Nacional dos Engenheiros), Murilo Celso de Campos Pinheiro.

Com a presença do governador Geraldo Alckmin na abertura, a oitava edição do Congresso Nacional dos Engenheiros (VIII Conse), é uma iniciativa da FNE, e irá contar com palestras do ex-presidente do BNDES, Carlos Lessa, e do ministro da Secretaria Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho. Não é de hoje que a FNE alerta para a falta de profissionais nos diversos segmentos da engenharia. Desde setembro de 2006, quando lançou a primeira versão do "Cresce Brasil", a entidade chama a atenção da sociedade para o assunto.

O documento, lançado há seis anos, virou uma ferramenta valiosa para a mobilização da categoria em torno do desenvolvimento nacional e para apontar ao governo federal os principais gargalos de infraestrutura. Desde então, o projeto dos engenheiros foi apresentado a diversas autoridades e com elas debatido. Um reflexo positivo desse esforço foi a presença de inúmeras propostas do "Cresce Brasil" no PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), anunciado em 2007 pelo governo.

Realizado a cada três anos, o encontro mais importante da FNE, a exemplo das edições de 2006 e 2009, colocará em pauta o debate sobre desenvolvimento, sob o tema "Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento - País + Inteligente". "Com isso, a federação reafirma sua convicção da necessidade de manter e aprimorar políticas que estimulem a atividade econômica e beneficiem a produção e o emprego", acrescenta Pinheiro.

Em 2009, o projeto foi atualizado e ampliado, sob o título "O Cresce Brasil e a superação da crise". Atualmente, coloca o seu foco na Copa 2014, seus desafios e a oportunidade que representa em termos de avanço na infraestrutura das cidades-sedes dos jogos no país. Juntamente com o balanço do projeto e o debate sobre suas perspectivas, a FNE lança publicação com a memória da iniciativa, que também merecerá uma exposição focando sua contribuição ao desenvolvimento.

* Veja aqui toda a programação do VIII Conse

 

Imprensa – SEESP
Com informação do Portal Nacional dos Corretores de Seguros


 

Lido 3196 vezes

Comentários   

# Eng.Henrique 19-10-2012 15:25
O país não necessita de novos engenheiros, mas sim valorizar os que possui. Como o sr. Murilo bem colocou, um dos problemas é a baixa remuneração; sem sombra de dúvidas, a causa principal.
Empregados como analistas, assistentes técnicos, consultores e outros, as empresas têm inserido os engenheiros dentro de faixas salariais absurdas e ultrajantes. Nos últimos anos, alguns segmentos de mercado como o de Telecom, além de reduções nos quadros, tem substituído profissionais seniores por juniores com o mesmo objetivo. Se continuarmos a analisar sob este mesmo aspecto, seria coincidência, neste mesmo segmento, o uso de consultores (famosos PJs) crescer exponencialment e nos últimos anos? Necessário se faz incluir outros pontos nessas discussões e focar mais nas empresas e não nos profissionais. Como sempre digo: questão cultural.
Henrique
BH.MG
# Engenheiro ElétricoValdir Almeida 13-09-2012 17:34
Creio que o problema não é nem a baixa remuneração, mas sim o excesso de exigências para a contratação desses profissionais.
Tem que se pensar em fazer convênios com universidades, que não seja só USP e ITA, para adequar esses novos engenheiros as necessidades do mercado em constante evolução e por muitas vezes uma universidade com métodos incompatíveis com o cenário do mercado atual.
# CorreçãoFrancisco 13-09-2012 08:12
Uma correção de engenheiro, mas na verdade qualquer pessoa que tenha escrito este artigo não deveria errar:

onde está escrito: "...a realidade é 63% abaixo da necessidade..."

o correto seria: "...a realidade é 37% abaixo da necessidade..."

ou: "...a realidade é de 63% da necessidade."

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

Oportunidades Plataforma 29 04 1

VAGAS DE ESTÁGIO DE ENGENHARIA

agenda