GRCS

10/08/2012

Investir em inovação pode dinamizar a economia

No Brasil, é baixo o volume de investimentos em inovação tecnológica. Para o geógrafo Pablo Ibañez, esta condição representa uma significativa vulnerabilidade econômica externa para o País, que se vê altamente dependente de tecnologias importadas e de alto custo. Ibañez, que desenvolveu a tese de doutorado Geopolítica e Inovação Tecnológica: uma análise da Subvenção Econômica e das Políticas de Inovação para a saúde na FFLCH (Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas) da USP, acredita que o incremento de políticas públicas que incentivem a inovação não só contribuiria para diminuir a dependência externa da nação, como também auxiliaria a movimentar a economia interna.

No trabalho, o pesquisador defende que a inovação deve ser tomada como elemento fundamental da análise geopolítica — a área da geografia que estuda as relações econômicas e de poder entre os países —, pois representa uma importante fonte de poder e força políticos e econômicos. As conclusões surgiram a partir da análise das importações e investimentos nacionais em tecnologia, com foco específico no setor da saúde, que representa uma área estratégica para as políticas de inovação por relacionar-se diretamente com uma necessidade básica da população. “A dependência muito clara de qualquer tipo de medicamento ou equipamento médico-hospitalar, em alguma crise, pode transformar-se em um problema de fragilidade externa do País”, ressalta Ibañez.

Outra questão que aponta para a importância da pesquisa e desenvolvimento na área da saúde, como explica o geógrafo, é a transição demográfica do País. “O Brasil está cada vez mais idoso”, diz. Isto significa que o perfil epidemiológico da população — as doenças mais comuns no quadro de morbimortalidade brasileiro — tem sofrido alterações e aproximando-se dos países desenvolvidos, caracterizando-se por enfermidades mais complexas e onerosas. Esse tipo de doença, em que se incluem o câncer e problemas cardiovasculares, por exemplo, requer tratamentos específicos, cujos instrumentos necessários o Brasil não domina a produção. Assim, cresce cada vez mais o número de importações de tecnologia médica e hospitalar no País.

Economia e inovação
Segundo Ibañez, é importante que continue a se investir em inovação no Brasil não só para que o País se torne mais independente tecnologicamente, mas para que a própria economia interna tenha maior desenvolvimento. “Ao produzir a própria tecnologia, geram-se também mais atividades produtivas no País”, explica.

Neste contexto, além de financiador, o Estado também assumiria um importante papel em função de seu poder de compra. Pablo exemplifica a situação com os próprios gastos estatais com saúde: o SUS (Sistema Único de Saúde) é um grande comprador de medicamentos. Isto, ele diz, pode ser usado como fator para a movimentação da economia. “A ideia é que isso dinamizasse a economia interna e que esse poder de compra do Estado fosse fundamental para o desenvolvimento das indústrias nacionais e da tecnologia produzida dentro do País”, completa. Em abril deste ano, o governo federal anunciou uma medida que vai ao encontro deste pensamento: produtos nacionais da área da saúde, como medicamentos, fármacos e equipamentos, terão prioridade em licitações de comprar públicas do SUS, com a possibilidade de serem adquiridos com preços até 25% superiores aos restantes.

Outro aspecto importante que, de acordo com Ibañez, deve ser trabalhado para o futuro é a participação privada nos investimentos para inovação, hoje majoritariamente financiada pelos cofres públicos. A articulação entre os setores públicos e privados é de fundamental importância. Além disso, também merecem atenção a qualificação de mão-de-obra, bem como a estruturação de novas políticas e mecanismos de incentivo à pesquisa e desenvolvimento que favoreçam setores estratégicos da economia.
 

Imprensa – SEESP
Agência USP de Notícias



Lido 1970 vezes

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

Oportunidades Plataforma 29 04 1

VAGAS DE ESTÁGIO DE ENGENHARIA

agenda