GRCS

29/06/2012

Sistema de cotas pode tramitar com urgência no Senado

A Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado aprovou na quinta-feira (28/06) o projeto de lei da Câmara (PLC) 180/2008 que institui sistema de cotas com reserva obrigatória de, no mínimo, 50% das vagas nas universidades e instituições federais de ensino técnico para os alunos que até então só tenham estudado em escola pública.

O texto também combina critério étnico-racial e social para a seleção dos ocupantes dessas vagas. Pelo critério social, metade vagas do sistema de cotas deverá ser reservada a estudantes cujas famílias tenham renda per capita igual ou inferior a um salário mínimo e meio – em valores atuais o equivalente a R$ 933.

Com base no critério étnico-racial, todas as vagas da cota serão preenchidas em conformidade com os percentuais de participação de negros, pardos e indígenas na população do estado onde a instituição de ensino está localizada.  Para isso, será levado em conta o censo mais recente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Vagas remanescentes
Pelo projeto, a candidatura às vagas da cota dependerá de autodeclaração dos interessados como integrante de um dos grupos étnicos que contam com a preferência. Caso sobrem vagas após a aplicação da reserva por critério étnico-racial, aquelas que restarem deverão ser ocupadas por estudantes vindos do ensino médio público até o preenchimento da cota mínima de 50% sobre o total de matrículas. As cotas devem incidir sobre as vagas por curso e turno de ensino.

A reserva de vagas não dispensará o aluno de atingir um resultado minimamente satisfatório nos exames normalmente aceitos pelas universidades, como o Enem e o vestibular. Atualmente, a maior parte das instituições federais tem optado pelo Enem.

 

Imprensa – SEESP
* Com informação da Agência Senado

 

Leia também
Brasil tem mais um motivo para não corar de vergonha
STF julga constitucional política de cotas na UnB
Lido 1526 vezes

Comentários   

# Medida certa ou eleitoreira?Carlos Augusto Perei 31-07-2012 10:41
Cerca de 30% dos alunos iniciantes no curso diúrno de Letras da USP (considerada uma das melhoes universidades da AL) não domina o idioma pátrio e portanto o entendimento e a produção de textos!!! E todos eles passaram pelo Enem ou vestibular!!! Imaginem como deve ser nas outras faculdades onde essa disciplina não é tida como fundamental. Imaginem o nível dos alunos provindos das escolas públicas que serão beneficiados por esse sistema de cotas totalmente discrepante com a realidade do ensino nacional. Imaginem o nível dos profissionais que serão colocados no mercado de trabalho com uma deficiência dessas. Mas é ano eleitoral, né? O negócio é agradar os eleitores e empurrar o problema pra frente.

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

Oportunidades Plataforma 29 04 1

VAGAS DE ESTÁGIO DE ENGENHARIA

agenda