GRCS

15/05/2012

Brasil precisa investir R$ 125 bilhões em transporte, afirma Ipea

O Brasil precisa de um programa de investimentos na ordem de R$ 125 bilhões por ano para solucionar gargalos e impulsionar o desenvolvimento do setor de transporte nos modais rodoviário, ferroviário, portuário e aéreo. O valor é equivalente a 3,4% do Produto Interno Bruto (PIB) do País e deveria ser aplicado nos próximos cinco anos.

O cálculo é do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), que acaba de divulgar o estudo “Brasil em Desenvolvimento: Estado, Planejamento e Políticas Públicas”. A média de 3,4%, considerada ideal, foi obtida a partir da avaliação dos investimentos feitos por cinco países, onde o trabalho com os sistemas de transporte merecem destaque: Chile, China, Vietnã, Tailândia e Filipinas.

Atualmente, entre recursos públicos e privados, o Brasil aplica quase cinco vezes menos. Em 2010, por exemplo, o Ipea constatou que apenas 0,7% do PIB – R$ 24,8 bilhões - foi aplicado no setor, “o que confirma a necessidade de incremento significativo para não haver obstáculos ao crescimento econômico”, segundo o estudo. Entre 2006 e 2010, a média de investimento foi ainda menor: R$ 18,3 bilhões.

Dos R$ 125 bilhões, o Ipea estima que 53,4% - R$ 66,7 bilhões - devem ser investidos exclusivamente para resolver gargalos de infraestrutura: R$ 36,9 bilhões iriam para o setor rodoviário, R$ 15,9 bilhões para as ferrovias, R$ 9,3 bilhões seriam alocados no setor portuário e R$ 4,6 bilhões destinados às estruturas aeroportuárias.

A diferença de R$ 58,3 bilhões anuais, durante cinco anos, poderia ser direcionada à ampliação da infraestrutura de transporte. São recursos que deverão ser investidos na ampliação da malha rodoviária (R$ 32,2 bilhões) e ferroviária (R$ 13,9 bilhões), e na construção e ampliação de estruturas portuárias (R$ 8,1 bilhões) e aeroportuárias (R$ 4 bilhões).

O levantamento apresenta um plano para os próximos 15 anos na infraestrutura de transportes nacional, isto é, os investimentos não devem cessar a partir do sexto ano. Após esse período, o país precisaria investir R$ 73,6 bilhões por ano, o que representa, em média, 2% do PIB.

A aplicação dos recursos, até o 15º ano, deve ter dois objetivos simultâneos. O primeiro corresponde aos investimentos em manutenção e recuperação do setor de transporte. O segundo visa integrar com maior eficiência a matriz de cargas brasileira que, atualmente, registra participação desigual do modal rodoviário, “o que aumenta sobremaneira o custo do transporte e da logística”, segundo o Ipea.

A melhor distribuição das cargas entre os quatro modais seria baseada nos percentuais de investimento propostos pelo Plano Nacional de Logística e Transportes (PNLT) 2010. A meta, segundo os pesquisadores, é fazer com que os recursos estimulem principalmente o desenvolvimento dos modais ferroviário e aquaviário.


Imprensa – SEESP
* Informações da Agência CNT de Notícias

 

Leia também
* Transporte público, o drama de milhões
* Brasil precisa investir mais no setor de transportes
* Ministro defende trem e hidrovias para o transporte de carga
* Transporte é maior legado da Copa para a África do Sul
* Pacotes não funcionam sem transportes
* Transporte coletivo é o caminho para a mobilidade urbana
* Brasil está aprendendo a valorizar transporte sobre trilhos
* 
Brasil precisa de transporte público de qualidade
* Jurandir Fernandes: "O metrô de São Paulo não está em colapso"
* 
Valorizar os engenheiros brasileiros
* 
Brasil está na contramão da mobilidade urbana
* 
“Cidades podem parar em 2020”, alerta presidente da NTU
* 
Engenheiro critica “dilapidação” do transporte ferroviário no País
* 
Mobilidade Urbana no contexto do Plano Estratégico SP2040
* 
Ferrovia tem interessados, mas falta investimento
* 
CRESCE BRASIL - Trem-bala é bem-vindo, mas não é prioridade
* Hidrovia responde por 11% do transporte de carga no Brasil


Lido 1701 vezes

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

agenda