logo seesp ap 22

 

BannerAssocie se

10/11/2022

O desafio da formação de engenheiros(as) para enfrentar os problemas sociais e climáticos complexos

Prof. Dr. Roberto de Aguiar Peixoto, Eng. Leonardo Sanches Previti, Profa. Me. Gabriela Sá Leitão de Mello e Prof. Dr. Marcello Nitz, do Instituto Mauá de Tecnologia (IMT)

 

O Brasil e o mundo estão enfrentando uma série de desafios associados a diversos problemas socioambientais complexos, de natureza tanto técnica quanto política. Esses problemas impactam toda a população e abrangem questões cotidianas, como tratamento médico, habitação e disponibilidade de alimentos; sociais, como educação, emprego e desigualdade social; e ambientais, como as postas pelas mudanças climáticas, que serão discutidas durante a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas de 2022 (COP-27), entre 6 e 18 de novembro em Sharm El Sheikh, no Egito.

 

As diversas áreas de atuação profissional devem ser envolvidas na busca de soluções para esses problemas e a engenharia é uma das mais abrangentes, pois afeta praticamente todos os aspectos de nossa sociedade e pode-se dizer que é a face do poliedro das atividades humanas que trabalha para a solução de problemas com o uso da ciência e da tecnologia.

 

O desenvolvimento proporcionado pela engenharia tem impactos diretos nas interações sociais e ambientais, muitos dos quais negativos. As consequências socioambientais da engenharia teriam sido diferentes se os engenheiros estivessem mais bem preparados para um estudo sistemático do complexo papel da engenharia na sociedade, se tivessem tido maior envolvimento com cientistas sociais e dialogado de forma mais adequada com comunidades afetadas por seus empreendimentos.

 

Para que a engenharia dê sua contribuição para o equacionamento e a solução dos grandes desafios da humanidade novas competências são requeridas. O envolvimento do profissional da engenharia como um solucionador de problemas comprometido e cientificamente informado é um apoio fundamental para a sociedade. Logo, a formação em engenharia deve contemplar a discussão do envolvimento dos engenheiros e das engenheiras nos fundamentos éticos, racionais e morais da modificação da natureza.

 

No Brasil, as novas Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) da Engenharia passaram a vigorar em abril de 2019, trazendo avanços com relação à expectativa de formação desses profissionais, privilegiando as competências em vez dos conteúdos e destacando o seu papel social. Segundo as DCNs, o egresso de um curso de Engenharia deve, entre outras competências, ter visão holística e humanista, considerar os aspectos globais, políticos, econômicos, sociais, ambientais, culturais e de segurança e saúde no trabalho, além de atuar com isenção e ter compromisso com a responsabilidade social e com o desenvolvimento sustentável.

 

Por isso, o incentivo para trazer a dimensão social à educação superior também está presente na determinação do MEC, de que todo curso deve dedicar 10% de sua carga horária a atividades extensionistas. Essa resolução, de dezembro de 2018, estabelece as diretrizes para a extensão na educação superior brasileira.

 

Dessa forma, uma missão para a engenharia, em todo o mundo, seria colocar as necessidades mais imediatas da sociedade em um contexto mais amplo. Acreditamos que uma das ações da engenharia para que os ODS sejam alcançados é influenciar a criação de políticas públicas que façam a sociedade avançar em termos de sustentabilidade e solução de problemas socioambientais.

 

Porém, para isso, o fator “mudanças climáticas” deveria ser considerado nos projetos. Isso passa, portanto, pela construção de projetos pedagógicos que coloquem os engenheiros e engenheiras como atores sociais competentes para resolver problemas complexos, vencer os grandes desafios da humanidade e contribuir para um mundo sustentável, com menos desigualdade social, em que haja alegria de viver. A mudança começa na escola!

 

 

 

 

 

 

Lido 101 vezes

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar



Receba o SEESP Notícias

E-mail:

agenda